Mostre para seus amigos

Conte para seus amigos sobre o Blog do Cabra, e curtam nossa página no Facebook!!!

Actio Consultoria e Treinamento

A ACTIO é uma consultoria empresarial que transforma grandes idéias em realidade e desenvolve projetos de acordo com as necessidades de seus clientes, traduzidos em inovação, desenvolvimento, e melhoria nos resultados da organização.

O Blog do Cabra recomenda

Ações de Motivação Dos Funcionários Necessitam de Equipe e Líder Maduros, continue lendo no Blog Administrando Você.

Destaque do Blog do Cabra

Muitos gostaram deste assunto, um assunto bastante procurado e mereceu destaque.

A disposição de todos

Nossos colunistas estão a disposição de todos para tirar dúvidas e sugestões, deseja ler sobre um assunto? Fale para nossos colunistas.

Inovação, Co-criação e Outsourcing Criativo


Por Paulo Ferreira

Costumo há anos usar uma expressão para designar o valor de uma visão externa para a solução dos problemas que exigem inovação e criatividade: “o lugar mais difícil para ler o rótulo é de dentro da garrafa” – mais recentemente, a expressão “pensar fora da caixa” tornou-se bastante comum, a ponto de hoje ser uma frase-feita, sobre a qual pouco se pensa de fato. Gosto da variação sobre o rótulo e a garrafa porque muitas vezes, as soluções estão tão claras para quem vê de fora que parece, mesmo, que há um rótulo impresso – e só não o leem os que estão dentro da garrafa.

Foi a essa conclusão que chegaram vários inovadores contemporâneos, ao buscar soluções inovadoras fora de seus círculos contratados. Mais que qualquer outro, Larry Huston, vice-presidente de Inovação da Procter & Gamble, sistematizou esta busca externa e em oito anos fez crescer o resultado da P&G em mais de 86 bilhões de dólares, mantendo essencialmente a mesma equipe e o mesmo investimento.

A essência do que Larry Huston faz é dizer a uma rede externa quais são as necessidades ou oportunidades de mercado para a P&G, tendo então como resposta soluções prontas ou semi-prontas. Com isso, ele adicionou milhões de cientistas e inovadores à já notável rede de nove mil cientistas de primeiro nível que trabalham em pesquisa e desenvolvimento como quadros contratados da empresa.

Assim descobriu, por exemplo, que o dono de uma padaria em Milão havia desenvolvido uma tecnologia para imprimir com tinta comestível sobre as coberturas dos bolos que fazia na padaria – e essa tecnologia foi desenvolvida e usada para imprimir desenhos de personagens animados nas batatas Pringles, num negócio de milhões de dólares, desenvolvido em tempo recorde.

O próprio Larry Huston, em sua palestra na Fórum de Lucratividade de HSM em São Paulo, apresentou o case do Apple i-Phone: desenvolvido em oito meses, desde o início até a entrada no mercado, aproveitando partes existentes (como o sistema operacional) e partes desenvolvidas por outras empresas (como a touchscreen).

O fato é que aproveitar as inovações já iniciadas por outras empresas ou as idéias de profissionais de fora da empresa tem sido essencial para o desenvolvimento da Apple e da Procter & Gamble, apenas para citar dois expoentes da co-criação. Mas o que faz com que essas empresas aproveitem todo esse potencial, e seus competidores não façam o mesmo? Essencialmente, uma única coisa: mente aberta.

Inovação aberta e co-criação exigem uma mente aberta; e obviamente isso não significa que não haja segredo industrial envolvido – mas apenas que essas empresas podem utilizar o valor previamente criado, sem a necessidade de criar tudo do zero, porque aceitam que as idéias é que são importantes, e não de onde elas vêm. Obviamente, paga-se bem por essas idéias – mas paga-se por um desenvolvimento que é conhecido, com um resultado previsível, diretamente relacionado ao objetivo.

Essas empresas têm a mente aberta para comprar idéias, e não comprar apenas tempo de profissionais contratados. Se as idéias foram criadas há um ano ou dez anos, não faz diferença. Foram criadas numa segunda-feira à tarde ou durante as férias de verão do inventor? Também não importa. Não há relação tradicional de contratação de funcionário. Quem teve a ideia, inclusive, é o dono dela, e pode se negar a vender, se assim decidir. E isso sugere um novo modelo de negócio, onde deverá ser ajustada uma participação para o criador da ideia, vindo das receitas geradas pelo produto resultante.

Mas, antes de tudo, não há nesse jogo mais espaço para a mentalidade feudal que se considera dono de seus colaboradores e das idéias que eles gerem. Essa mentalidade ainda resiste em muitas empresas – que não poderão colher os frutos desta nova atitude de inovação enquanto não entrarem realmente no espírito aberto das relações de trabalho intelectual do século 21.

Paulo Ferreira é publicitário, atua como consultor especialista em Gestão Estratégica de Negócios; é editor-contribuinte do All Music Guide e consultor de imagem e comunicação da Wasaby Innovation.

Fonte da imagem: gettyimages

5 Piadas Que Ensinam Muito Sobre Gestão e Negócios

Rindo, se dizem grandes verdades – e se tiram boas lições para as empresas 

Por Márcio Juliboni

Quem não se lembra daquele professor do cursinho pré-vestibular que era capaz de ensinar as lições mais complicadas apenas com uma piada? Aquela que você lembra até hoje.

Pois é. No mundo dos negócios, não é diferente. Bons professores de MBA alternam conceitos pesados com piadinhas didáticas e, creia, você vai se lembrar mais das últimas, do que dos primeiros.

E não há nada de errado nisso, desde que você entenda – e aplique – a lição.

Veja, a seguir, algumas anedotas que ensinam coisas bem sérias sobre gestão, liderança e negócios:

A mensagem de Deus

Um condenado à morte esperava a hora de sua execução, quando o padre chega para lhe dar a última bênção.
- Meu filho, nesta hora difícil, vim lhe trazer a palavra de Deus.
- Não precisa, padre. Daqui a pouco, vou falar com Ele pessoalmente.

Lição: não adianta nada ter um bom produto, se você não sabe abordar o cliente corretamente.

Vistoria

O presidente de uma grande empresa aparece na linha de produção para uma inspeção de rotina. Procura o encarregado e lhe pergunta:
- Quantos funcionários trabalham neste setor?
Depois de pensar um pouco, o encarregado responde:
- Olha... mais ou menos a metade!

Lição: de que adianta ter muita gente, se a equipe não está motivada? Saiba inspirar seus colaboradores, para que não estejam lá apenas de “corpo presente.”

Insônia

O homem está com olheiras profundas, sonolento, bocejando. Quase não se aguenta na cadeira, diante do médico.
- Doutor, faz meses que não consigo dormir à noite – diz, muito abatido.
- Isso é grave. Você se lembra de quando isso começou?
- Sim, doutor. Desde que virei guarda noturno...

Lição: esteja certo de que você compreendeu todos os aspectos de uma tarefa ou cargo, antes de aceitá-los. Os positivos e os negativos. Somente isso lhe dará segurança para saber se você está preparado para o desafio.

Cientista maluco

O cientista está pesquisando uma aranha. Arranca duas patas dela, e grita: anda! A aranha reage e anda. Arranca mais duas patas e grita de novo: anda! O bicho, com dificuldade, se arrasta. Por fim, arranca as duas últimas patas e grita: anda! O inseto permanece imóvel. Anda!, grita de novo. Anda! E o bicho não esboça nenhuma reação.
Então, o cientista anota em seu notebook:
- Conclusão da pesquisa: aranhas sem patas ficam surdas.

Lição: muitos gestores tem brilhantes conclusões para os problemas errados. Tenha certeza de que você e sua equipe são capazes de mapear os verdadeiros problemas da companhia – e encontrar as ideias corretas para resolvê-los.

