A Importância da Sucessão Familiar e Implantação de Sistemas de Gestão

Por Anderson Tonnera

Atualmente, 70% a 85% das empresas no mundo são consideradas familiares e no Brasil este índice é ainda maior, chegando a 90%. Estas empresas vivem problemas sérios com a questão da sucessão familiar, e o fator que gera este fenômeno é a falta de profissionalização e gerenciamento.

Ao tratar a organização de maneira familiar e amadora, o executivo permite que o sentimentalismo governe a empresa, criando ciúmes e desentendimentos. No ramo do agronegócio, a necessidade torna-se evidente ao analisar que o crescimento financeiro e econômico foi grande, contudo, na transição entre as gerações existe um grande vazio de conhecimento e técnica. Em geral, as empresas familiares apresentam a seguinte realidade:

Existem alguns princípios básicos para realizar a sucessão familiar em uma empresa. Contudo, são necessários que sejam quebrados alguns mitos, a saber:
Estruturas de Governança são adotadas para GARANTIR o controle acionário da família ao longo do tempo, e não para diminuí-lo.

Como a morte é o único fato certo na vida, a sucessão jamais pode ser desprezada. Planejá-la passa a ser então a melhor opção para evitar danos maiores na empresa, no patrimônio e na própria família.

Na ausência de um prévio planejamento sucessório,a sucessão seguirá os critérios definidos em lei, o que aumentará os riscos na continuidade da gestão empresarial e no patrimônio.

Na prática, para a empresa, não planejar a sucessão significa:

a. - disputa judicial entre os herdeiros;

b. - demandas pela anulação de testamentos;

c. - demanda pelo ingresso na gestão de pessoas sem qualificação técnica ou experiência necessária.

Na prática, para o patrimônio, não planejar a sucessão significa:

a. - impossibilidade de redução dos tributos;

b. - transferência dos bens sofrerá a incidência das alíquotas vigentes na época da morte

c. - eventual demora no inventário ocasionará a indisponibilidade total ou parcial do patrimônio

d. - a ação de inventário aumentará sensivelmente os custos jurídicos.

Com isso, o número de empresas que conseguem passar pelo processo sucessório e continuar com êxito em suas trajetórias, acaba sendo bem restrito:

Por fim, existem três premissas importantes para definir o sucessor em uma empresa familiar dentro do ramo de agronegócio. Contudo, é importante citar que o sucessor deve ser apenas um indivíduo e não um grupo ou irmãos.


Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More