Mostre para seus amigos

Conte para seus amigos sobre o Blog do Cabra, e curtam nossa página no Facebook!!!

Actio Consultoria e Treinamento

A ACTIO é uma consultoria empresarial que transforma grandes idéias em realidade e desenvolve projetos de acordo com as necessidades de seus clientes, traduzidos em inovação, desenvolvimento, e melhoria nos resultados da organização.

O Blog do Cabra recomenda

Ações de Motivação Dos Funcionários Necessitam de Equipe e Líder Maduros, continue lendo no Blog Administrando Você.

Destaque do Blog do Cabra

Muitos gostaram deste assunto, um assunto bastante procurado e mereceu destaque.

A disposição de todos

Nossos colunistas estão a disposição de todos para tirar dúvidas e sugestões, deseja ler sobre um assunto? Fale para nossos colunistas.

Mercado Popular e Estratégia de Marketing das Empresas: Potencial Distante ou Oportunidade Efetiva?


Por Renata Giovinazzo Spers e James Terence Coulter Wright

As classes C, D e E, que compõem a maioria da população do Brasil, são extremamente relevantes do ponto de vista social e econômico, representando uma enorme parcela de mercado a ser atendida com produtos e serviços específicos para as suas necessidades e a renda disponível. Diante da importância deste segmento, muitas empresas têm atuado para atendê-lo e a mídia vem mostrando, mês a mês, um número crescente de casos de sucesso no atendimento ao público de baixa renda, casos como o da cervejaria Belco, Refrigerantes Convenção e Casas Bahia.

Mas embora muito se fale do potencial deste mercado, com casos ilustrando o sucesso de algumas empresas, qual é o efetivo desempenho das empresas que atendem as camadas da população com baixa renda? E quais são os fatores de sucesso e o mix de marketing mais adequado para atender a este segmento?

Mais do que apenas tomar esse mercado como sendo um “mercado de massa”, onde as empresas competem com foco somente em preço, é necessário entender como as empresas que atuam junto às classes C, D e E têm alcançado sucesso no atendimento a tais segmentos e como as suas estratégias podem se manter sustentáveis, garantindo vantagens com relação à concorrência e gerando resultados superiores ao longo do tempo.

Com relação ao desempenho obtido por empresas focadas no mercado popular, pode-se dizer que é excelente, não representando somente um bom potencial, mas de fato uma oportunidade para as empresas alcançarem um crescimento superior. Pesquisa realizada com 75 empresas com abrangência nacional e em diversos setores de bens de consumo (alimentos, bebidas e fumo, higiene e limpeza, vestuário, eletrodomésticos e comércio varejista) mostra que empresas com foco em bens populares tiveram um crescimento real médio maior do que as empresas que atuam no mercado de classes A e B, em um período de 5 anos. Este crescimento observado é especialmente significativo quando consideramos que o crescimento do PIB no mesmo período foi de 1,71% ao ano.

A pesquisa também mostra que as empresas com foco no segmento popular tiveram uma lucratividade média e um resultado operacional líquido superiores aos resultados das empresas que atendem prioritariamente ao segmento de alta renda, evidenciando que a lucratividade superior obtida pelas empresas que atuam com bens populares não resulta de ganhos financeiros, mas sim de suas operações efetivas.

Estes resultados confirmam o potencial do mercado popular no Brasil, podendo atrair mais investimentos para este segmento e alimentar um círculo virtuoso onde estas empresas apresentam bons resultados, ao mesmo tempo em que oferecem produtos adequados a uma população de baixa renda. Este pode ser um caminho para que outras organizações brasileiras possam consolidar estratégias autênticas, que favoreçam uma atuação bem-sucedida junto aos mercados de baixa renda do Brasil e do mundo. Neste sentido, simplesmente oferecer produtos mais baratos não gera uma vantagem competitiva sustentável para as empresas, é preciso que haja uma estratégia consistente, com uma combinação adequada entre o posicionamento da empresa e seu mix de marketing para atender ao público de baixa renda, ou seja, ao priorizarem este segmento de mercado, as empresas adotam um posicionamento que se reflete nos seus preços, produtos, promoção e ponto de venda.

As empresas que atuam no mercado de bens populares possuem um posicionamento de preços baixos para a maioria de seus produtos, em relação aos concorrentes, e consideram este como um importante fator de competitividade, buscando ser uma das ou a principal ofertante dos produtos mais simples e baratos do mercado. Entretanto, conforme já mencionado, somente o preço baixo não é suficiente para garantir a sustentabilidade dos resultados destas empresas. A forma como determinam seus outros elementos de marketing é fundamental para garantir estes baixos preços e também o sucesso das empresas ao longo do tempo.