O novo presidente

Um novo presidente é contratado e sua missão é tornar a empresa mais produtiva. No primeiro dia, em uma ronda pela companhia, encontra um rapaz encostado na parede, com as mãos no bolso e um ar entediado. Para mostrar como seria daqui em diante, o presidente lhe pergunta, energicamente:
- Quanto você ganha por mês, rapaz?
- Trezentos reais, doutor. Por quê?
O presidente tira o dinheiro do bolso e lhe dá, teatralmente.
- Tome o seu salário. E agora suma daqui. Não quero vê-lo nunca mais!
O rapaz pega o dinheiro e sai sem dizer nada. O presidente, triunfante, pergunta aos funcionários por perto:
- O que esse rapaz fazia aqui?
- Ele veio entregar a pizza, e estava esperando a gente juntar o dinheiro para pagá-lo.

Lição: conheça profundamente sua equipe, antes de tomar qualquer decisão. Caso contrário, você pode ser visto como alguém precipitado. E que, por isso mesmo, faz a coisa errada.


Fonte da imagem: gettyimages

Você Sabe Como Ser Feliz no Trabalho? Veja Onde Estão os Maiores Problemas


Por Viviam Klanfer Nunes

Como ser feliz no trabalho? Sem dúvida, você já deve ter se feito tal pergunta em algum momento da sua vida profissional. A resposta, porém, não é tão complicada quanto se imagina.

Primeiro, deve-se identificar os aspectos da profissão, do emprego e da carreira que o fazem se sentir preocupado, desmotivado e insatisfeito e atuar neles. Nessa análise, você verá que a remuneração, sempre entre as principais preocupações dos trabalhadores, não é o elemento fundamental.

Para nos ajudar nessa análise, a equipe InfoMoney contou com a ajuda da consultora de planejamento de carreira da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Karla Oliveira, que elaborou uma lista de elementos que devem ser observados para se alcançar o máximo de felicidade no trabalho:

Qualidade de vida - antes de mais nada, é preciso entender que a felicidade no trabalho não está relacionada apenas ao que acontece enquanto você está realizando suas atividades na empresa. “Se a pessoa não tem uma vida saudável, está sempre com problemas de saúde, e isso vai afetar diretamente sua felicidade no trabalho”, diz Karla.

Vida pessoal - na mesma linha do item anterior, se a sua vida pessoal estiver cheia de problemas, você dificilmente conseguirá deixá-los em casa, quando estiver trabalhando. Aqui também entra a questão do orçamento. “Se o profissional estiver cheio de dívidas, sem conseguir pagar as contas ao final do mês, ele vai ficar constantemente perturbado com essas questões, o que consequentemente afetará sua felicidade”, avalia Karla.

Estabeleça limites - alguns dos maiores problemas que impedem a felicidade no trabalho nem sempre podem ser resolvidos pelo próprio profissional, porque são questões que dependem do comportamento de outra pessoa. Chefes intransigentes, inflexíveis e rígidos demais normalmente causam grande infelicidade aos seus subordinados.

Segundo Karla, nessa situação, o profissional tem, basicamente, dois caminhos. Primeiro, ele deve tentar reverter a situação, tendo uma conversa clara e objetiva com o líder. “Tem que ser uma conversar franca. Ainda o profissional tem que expor sua visão baseado em bons argumentos. Se ele for evasivo na conversa, possivelmente terá dificuldades para resolver os problemas”, explica Karla.

Nessa conversa, o profissional deve estabelecer limites no relacionamento, ou seja, deixar claro até que ponto o tratamento do chefe não está sendo coerente com uma postura profissional. Caso a conversa não surta o efeito esperado, passa a ser interessante encontrar outro setor, outra área ou até mesmo outra empresa. Mas lembre-se: nem sempre o problema é o chefe. Veja se não é você mesmo que está gerando os problemas. 

Crie um ambiente agradável - mas não é só o chefe que pode causar infelicidade. Uma equipe composta por membros que não sabem respeitar o espaço do outro, por exemplo, vai tornar a situação muito difícil. Os profissionais devem, porém, tentar conviver da melhor maneira possível com seus pares.

Para construir um ambiente saudável, porém, todos os membros devem colaborar. A dica aqui é ser flexível, humilde, aceitar a opinião do outro, ser otimista e tentar ser companheiro. “É sempre interessante se colocar no lugar do outro”, diz Karla.

Mas, ainda assim, se você tiver feito de tudo para criar um ambiente agradável, mas os demais profissionais não colaborarem, vale a pena considerar encontrar outra posição.

Tenha foco - definir objetivos, elaborar um bom plano de carreira, correr atrás de desafios e ter foco no trabalho ajudam na felicidade. Isso porque esses são elementos altamente motivacionais. "Quando você está motivado e sabe aonde quer chegar, é mais difícil se perder ou ficar sem direcionamento, ficando, desta forma, menos vulnerável”, analisa Karla.

Karla entende que felicidade no trabalho é algo bastante subjetivo e deve ser trabalhada de forma constante. “Se a pessoa for persistente, procurar atuar naquilo que gosta, souber trabalhar em equipe e se conseguir se automotivar, as chances de ser feliz são grandes”, avalia Karla.


Fonte da imagem: gettyimages

Pergunte Para Quem Entende - @podcastionar

Antigamente quando tínhamos dúvidas, procurávamos uma biblioteca, perguntávamos para aquele tio inteligente que toda família possui. Mas hoje que quando temos alguma dúvida recorremos a Internet e perguntamos ao “titio” Google que nos remete para um monte de sites que falam quase sempre as mesmas respostas, pois como virou febre muitas pessoas não criam apenas copiam.

As dúvidas poderá ser nas mais diversas áreas, as que fugirem muito do nosso conhecimento iremos convidar profissionais especializados para participar, sendo estes de diversas áreas, que englobem os interesses dos leitores do Blog do Cabra e do Número 23

Se você possui questionamentos em gestão, RH, Contratação, Currículos, Empreendedorismo, Administração, T.I., tecnologia, e muito mais, envie um email com suas dúvidas para podcastionar@numero23.com.br .

O website Número23 em Parceira com o Blog do Cabra está lançando o PodCast @podcastionar que também pode ser acompanhado via Twitter, seguindo @podcastionar.

Através do Twitter ou pelo email: podcastionar@numero23.com.br é possível perguntar qualquer dúvida sobre informática, ou mesmo assuntos relacionados aos temas tratados no Blog do Cabra, a resposta é enviada por email ou via Twitter, o serviço é grátis e as melhores perguntas desse mês, que forem selecionadas para o PodCast serão lidas no PodCast de maio, que será lançado no dia 23 de Maio de 2012 aqui mesmo no site:

Numero23 (http://www.numero23.com.br/) e simultaneamente no Blog do Cabra (http://cabradm.blogspot.com/).

Podcast é uma forma de publicação de programas de áudio pela Internet que permite aos utilizadores acompanhar a sua atualização. A palavra podcasting é uma junção de iPod – um aparelho que toca arquivos digitais em MP3 – e broadcasting, transmissão de rádio ou tevê. Assim, podcasts são arquivos de áudio que podem ser acessados pela Internet.”

Resumindo, um podcast é uma espécie de “programa de rádio” que você grava em seu MP3 player ou ouve no próprio computador. Nada mais é do que um arquivo de áudio digital que pode ser baixado e ouvido diretamente do site, o PodCast é dividido em episódios e pode ser assinado via RSS.


Aguardem o lançamento

Dia 23 de Maio de 2012 no www.numero23.com.br

AULA 3 – Planejamento Estratégico


Dois funcionários e o gerente de uma empresa saem para almoçar e na rua encontram uma antiga lâmpada a óleo. Eles esfregam a lâmpada e de dentro dela sai um gênio.

O gênio diz:

- Eu só posso conceder três desejos, então, concederei um a cada um de vocês!!!

- Eu primeiro, eu primeiro. Grita um dos funcionários.

Eu quero estar nas Bahamas dirigindo um barco, sem ter nenhuma preocupação na vida ... Pufff e ele foi.

O outro funcionário se apressa a fazer o seu pedido:

- Eu quero estar no Havaí, com o amor da minha vida e um provimento interminável de pinhas coladas!

Puff e ele se foi. 