Quanto às características do produto, os bens populares são padronizados e simples, sendo que a empresa dispende poucos esforços em termos da amplitude da linha de produtos, ao passo que as empresas que atuam junto às classes A e B apresentam uma maior variedade de produtos, com uma maior amplitude de suas linhas. Além de mais padronizados, os produtos populares são mais simples, embutindo uma tecnologia já conhecida e difundida, que se reflete em baixos investimentos em pesquisa tecnológica avançada e um comportamento imitativo quanto ao uso de tecnologias em produtos e processos. Quanto ao nível de qualidade, as empresas de sucesso buscam oferecer produtos que atendam a todos os requisitos quanto às matérias-primas utilizadas, especificações e observância das tolerâncias em termos de qualidade, contrariando o senso-comum de que o produto popular é um produto de baixa qualidade.

Quanto à promoção, a empresa que atua no segmento popular não busca a diferenciação da sua marca como principal fator competitivo, evitando despesas elevadas com publicidade, força de vendas, embalagem ou outros elementos não essenciais caros. Diferentemente das empresas orientadas para as classes A e B que desenvolvem a identificação da marca junto ao consumidor final, as empresas populares buscam a diferenciação por meio de uma política de apoio aos seus canais de distribuição, e pontos de venda, visando a promoção de sua marca junto ao consumidor final, fornecendo material promocional, folhetos explicativos, posters, brindes e promoções. Esta estratégia é interessante, pois além dos canais de comunicação tradicionais exigirem maiores investimentos, podem não ser eficazes para atingir as classes C, D e E. Os consumidores estão pulverizados nas periferias e compram muitas de vezes em pequenos mercados e mercearias, sendo muito mais vantajoso investir neste contato direto com o cliente nas lojas.

Por outro lado, nestes pontos de venda as empresas proporcionam aos seus clientes um atendimento básico, com uma menor quantidade de serviços auxiliares e sofisticados, tais como recepção, assistência técnica, estacionamento, crédito, entre outros. Muitas das marcas não têm lojas próprias e oferecem aos seus consumidores um serviço pouco sofisticado. Embora tenham uma preocupação em oferecer serviços auxiliares em algum grau, não fazem altos investimentos nos serviços diferenciados, como é o caso das empresas voltadas para o mercado de luxo e mercado de alta renda, que investem pesadamente nesta diferenciação como fator de competitividade.

Fonte: Mundo do marketing

Frases do Robert Kiyosaki


Para pensamos um pouco, estas frases foi meu amigo Serjão que mandou ...


O rico não trabalha por dinheiro. O pobre e a classe média trabalham por dinheiro. O rico tem o dinheiro trabalhando para ele.

O rico compra ativos (coisas que colocam dinheiro no seu bolso). O pobre só tem despesas. A classe média compra passivos (coisas que tiram dinheiro do seu bolso) pensando que estão comprando ativos.

Segurança no emprego é um mito ... e também arriscado para pessoas autônomas na minha opinião. Se elas ficam doentes, acidentadas, ou morrem, suas receitas são diretamente afetadas.

O emprego é realmente uma solução de curto prazo para um problema de longo prazo.

Meu pai rico me ensinou a focar na receita passiva e a gastar meu tempo adquirindo ativos que fornecessem receita residual de longo prazo ... receita passiva de ganhos de capital, dividendos, de negócios, aluguéis de imóveis e direitos autorais.

O tamanho do seu sucesso é medido pela força do seu desejo, o tamanho do seu sonho e como você lida com a decepção ao longo do caminho.

A única diferença entre uma pessoa rica e uma pessoa pobre é como eles usam o seu tempo.

Seu futuro é criado pelo que você faz hoje, não amanhã.

A razão primária para pessoas procurarem a segurança num emprego é por que lhes é ensinado isso em casa e na escola...depois com a carga das dívidas, eles precisam se agarrar ainda mais aos seus empregos, ou segurança profissional, apenas para pagar suas dívidas. Nós vamos a escola para aprender a trabalhar duro por dinheiro. Eu escrevo livros e crio produtos que ensinam pessoas como fazer o dinheiro trabalhar duro para eles.

Não é quanto o que você ganha que conta, mas quanto dinheiro que você mantém.

Educação é a fundação do sucesso. Assim como a escolaridade é importância vital, igualmente importantes são os conhecimentos financeiros e de comunicação.

Uma das razões por quê o rico fica mais rico, o pobre mais pobre e a classe média luta em dívidas é por que o assunto dinheiro foi ensinado em casa, não na escola.