- Agora você - diz o gênio para o gerente:

- Eu quero aqueles dois de volta ao escritório logo depois do almoço para uma reunião!


Conclusão: 

Deixe sempre o seu chefe falar primeiro

AULA 2 - Planejamento Estratégico (humor)


Um padre está dirigindo por uma estrada quando um vê uma freira em pé no acostamento. Ele para e oferece uma carona que a freira aceita. Ela entra no carro, cruza as pernas revelando suas lindas pernas.

O padre se descontrola e quase bate com o carro. Depois de conseguir controlar o carro e evitar acidente ele não resiste e coloca a mão na perna da freira.

A freira olha para ele e diz:

- Padre, lembre-se do Salmo 12:9!

O padre sem graça se desculpa:

- Desculpe Irmã, a carne é fraca... E tira a mão da perna da freira. Mais uma vez a freira diz:

- Padre, lembre-se do Salmo 12:9!

Chegando ao seu destino a freira agradece e, com um sorriso enigmático, desce do carro e entra no convento.

Assim que chega à igreja o padre corre para as Escrituras para ler o Salmo 12:9, que diz: “Siga adiante no caminho que escolheu, persista, pois encontrarás a glória do que procuraste”.

Conclusão: 
Se você não está bem informado sobre o seu trabalho, você pode perder excelentes oportunidades.

AULA 1 – Planejamento Estratégico (humor)


Um homem está entrando no chuveiro enquanto sua mulher acaba de sair e está se enxugando.

A campainha da porta toca. Depois de alguns segundos de discussão para ver quem iria atender a porta a mulher desiste, se enrola na toalha e desce as escadas.

Quando ela abre a porta, vê o vizinho Nestor em pé na soleira. Antes que ela possa dizer qualquer coisa, Nestor diz:

- Eu lhe dou 3.000 reais se você deixar cair esta toalha!!!

Depois de pensar por alguns segundos, a mulher deixa a toalha cair e fica nua. Nestor então entrega a ela os 3.000 reais prometidos e vai embora.

Confusa, mas excitada com sua sorte, a mulher se enrola de novo na toalha e volta para o quarto. Quando ela entra no quarto, o marido grita do chuveiro:

- Quem era?

- Era o Nestor, o vizinho da casa ao lado, diz ela.

- Ótimo!!! Ele lhe deu os 3.000 reais que ele estava me devendo?


Conclusão: 


Se você compartilha informações a tempo, você pode prevenir exposições desnecessárias.

Visão Holística Estratégica


Quando pensamos em negócios, novas oportunidades, devemos pensar na maneira em como estamos observando estas ideias.

Vamos definir primeiramente os elementos de uma visão holistica estratégica:

Visão: No sentido de ver, de sentir, de "faro" para negócios;

Holística: No sentido de geral, não específico unicamente;

Estratégica: No sentido de planejada, estruturada, ambicionada;

Ou seja, temos que buscar visualizar oportunidades além das coisas do dia a dia de maneira estruturada e organizada.

Cito um exemplo: Você vê um funcionário fazendo um erro enorme (perda de prazo), você quer demiti-lo, mas repensa, pois na sua visão ele é importante para o negócio. Bem, sem entrar no mérito de ele ser importante, nem do erro, temos que ver o fato de ter sido perdido um prazo sob o prisma da visão holística estratégica.

Ou seja, não adianta analisar unicamente a perda do prazo. Este funcionário já perdeu outros prazos? A perda foi por acúmulo de trabalho? (holística) Se a responsabilidade foi unicamente do funcionário, ele desempenha bem suas funções? Está passando por algum problema pessoal? Então podemos concluir que teremos que demiti-lo. Mas, primeiro, vamos contratar alguém que irá ser treinado e depois ira substitui-lo. (estratégia).

Ter uma visão holística estratégica significa ver os fatos de uma maneira independente, sistêmica e principalmente racional. Ao analisarmos assim, tomamos decisões que valem por muito tempo, nos dão segurança e amparam os colaboradores em prol de um crescimento sustentável.

Como você toma decisões?

Apenas na emoção? Apenas com razão? Apenas com os fatos?

Use e abuse da visão holística estratégica. Esta visão pode transformar o seu universo.


Por Gustavo Rocha
Fonte: o gerente
Fonte da imagem: gettyimages

A Música a Serviço da Liderança e do Trabalho Em Equipe


por Fabiano Brum


Observe uma orquestra ou uma banda musical tocando e verá alguns conceitos de liderança.


Emoção a Serviço da RazãoEmbora exista uma partitura ou planejamento musical a ser seguido, o músico imprime nela a sua sensibilidade, vigor e sentimento, dando mais vivacidade à idéia musical.


O Líder é a pessoa que tem um plano a ser executado, tem o poder de inflamar o coração das outras pessoas com suas idéias, sentimentos e sua emoção, fazendo com que, como na música, este plano se encha de vida e seja concretizado.


Brilhar Sem Ofuscar o OutroNo instante em que um músico vai fazer a sua parte (um solo de guitarra, por exemplo), ele entende que aquele é o seu momento, e que as atenções da platéia estarão todas voltadas para o seu instrumento. Mas também entende que deve brilhar sem ofuscar os demais integrantes da banda, pois estes, neste momento, estão fazendo a sustentação (base da música).


O verdadeiro líder sabe dividir com os demais os créditos por uma ação bem feita, pois sabe que se não fosse a sua equipe aquela idéia não teria sustentação e provavelmente não teria sucesso.


Sucesso Nunca Vem antes do Trabalho


O músico e sua banda sabe que para se fazer uma determinada passagem de poucos segundos dentro de uma canção são necessárias horas e horas de treino e aperfeiçoamento. Ele sabe que a diferença entre aplausos ou vaias no final da sua apresentação está diretamente ligado a quantidade de tempo que ele se dedica ao seu aperfeiçoamento e ao aperfeiçoamento de sua orquestra musical.


O líder entende que o sucesso é a conseqüência de um trabalho feito com qualidade, dedicação e espírito de equipe. Assim, ele dedica tempo e recursos para o seu treinamento e também dos seus liderados.


Fabiano Brum - Conferencista nas áreas de Marketing, Motivação, Atendimento e Vendas, realiza palestras, cursos e seminários.
Fonte da imagem: gettyimages

Iniciativa: Antes de Cobrá-la, é Preciso Orientação

Por: Waldeli Azevedo

Sua empresa é pequena e você reclama constantemente que todas as decisões precisam passar pelos seus cuidados. Durante as férias, por exemplo, sente-se inconformado por não poder se ausentar como gostaria, destinando seu tempo à família e ao merecido descanso. Isso basicamente porque falta iniciativa na sua equipe. E como resolver a situação?

Orientação é a base

A iniciativa é algo que se espera do funcionário. Mesmo há pouco tempo no emprego, a disposição para se envolver nas tarefas e o interesse em aprender são pontos muito bem vistos pelo empresário.

Porém, para que isto ocorra, é preciso também uma ação por parte do supervisor ou, no caso de um pequeno empreendimento, do próprio empresário. Caso não haja, desde o início, uma resposta à pro-atividade do funcionário, se nada do que ele fizer ou sugerir for valorizado, fatalmente, após algum tempo, ele perderá o interesse pelo trabalho.

Por outro lado, caso o recém-contratado não demonstre a iniciativa esperada, em se tratando de sua pequena empresa, é fundamental que você converse com ele logo de início, apontando o problema, para que ele tenha condições de corrigi-lo o quanto antes.

Comunicação é tudo

Em ambas as situações, pode-se notar que a comunicação é a base para que se obtenha melhores resultados em uma empresa, seja ela de qualquer porte.

Muitas vezes o funcionário não sabe onde tem errado, e cabe a você, ou ao supervisor ligado a ele, transmitir isso. Procure fazer com que o empregado "ande com as próprias pernas", tomando atitudes sem depender exclusivamente da sua opinião. Deixe a postura centralizadora de lado e delegue responsabilidades. Lembre-se: você tem o direito de seu ausentar. Afinal, a empresa é sua!

Resultados

Outro ponto: caso tenha tomado estas medidas e sinta plena certeza de que tem feito sua parte como líder, aí sim tem o direito de cobrar resultados, como a mudança de postura deste funcionário. Avalie criteriosamente a situação, converse dura e francamente com este empregado e defina um prazo para observação.

O esperado neste caso é que ele compreenda a gravidade da situação e procure se adaptar o quanto antes, mostrando em poucos dias algum resultado. Portanto, logo você perceberá se há esforço ou não por parte dele de integrar sua equipe. Lembre-se: o crescimento de sua empresa depende da participação de pessoas comprometidas e motivadas a evoluir com ela!


Fonte: INFOMONEY
Fonte da imagem: gettyimages



O Ingrediente Que Falta Para Empreender


Você é um profissional liberal e precisa desenvolver o seu negócio? Tem uma pequena empresa e precisa crescer? Lidera uma grande corporação e deseja maximizar os lucros? Quer começar um negócio novo e se tornar um empresário de sucesso? Se o seu caso for algum dos citados acima, lhe recomendo ler esse artigo com muita atenção.

Como consultor de negócios, não posso me recordar os inúmeros projetos que já participei para tentar viabilizar, recuperar ou otimizar empreendimentos. São tantos os pontos envolvidos na elaboração do business plan que daria para escrever um livro sobre o assunto. Claro que todos os quesitos abordados têm o seu valor. Analisar, por exemplo, a matriz SWOT identificando fatores críticos e oportunidades é fundamental para quem quer empreender.

Não há como negar que um bom planejamento anual contemplando receitas, despesas, investimentos e a própria expectativa de lucros é fundamental para o sucesso de qualquer negócio. É inegável, também, que uma boa previsão de fluxo de caixa possa ser o divisor de águas entre o fracasso e o sucesso. O que dizer então dos recursos humanos que precisam identificar e manter talentos para serem competitivos em uma economia globalizada?

Por que não citar a qualidade dos produtos? Os preços a serem praticados. Proposta otimizada de prestação de serviços. Qualidade do atendimento. Embalagens dos produtos. Escolha do ponto comercial. Logística de distribuição. Processos de garantia. Plano de marketing. Esses são apenas mais alguns ingredientes que precisam ser cuidadosamente checados para evitar surpresas desagradáveis.

"Pense bem no que você vai fazer e todos os seus planos darão certo".
Provérbios

Não raro somos procurados por alguém em busca de parcerias. Aliás, recentemente, atendi a um novo interessado em desenvolver um modelo de negócio conosco. Como sempre ocorre, peço gentilmente que o proponente faça uma exposição de seu plano e nos diga como ele pretende ganhar dinheiro com a parceria. Em geral, são revelados projetos maravilhosos capazes de impressionar os mais experientes investidores. Sempre assistimos a apresentação com muito interesse, mas ao final como é de costume, cabe a mim a última questão e eu, normalmente, indago: se o seu projeto é tão eficiente, por que, então, está nos oferecendo parceria?

As respostas são as mais variadas possíveis, mas quase sempre reveladoras da essência da intenção. O que estou tentando ressaltar é que muitos projetos são mesmos magníficos. Possuem uma boa proposta, um produto diferenciado, inovador, um bom sistema de distribuição, taxa atrativa de ROI e por aí vai. Porém, muitas vezes esses projetos fracassam por não receber atenção devida em um único quesito, de uma única palavra que quase todos a conhecem de ter ouvido falar, mas são poucos os que verdadeiramente a dominam.

Tenho mais de três décadas de dedicação a essa valiosa palavra e até agora ainda não a domei completamente. Sempre aprendo algo novo, revelador de que não sou detentor pleno de todas as suas funcionalidades. Tenho lido tudo que aparece e que já apareceu sobre ela. Descobri que os grandes mestres da humanidade chegaram ao topo graças ao domínio, ainda que parcial, dessa poderosa palavra. Descobri que todos os grandes empreendedores passam a vida tentando conseguir o máximo do que ela proporciona. Aprendi que a pessoa que a dominar será detentora da fortuna que desejar.

"O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano"
Isaac Newton

Trata-se de uma palavra de significado simples, mas não simplista que, quase sempre, é subestimada por muitos. Tenho percebido que sem ela nenhum projeto, por mais encantador, ambicioso e poderoso que seja, irá muito longe. Não importa se o seu negócio for de pedras valiosas, ouro ou qualquer outra preciosidade, você irá depender dela. Pense no melhor produto ou serviço que o nosso planeta tem ou já teve. Posso lhe assegurar que, ainda assim, você vai precisar dela para triunfar. Claro que você já deve ter percebido qual é a palavra não é mesmo? Se você pensou VENDAS acertou na mosca.

Muita gente pensa em quase tudo na hora de avaliar um empreendimento, mas, quase sempre, se esquece ou não dá a devida importância de que terá que vender o que será gerado. Não raro as pessoas subestimam o processo comercial, achando que vender é fácil. Claro que a qualidade dos serviços, produtos, atendimento, o preço, o canal de distribuição e o marketing são importantes e facilitam as coisas, mas sem venda não vai adiantar muito. Você pode dizer que o dinheiro em caixa e o lucro são fundamentais. Não discordo, mas sem vendas nada disso existe. Então, você pode alegar que se vender sem lucro a empresa quebra. É verdade, mas vendendo dá tempo de corrigir a rota, porém sem venda nem essa possibilidade você terá.

Portanto, se você deseja começar um novo investimento ou pretende expandir o atual, recomendo não deixar de contar com especialistas em vendas. Ignorá-lo poderá lhe custar muito mais caro ou causar mais problemas do que você pode imaginar.

Autor: Evaldo Costa
Fonte: Portal da Administração
Fonte da imagem: gettyimages

Nerds: os Donos do Mundo

Eles eram os párias da escola. Desajeitados, tímidos e vidrados em conhecimento acabaram conduzindo uma revolução sem precedentes no modo como vivemos e nos comunicamos hoje. Agora, estão se preparando para o próximo passo: transformar completamente a sua empresa 

Por Michelle Veronese

Leia com atenção estes nomes: Steve Wozniak, Tim Berners-Lee e Jimmy Wales. E imagine: se houvesse um avançadíssimo gadget implantado agora em sua retina e capaz de traduzir instantaneamente substantivos próprios para adjetivos, você teria lido: nerd, nerd e nerd em vez dos nomes acima. Mas a tecnologia não evolui tanto assim e, pior!, talvez você nunca tenha ouvido falar desses caras. Não mesmo?! Então é melhor começar sua pesquisa agora. Mas faça do jeito que eles recomendariam: use um computador pessoal, de preferência um Mac (iWoz, como é chamado Steve, o cofundador da Apple e um dos criadores do PC), acesse a internet (Tim é o responsável pelo desenvolvimento da www, a world wide web, onde milhões de pessoas navegam diariamente) e busque na Wikipedia (Jimmy é o todo-poderoso da enciclopédia livre on-line). Você vai descobrir que, além de tudo isso, o trio acima está entre os homens mais influentes do mundo e vem ajudando a ditar os rumos de atual revolução tecnológica. Ah, sim, eles também são nerds!

Chamar alguém de nerd já foi xingamento. E isso não faz tanto tempo assim. A palavra surgiu na década de 50 e tudo indica que foi utilizada pela primeira vez para denominar um grupo de cientistas canadenses que trabalhavam na divisão de pesquisa e desenvolvimento (research and development) da Northern Electric, hoje Nortel. Bastou juntar as iniciais da empresa e daquele departamento para formar o apelido: NERD. Como essa turma passava dias no laboratório, atrás de pesados óculos e longe da vida social, a expressão logo foi também usada para designar outros jovens com o mesmo perfil. Nascia, assim, a gíria para o cara esquisitão, tímido e aficionado por conhecimento.

A partir daí, a jornada dos nerds não foi fácil. Para ser alvo de chacota e desse temido apelido, bastava o sujeito ser tímido, usar óculos e ter alguma paixão por temas que podiam variar de aviões da Segunda Guerra à história dos samurais, passando por RPGs, videogames ou ficção científica. Os nerds eram ridicularizados na escola e ainda satirizados pelo cinema e a TV, em filmes como A Vinganca dos Nerds, De Volta para o Futuro e Weird Science. Resultado: eles se isolaram em seus laboratórios, salas de aula ou empresas de garagem. E foi aí que a revolução começou.

Sem alarde e em pequenos grupos, os nerds impulsionaram avanços que estão hoje influenciando o comportamento de milhões de pessoas no mundo inteiro. Já ouviu falar em Bill Gates? Pois é, ele veio dessa safra de nerds. Era um programador visionário que, nos anos 70, se uniu a Paul Allen para criar a Microsoft. "Com a criação do computador pessoal (PC), eles tiveram a visão de que o software e não o hardware seria mais importante e rentável. Isso os ajudou a fechar um acordo histórico com a IBM que, mesmo contando com um grande número de profissionais experientes, não visualizou essa oportunidade", conta Flávio Marcelo Amaral, da equipe do Yahoo! Brasil, onde é gerente regional de operações para a América Latina.

Na mesma época, também entrou em cena Tim Berners-Lee, o pai da world wide web, que permitiu o desenvolvimento da internet como a conhecemos hoje, e Steve Wozniak, que em 1976 se uniu a Steve Jobs e Ronald Wayne para criar a Apple. Mais tarde, foi a vez do Yahoo!, de Jerry Yang e David Filo, do Google, de Larry Page e Sergey Brin, da Amazon, e de muitas outras empresas. "Elas foram formadas por nerds, com conhecimentos avançados de informática, com ideias brilhantes na cabeça e muita vontade de trabalhar", analisa Flávio.

Do bunker para o mundo

Apesar das ideias revolucionárias, faltava a muitos desses nerds uma dose de carisma ou o tal jeitinho para lidar com o mundo fora do laboratório. "Por causa disso, eles sempre apareceram pouco enquanto alguém com mais capacidades sociais, algum empresário, marqueteiro, é quem efetivamente tornava a tecnologia ou produto conhecidos", observa Fábio Akita, consultor da Gonow Tecnologia, em São Paulo, e programador especializado em desenvolvimento de software e gestão de projetos. O exemplo clássico, segundo ele, está na história da Apple, com Steven Wozniak assumindo o papel do nerd que implementou o microcomputador caseiro e Steve Jobs como o não-nerd que criou o mercado para esse produto.

Mas isso mudaria nos anos 90, quando os nerds finalmente conquistaram seu lugar ao sol. O clima, aliás, era favorável. No início daquela década, os computadores pessoais invadiam casas e escritórios, a internet vivia um crescimento explosivo, palavras como Windows e e-mails entravam para o nosso vocabulário, pages, pdas e celulares então se popularizavam. E ainda havia um certo finlandês chamado Linus Torvalds, que inventara um sistema operacional livre que logo revolucionaria várias áreas computação, de servidores a telefonia móvel. Quem dominasse essas ferramentas saía na frente. Foi assim que o cara mais esquisito da turma virou o centro das atenções. Afinal, ninguém melhor do que um nerd para navegar no admirável mundo novo da tecnologia.

Jovens antes ridicularizados agora conquistavam espaço no mercado e a admiração dos colegas. Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, a rede de relacionamentos que conecta 500 milhões de pessoas no mundo inteiro, representa bem essa transformação. De rapaz tímido e inseguro, hoje posa de tênis e camiseta na sede de sua empresa, avaliada em 50 bilhões de dólares. Em 2010, foi eleito pela revista Time uma das personalidades mais importante do mundo, título já dado a Gandhi, à rainha da Inglaterra e a Barack Obama.

Nerd empreendedor

Alvo de zombaria? Claro que não! Vergonha do apelido? Nem um pouco. Os nerds de hoje assumem sem medo o velho rótulo e têm orgulho dele. "Eu sou nerd de carteirinha", afirma Carlos Brando, que começou sua carreira de programador muito cedo, aos 14 anos. "Nessa época, eu brincava com braços mecânicos e uma linguagem chamada Assembly. Tudo não passava de um passatempo. Com o tempo, essa brincadeira ficou mais séria e eu me envolvi cada vez mais com programação de computadores. Tive o privilégio de aprender uma dúzia de linguagens de programação diferentes e trabalhar com a maior parte delas", relata.

O que Carlos fez com todo esse conhecimento? Seguiu o exemplo de nerds famosos e decidiu empreender. "Criei um site, o Nome do Jogo, para falar sobre o que mais gosto, que é programação. E cofundei uma empresa especializada em desenvolvimento de aplicativos sociais para plataformas como Orkut e Facebook", conta Carlos, que espera revolucionar esse mercado com uma novidade por enquanto mantida em segredo.

O espírito nerd empreendedor também contagiou Alexandre Ottoni e Deive Pazos. Fãs de ficção científica, fantasia, quadrinhos, RPG e games, eles reuniram seu conhecimento em um site que satiriza o universo nerd. O Jovem Nerd foi lançado em 2002, tendo como destaque os podcasts bem-humorados, e hoje virou negócio sério: recebe um milhão de visitantes por mês e, em 2009, abocanhou o prêmio MTV Vídeo Music Brasil de melhor site do ano. Hoje, o site gera receita por meio de anúncios e da loja virtual, onde são comercializados itens como camisetas e canecas.

"Essa percepção de que é possível empreender e inclusive ganhar dinheiro com aquilo que se faz por prazer ainda é nova aqui no Brasil e os nerds estão dando os primeiros passos nesse caminho", avalia Marco Gomes, que está um pouco mais à frente do que seus colegas. Em 2007, ele largou a faculdade de computação na UNB, em Brasília, e partiu para São Paulo para abrir sua empresa, a boo-box, especializada em tecnologia de publicidade para mídias sociais. A mudança valeu a pena. "A empresa cresceu, atraiu investidores, entre eles a Intel, e hoje conta com uma equipe de 30 pessoas", conta Marco. Atualmente, a boo-box exibe, a cada mês, mais de 600 milhões de anúncios com ofertas de produtos e campanhas publicitárias em mais de 16 mil sites, blogs, aplicativos e perfis em redes sociais.

Profissional do conhecimento, o novo líder

Ser nerd, hoje, abre portas. Profissionais com esse perfil começam a ser disputados a peso de ouro por algumas empresas. Nos Estados Unidos, salários da área de tecnologia são os mais altos, perdendo apenas para os do mercado financeiro. Também não faltam anúncios, no exterior, onde, em meio a uma série de requisitos, aparece a tal palavra mágica: nerd. Essa turma, agora, está percebendo que tem na mão um importante trunfo, quase um superpoder digno dos heróis dos quadrinhos: a capacidade de transformar as empresas à sua imagem e semelhança.

"Vemos isso mais fortemente no específico nicho de startups de tecnologia dos Estados Unidos (em outros lugares do mundo ainda são exceção). Nascem empresas como Google, Facebook, que uma vez dirigidas por nerds, criam ambientes onde outros nerds se sentem confortáveis em trabalhar e serem criativos", analisa Fábio Akita. O resultado, segundo ele, pode ser visto no dia-a-dia dessas organizações: locais de trabalho sem burocracias desnecessárias, com horários mais flexíveis, que estimulam o desenvolvimento de projetos pessoais e onde a gravata e terno dão lugar ao tênis e à camiseta.

Quem vislumbrou essa transformação foi um dos grandes teóricos da Administração, Peter Drucker. Em 1959, no livro Landmarks of Tomorrow, ele já mencionava a emergência dos chamados "trabalhadores de conhecimento", que sucediam os operários das indústrias e que representavam a transição do trabalho manual para o de conhecimento. "No final do século 20, esses profissionais somarão 1/3 ou mais da força de trabalho nos EUA, isto é, uma percentagem tão grande quando a dos operários, exceto em tempos de guerra", previu o autor.

Para Drucker, o profissional do conhecimento é alguém que teve acesso ao conhecimento formal, que se especializou numa área e sabe como aplicar, da maneira mais eficaz, aquilo que aprendeu. Esse grupo não obrigatoriamente será a maioria em uma sociedade, mas, segundo ele, irá moldá-la. "Podem não ser a classe dominante, mas serão a classe que lidera", afirmou.

A emergência do profissional do conhecimento, ainda segundo Drucker, estaria moldando as organizações. Essas, por sua vez, tornariam-se essenciais na sociedade do conhecimento, junto com a Administração. E ele explica o porquê: "O conhecimento especializado, por si, não gera desempenho. É necessária a contribuição de muitos outros especialistas. E isso exige que o especialista tenha acesso a uma organização."

Nesse cenário previsto por Drucker e testemunhado nos dias de hoje, as organizações passam a lidar com inúmeros desafios. Um deles é reconhecer que o trabalhador do conhecimento, quer seja líder ou empregado, é quem, no fim das contas, detém o conhecimento e sua aplicação. Logo, "as organizações precisam dele muito mais do que ele precisa delas", segundo Drucker.

Outro desafio é na hora de definir os postos de comando. Vale apostar no chefe carismático e com habilidades interpessoais, mas sem tanto conhecimento técnico, ou no capitão com conhecimento aprofundado sobre a área, mas que ainda tropeça no quesito comunicação? "Com os nerds ocupando cargos de CEO de empresas, eles se tornaram o motor de inovação dessas companhias. Os funcionários se inspiram neles para também criarem e deixarem a empresa com um eterno ar inovador", defende Flávio Amaral.

A transformação já começou. E, para os administradores, não adianta barrar o avanço do conhecimento nem dos profissionais que o dominam. Sendo assim, talvez, o conselho mais sensato seja: una-se a eles, siga seu exemplo. "Os nerds buscam, acima de tudo, conhecimento e querem trabalhar naquilo que gostam. O objetivo de todo profissional deveria ser esse, não importa em qual área", aconselha Fábio Akita. Lembre-se disso (e lembre sua equipe) na próxima vez em que digitar www, navegar na Wikipedia ou olhar para a imagem de uma maçã mordida.

Cultura nerd

Além de influenciar a economia, o jeito nerd de ser também contagiou a cultura e há alguns anos vem ajudando a ditar o que consumimos. A prova está no crescimento contínuo da indústria de games, na popularização dos mangás e HQs, na venda de action figures (bonecos articulados que representam personagens de filmes, quadrinhos ou games) e na crescente audiência de séries de TV, como The Big Bang Theory, que retrata o cotidiano de quatro jovens nerds do Instituto de Tecnologia da Califórnia. Bandas de rock, como Weezer e Wilco, fazem questão de se afirmarem nerds e até o jeito de se vestir dessa turma, com camisetas engraçadas e ar despojado, virou moda.

Galeria da fama

Nem todos os nerds vivem cercados de computadores e são aficionados por tecnologia. Eles também podem ser encontrados em outras áreas, como política, finanças e entretenimento.


Fonte das imagens: gettyimages

Geração X é a Que Mais Pensa em Deixar o Emprego, Revela Estudo


Por Gladys Ferraz Magalhães

A geração X, formada por profissionais nascidos entre 1965 e 1976, é a que mais pensa em deixar o emprego, segundo revela pesquisa realizada pela Kelly Global Consultoria, com aproximadamente 170 mil profissionais em 30 países.

De acordo com o estudo, entre os profissionais desta geração, a intenção de trocar de emprego em breve é de 43%, número cinco pontos percentuais maior do que o verificado na geração Y, nascidos de 1977 a 1990, de 38%, e seis pontos acima do apurado entre os chamados baby-boomers (37%), que nasceram entre 1946 e 1964.

Considerando todas as gerações, a média de pessoas que pensam frequentemente em deixar o emprego é de 37%.

Vai dizer ao patrão?

Ainda conforme o levantamento, no geral, 35% dos entrevistados não têm a intenção de comunicar sua vontade de se desligar da empresa com o patrão.

Por geração, este percentual sobe para 42% entre os baby-boomers e para 40% entre os profissionais da geração X. A geração Y é a que demonstra menos problemas em colocar sua insatisfação para buscar uma solução, já que apenas 33% destes profissionais disseram que não gostariam de falar sobre suas intenções com a empresa.

Trabalho

No que diz respeito ao significado do trabalho, o estudo mostra que a geração Y é a que mais associa trabalho com desenvolvimento pessoal (77%) e com envolvimento comunitário (29%).

Já os profissionais da geração X são os que mais associam trabalho com as conexões às estratégias corporativas (35%), enquanto que os baby-boomers são os que associam ao alinhamento com os valores pessoais (47%) e com a conexão com colegas (44%, mesmo percentual da geração 


fonte da imagem: gettyimages

Criatividade Nas Portas Giratórias

Merchandising para interagir com os clientes

Nada como ter algo criativo para interagir com os clientes, e que tal usar algo como nas figuras abaixo onde você tem, por exemplo, um lutador de sumô do outro lado, como se estivesse empurrando a porta. 

São as facetas criativas do merchandising, sinto muita falta de coisas assim no nordeste, e talvez em outras capitais e cidades brasileiras, mas com certeza não é por falta de criatividade da nossa gente, e sim por preconceito e acharem que não trás resultado. Com pensamentos pequenos como esse é que deixamos muitas vezes de vender, de atrair novos clientes, de trabalhar as sensações na hora da compra. 

Tanto se fala no momento da verdade, mais para muitas empresas esse momento é o dinheiro no bolso, sem se preocupar com o relacionamento com o cliente, e na busca tão difícil no mercado atual que é a fidelização. 




Fica a dica para que todos conheçam mais um belo trabalho de merchandising que podemos usar e não apenas em portas giratórias, mas em outros modelos de portas de vidro. 


Marcelo Cabral 
Consultor

“Dicas Para a Prosperidade”


Welinton dos Santos

Muitos perguntam como obter a prosperidade?

São muitos os ensinamentos, o resumo de algumas humildes contribuições pesquisadas e anotadas:

· Um dos sentimentos que bloqueiam a prosperidade aprenda a perdoar, este é um conceito fundamental, pois, mesmo que fiques rico, mas na sabe perdoar, tua riqueza não será eterna. Para ter o corpo sadio é necessária a tolerância para as pessoas, coisas e fatos, eliminar o rancor e ódio, que se transforma em doença no corpo físico com o decorrer do tempo;

· Abandonar os sentimentos negativos, geralmente são sombras da ilusão do passado que não mais existe ou do futuro que estão na imaginação, portanto, não está no agora, concentre todos os seus esforços, pensamentos e sentimentos no agora, sempre cultuando bons pensamentos, mesmo que o ambiente não seja propício à situação, mude seu mental para o pólo positivo, como que virando a chave da fechadura da vida e portas abrirão.

· Pense na vida com gratidão, aprenda a apreciar e agradecer a natureza, olhar o complexo mundo das flores, com sutileza e cheia de inúmeros mistérios, sinta o vento suavizando o seu rosto, sinta o calor dos raios solares ou o brilho das estrelas, sinta o poder mágico da água que é a fonte da vida, saboreie um gostoso alimento lembrando de onde foi gerado, bem como explicar como é bela a sintonia da natureza, nos toques dos sinos ou nas sensações das notas musicais do seu mundo.

· Nada acontece por acaso, sem o poder da intenção, da vontade de realizar, a coragem de tentar, o acaso nada mais é que as sementes plantadas pela vida, que muitos falam de destino, mas na realidade foram suas opções.

· Controle os excessos do ego, dele receberá o egoísmo, aprenda a doar-se para vida sem buscar algo em troca e a vida lhe abençoará com seus frutos;

· Agradecer a tudo e a todos, os que têm a humildade de agradecer a tudo e a todos, desde um simples objeto ao solo sagrado em que pisa, dela receberá riquezas infinitas;

· Não cultue a pobreza honrada, assim será pobre, afirme para você que é rico e próspero, acredite nisto, quem acredita que é rico, terá maiores probabilidades de tornar-se rico;

· Dê e recebas abundância ilimitada, quem doa com sentimento de amor sem esperar qualquer gesto retorno, pela Terra será acolhido, quem contribui com o tempo, dinheiro e outros, para servir ao próximo, terão o retorno merecido, todos têm o direito de ter a abundância ilimitada em nossas vidas, todos os dias, para isso a necessidade de doar ao processo da vida;

· Ter pensamentos e sentimentos positivos, "já sou próspero", "a vitória e o sucesso estão em minha vida todos os dias", anote as pequenas vitórias diárias em uma folha de papel e aprenda a observar a abundância desabrochar nos seus dias.

· Não critique ou fale mal dos outros, isto fecha a porta da prosperidade, enquanto alguns choram na crise outros progridem vendendo lenços;

· Rejeite palavras e pensamento como "sou azarado, sou sofredor, sou miserável, coitado de mim, minha vida é só problema, pessoas me odeiam, nada dá certo", todos são contrários a prosperidade.

· Não passar pela vida oferecendo mais do que recebe e nem ser mão fechada;

· Ame teu trabalho, quando aprender a amar e agradecer o que faz, outras oportunidades surgirão em sua vida e a harmonia manifesta em seu trabalho.

· Respeitar todas as pessoas, o respeito a todos que estão próximos de você, principalmente a tua família para busca do equilíbrio conjugal e seu esforço concentrará uma energia transformadora que reflete em alegria e abundância.

· Mostre amor ao mundo através de seu trabalho, quanto maior for o sentimento de gratidão e amor ao trabalho, no prazer de estar servindo ao próximo, maior será tua riqueza;

· Concentrar palavras em atos positivos e prosperidade, a língua de muitos é tão pesada, que a boca não consegue segurá-las, quando há concentração nas boas palavras, teu mundo transforma em uma fonte de riqueza, desde que, seus pensamentos sejam sinceros.

· Agradeça a tudo, comece por suas raízes, seu pai e sua mãe, quem não agradece o que têm ou teve, não merece o pouco que tem. (Vou ilustrar a história de um mendigo, que ficava na rua e não tinha uma perna, além de sofrer de dor de estômago. Um dia intercedido por uma pessoa próspera ele perguntou por que sua vida era de escassez e sofrimento? O homem disse que ele não agradecia ao povo daquela cidade por usar as calçadas, não dava nenhuma contribuição por seu uso. O mendigo disse que não tinha nada para doar e que mal se sustentava. O homem disse, abençoe os que por aqui passar, imaginando fartura aos carentes, harmonia as discussões e agradeça ao povo desta cidade por usar esta calçada. O mendigo seguiu a risca o que o homem falou e no 8º dia estava curado da dor de estômago, abençoava todas as pessoas carentes com pensamentos e sentimentos de fartura, alguns dias passaram e uma pessoa chegou até ele e ofereceu um emprego, mesmo não tendo uma perna, passaram mais alguns dias e outra pessoa bondosa que passava por seu caminho lhe deu uma perna mecânica, ali estava um novo homem, feliz, trabalhando, com saúde e com vigor.) A vida pode ser cheia de boas surpresas. (retirado do livro Chave da Provisão Infinita de Masaharu Taniguchi – Seicho-no-ie)

· O amor é o princípio de toda criação, portanto quando pensamos com muita intensidade, tendo fé, manifestará em nossa vida aquilo que desejamos.

· A benção e a gratidão têm um grandioso poder.

· Domine seus pensamentos, a criatividade e a bondade são instrumentos da expansão da riqueza.

· Muito obrigado, palavras mágicas. Seja doce com as palavras e as pessoas darão muita atenção a você.

· Poupança positiva, poupar com sentimento de melhoria do conforto, da qualidade de vida, poupar com sentimento de reserva para crise, gastará todo dinheiro na primeira crise que surgir, este pensamento é de escassez, de cultivo a pobreza.

A prosperidade está em suas mãos, e a abundância já lhe pertence. Que o amor seja o símbolo de tua riqueza. Que sejas abençoado por estas palavras.


Welinton Santos - Economista e psicopedagogo. Participo de Palestras e Conferências Nacionais em Economia.
Fonte da imagem: gettyimages

O Comprometimento Nas Organizações


Por Soeli de Oliveira

O comprometimento apresenta-se como uma vantagem competitiva, já que na busca por qualidade e eficiência as organizações necessitam a cada dia do empenho das pessoas no trabalho. Não há mais lugar nas organizações para a figura limitada e simplória do funcionário convencional, que não tem nenhum compromisso a não ser o de passar o cartão no relógio de ponto e cumprir rotinas.

Comprometimento organizacional refere-se ao vínculo organizacional do indivíduo com uma instituição. É caracterizado por uma forte identificação da pessoa com a missão e com os valores da organização. Representa mais que envolvimento. Demonstra o grau ao qual uma pessoa se identifica psicologicamente com o seu trabalho. Trata-se da competência mais procurada pelas empresas.

Funcionários comprometidos são recursos indispensáveis para se alcançar os objetivos empresariais, pois o comprometimento é visto na disposição para agir, nas atitudes e comportamentos. É dedicação, perseverança e paixão. Disposição para realizar o “algo mais”. Esforço para apresentar diferentes soluções, mostrar empenho, iniciativa e criatividade.

Somado a isso, o profissional comprometido atua como um empreendedor, ou seja, trabalha como se a empresa fosse dele. É pró-ativo, está em busca da melhoria contínua e contribui para o crescimento da empresa. Inversamente, para a pessoa pouco identificada com o seu trabalho, a vida se passa fora dele. Ele não constitui o interesse principal, os interesses estão lá fora.

O modo como os gerentes tratam seus subordinados pode influenciar o comprometimento deles. A empresa que deseja obter o comprometimento da equipe trata seus colaboradores como gente, oferece boas condições de trabalho e justas recompensas. Todo indivíduo se compromete, ou pode se comprometer com a organização, se lhe são dados os meios para isso. Também, as relações interpessoais podem contribuir favoravelmente nesse processo. Quanto mais favoráveis forem as relações sociais no ambiente de trabalho, mais as pessoas se comprometem.

Considero que o comprometimento ocorre quando o profissional compreende plenamente o seu papel. Ninguém se compromete com o desconhecido. É necessário que a gerência comunique com clareza os objetivos organizacionais. É também de suma importância que a empresa propicie um ambiente estimulador. O comprometimento é despertado através de tarefas desafiantes, de autonomia e participação.

Faça o teste abaixo para avaliar se a sua equipe é comprometida:

– Demonstra vontade de aprender? É curiosa e pergunta o que não sabe?
– Cuida dos detalhes?
– Não deixa nada pela metade? Sempre termina o que começa?
– Preocupa-se mais com as soluções do que em achar culpados?
– É empática? Coloca-se no lugar das outras pessoas?
– Assume seus erros? Não culpa os outros?
– Não reclama da vida e não fala mal das outras pessoas? Age para mudar a realidade?
– Persiste até alcançar os objetivos?
– Cumpre prazos e horários?
– É participativa, dá ideias, colabora com os outros? 

Agora que você avaliou os seus funcionários, chegou a sua vez de se auto-avaliar. Reflita sobre as seguintes perguntas e você saberá se há motivos ou não para que os funcionários da sua empresa comprometam-se com o negócio:

– Você realmente conhece seus colaboradores?
– Como eles estão sendo liderados?
– Demonstra afetividade nas relações interpessoais?
– Há clareza nas comunicações?
– Qual a imagem que os funcionários têm da sua empresa?
– Possibilita que os funcionários desenvolvam as competências necessárias para terem bom desempenho?
– Dá e recebe feedback?
– Valoriza os colaboradores pelos resultados alcançados?
– Incentiva a criatividade?
– Todos sentem que “estão no mesmo barco”?
– Conhecem o “norte” da organização? 

Ainda existem empresários que acreditam que basta a assinatura de carteiras de trabalho e o pagamento de salários em dia para que os funcionários comprometam-se com a empresa, façam seu trabalho corretamente e se interessem por melhorias contínuas. Não esqueça de que os objetivos empresariais só serão alcançados com o trabalho de pessoas motivadas e satisfeitas. É preciso ter em mente que o comprometimento se consegue quando existe satisfação e paixão no exercício da função – é nessa condição que se verifica a doação e a entrega. Sendo assim, para merecermos funcionários comprometidos, primeiro devemos “fazer o nosso dever de casa”, aquilo que é nossa função.


Soeli de Oliveira é Consultora e Palestrante do Instituto Tecnológico de Negócios, nas áreas de Marketing,Vendas, Atendimento e Motivação – E-mail: soeli@sinos.net– Novo Hamburgo – RS.

Fórum Papo Arretado de jovens Líderes


O Fórum Papo Arretado: Jovens Líderes foi criado com o objetivo de servir como ferramenta de mobilização para pessoas engajadas que querem transformar a Paraíba num estado melhor e mais moderno.

O evento tem um formato inovador e dinâmico. Em apenas um dia, serão apresentadas 15 palestras, com duração de 20 minutos cada, onde 13 serão proferidas por paraibanos que se destacaram em áreas distintas da sociedade.

Além disso, para trazer leveza e descontração ao evento, serão apresentados pequenos shows de Stand Up Comedy entre as palestras motivadoras.

O Fórum Papo Arretado: Jovens Líderes será realizado no dia 05 de maio, no auditório do Sebrae, das 08:00 às 18:30, com pausa de duas horas para o almoço.


Participe, o Blog do Cabra recomenda.

Não Deixe Uns Quilinhos a Mais Pesarem na Sua Carreira

por Mariana Fonseca

Obesidade não é apenas uma questão estética. Uma pesquisa realizada no ano passado pelo site de emprego Catho Online revelou que 8,2% dos recrutadores evitam contratar candidatos obesos. Ou seja, o dado demonstra que os quilinhos extras não incomodam só na balança, eles pesam também na carreira. “As pessoas obesas muitas vezes apresentam transpiração excessiva, falta de fôlego e fadiga, sintomas que não são bem vistos no mundo corporativo, mesmo que de forma velada”, afirma Cíntia Bortotto, consultora de Recursos Humanos.

Xô, preguiça! – Para dar adeus ao sobrepeso, o primeiro passo é incluir algum tipo de exercício físico na sua rotina – mesmo que você ache que não tem tempo para isso. Uma dica simples do personal trainer Thiago Rosa é mudar a forma de transporte que você usa para trabalhar, por exemplo. “Se você mora próximo do trabalho, deixe a preguiça de lado e vá andando”, diz ele. Para quem mora longe, a recomendação é deixar o carro na garagem e pegar a bicicleta, com cuidado, é claro. “Qualquer atividade física em qualquer quantidade de tempo é válida”, afirma. 

Caprichando na dieta – Claro que não adianta fazer exercício no caminho e depois se jogar em alimentos calóricos e pouco saudáveis no escritório. Aliás, esse mau hábito é mais comum do que você pensa. Imagine só que uma pesquisa da pela Associação Dietética Americana mostrou que 47% dos 500 entrevistados tinham dificuldade de fazer dieta justamente no ambiente corporativo. Mas não é o fim do mundo. Segundo a nutricionista Priscila Rosapara, da Equilibrium Consultoria, o regime dar certo no trabalho só é preciso evitar os exageros. “Não é necessário (nem se pode) parar de comer. A palavra de ordem é moderação. Consumir o que tiver com vontade, só que em quantidades menores”, afirma. Suas dicas são:

1 – Coma de 4 em 4 horas - “Não faça intervalos maiores para não ficar com o estomago vazio por muito tempo e depois exagerar na comida”, diz a nutricionista.

2 – Prepare sua marmita - Levar comida de casa pode ajudar a fugir das tentações dos restaurantes e manter uma dieta mais equilibrada. “Como é você mesmo que prepara, pode fazer um cardápio mais balanceado, com menos sal, óleo e gordura e ingerir alimentos mais saudáveis.”

3 – Não abuse da cafeína – Mesmo caindo de sono, a recomendação da nutricionista é não abusar do cafezinho para não ficar muito agitado. “O consumo deve ser regrado, ainda mais se a bebida for adoçada por açúcar. Não pode ultrapassar três xícaras”.

4 – Beba água – “Encha a garrafinha, deixe na mesa e beba aproximadamente dois litros de água por dia”, recomenda a nutricionista.

5 – Esqueça o fast food - Procure restaurantes que ofereçam variedade de alimentos para você escolher os mais saudáveis e menos calóricos.

Para se inspirar – Se você está com preguiça de começar essa maratona, Thiago, o personal trainer, conta uma história que pode ser inspiradora. “Há um ano, dou aula para um juiz de 48 anos. Quando conversamos pela primeira vez, ele me contou que não conseguia mais se concentrar no trabalho e se sentia muito cansado assim que acordava”, diz.

Ele estava nada menos do que 18 quilos acima do peso. Thiago então elaborou um cronograma de atividades físicas voltado para o estilo de vida que o juiz tinha. “Como ele não tinha tempo para fazer exercícios e levava uma vida sedentária, assim que começou a se exercitar sentiu mais disposição e energia para fazer as coisas”, afirma Thiago.

Depois de um ano de treino, o juiz já eliminou 12 quilos, além de ter deixado para trás a fadiga, o estresse e as roupas GG. “Quando a pessoa vê que emagreceu e melhorou o condicionamento físico, a auto-estima e o rendimento profissional, ela passa a arrumar tempo para praticar atividades físicas mesmo que tenha uma rotina muito corrida.” E agora você vai usar qual desculpa para não começar a eliminar esses quilinhos inconvenientes? 

Fonte: ClickCarreira
Fonte da imagem: gettyimages

Como Capacitar Seus Vendedores?

Entenda quais são os quatro principais fatores a serem trabalhados na capacitação 

Editado por Priscila Zuini

Não sou fã desses cursinhos que ensinam os 6 (ou 4 ou 8) passos para uma boa venda e, com isso, “pasteurizam” os vendedores. Entramos em uma, duas, três lojas e somos atendidos por profissionais que parecem todos saídos do mesmo molde, agindo como autômatos sem passar empatia alguma ao cliente.

Para começar, não acredito que a capacitação em vendas possa se limitar a um evento ou outro. Deve ser um processo contínuo de aprimoramento, com acompanhamento, métricas claras e coaching ou mentoring – inclusive para ajudar o vendedor a elevar sua auto-estima e gerir seus pontos fracos. É preciso fazer disso um processo contínuo mesmo e não apenas uma vez por ano.

Um bom programa de capacitação deve ser composto de teoria e prática e cobrir, no mínimo, quatro quesitos. O primeiro é sobre informações sobre o produto ou serviço, como funciona e, principalmente, que benefícios gera para quem o compra. Lembre-se de que o cliente em potencial não quer saber o que seu produto faz e, sim, o que seu produto faz por ele.

O segundo quesito é ter informações atualizadas sobre o mercado, a concorrência, tendências, as necessidades dos clientes em potencial e os produtos ou serviços que podem substituir os seus. Lembre-se de que nem sempre seus principais concorrentes são as outras empresas que oferecem produtos semelhantes aos seus: camiseta concorre com celular, joia concorre com viagem e assim por diante.

Em terceiro lugar, vem a conscientização do vendedor para as vantagens de ter um método, observar processos e evitar “atalhos”.

Por fim, o quarto ponto é saber como usar instrumentos de controle, indicadores de desempenho e outros recursos de apoio às vendas.

É fundamental ensinar ao vendedor a arte de fazer perguntas, ouvir e interpretar as respostas. Muitos vendedores ficam tão ansiosos para falar sobre seu produto que se esquecem de indagar o que o cliente em potencial precisa, ou acha que precisa.

Respondido por Marcelo Cherto


Fonte da imagem: gettyimages

Não basta contratar é preciso desenvolver...

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More