As Competências Fundamentais do Marketing Pessoal



Por Rogerio Martins

Quando se fala ou escreve sobre marketing pessoal é comum que seus autores concentrem-se em fatores externos, como a aparência e postura dos indivíduos, como o fator preponderante para distinguir aqueles que fazem ou não marketing pessoal.

Quando iniciei minhas pesquisas sobre o tema há mais de dez anos percebi que estes fatores são importantes, mas que somente eles não garantem o sucesso desta ferramenta de alavancagem da carreira profissional e das relações sociais.

A partir de então desenvolvi uma abordagem particular acerca do assunto: uma visão humanista do marketing pessoal. Através dela vejo o ser humano integrando suas habilidades pessoais de personalidade - o conteúdo interno - associado a técnicas eficazes de divulgação de si mesmo - o fator externo.

Creio que cinco competências são fundamentais para a realização do marketing pessoal através desta abordagem e as descrevo a seguir.

A empatia



É a capacidade do ser humano em colocar-se no lugar do outro. Segundo Jacob Levy Moreno, criador do Psicodrama, todo indivíduo passa por diversas fases no desenvolvimento de sua estrutura de personalidade e pode-se dizer que atinge a maturidade psicológica quando consegue "inverter papéis", ou seja, usar da empatia.



Exercite no seu dia-a-dia imaginando-se como seria enfrentar os desafios do cargo do seu chefe ou subordinado, atender o público como um caixa de banco em dia de grande movimento, fazer a faxina no escritório depois de um dia de trabalho, dirigir no trânsito caótico por profissão, etc. Após este exercício passe a agir como gostaria de ser tratado em cada uma destas situações. Certamente todos os envolvidos passarão a respeitá-lo muito mais que de costume.

Simpatia



Antigamente dizia-se que a educação abre portas e reforço que a simpatia é um dos melhores canais de acesso ao sucesso profissional e pessoal. As pessoas em geral gostam de quem as tratam bem. Ser cordial, afetuoso, entusiástico e "educado" é fundamental para garantir uma imagem positiva entre as pessoas de seu relacionamento. Ações simples como um cumprimento, um sorriso, um abraço ou um olhar podem garantir pontos importantes para o seu marketing pessoal.

A alegria é um poderoso anti-estressante e contagia todos que estão por perto. Afinal você conhece alguém que procurou um namorado ou namorada que fosse emburrado, pessimista ou desanimado? Claro que não! O ser humano gosta e precisa de energia positiva para viver bem e para isto aja com simpatia e lembre-se sempre das "palavras mágicas": bom dia, obrigado, com licença e desculpe!

Comunicação



Neste item há dois pontos que quero destacar: falar corretamente e vencer a barreira da timidez e do orgulho.

Ter uma comunicação impecável é crucial para qualquer profissão e mais ainda quando se trata de garantir uma boa imagem diante do seu cliente, chefe ou até mesmo parceiro ou parceira. Para isso é fundamental adequar a linguagem para cada situação, pois só assim é possível se sobressair em meio ao padrão que assola a maioria das pessoas nas corporações. Estude, leia revistas, livros e jornais, participe de cursos sobre oratória, enfim, aprimore ao máximo sua capacidade de falar corretamente para cada público e situação.

O outro ponto importante é fazer que as pessoas saibam quem é você e o que tem a oferecer, ou seja, vencer a barreira da timidez e do orgulho. Há um famoso ditado que diz: quem tem boca vai à Roma. À medida que se compartilha com os demais seus planos, idéias, projetos e sonhos está abrindo a possibilidade deles fazerem parte e até mesmo ajudarem a concretizá-los. As pessoas querem participar, mas para isso precisam saber. Portanto, comunique!

Ter conteúdo



De nada adianta ser um ótimo comunicador e agir com simpatia se não tiver efetivamente conteúdo. É muito importante ter o que dizer, possuir conhecimento, mostrar a que veio e transmiti-lo de forma natural. Nos últimos tempos parece que a sociedade foi assolada por "carinhas bonitas", mas que não tem nada a dizer, não transmitem absolutamente nada e assim passam desapercebidas. Estas pessoas estão nas empresas, na mídia, na política, nas rodas de amigos, enfim, em todos os lugares onde é possível fazer "cara de conteúdo". A verdade é que as pessoas se lembram daqueles transmitem segurança, que consolidam sua imagem, sua presença através de opiniões claras, idéias firmes ou, simplesmente, porque estão ligadas no que está acontecendo a seu redor e tem o que exprimir com assertividade. Para ter conteúdo é imprescindível aprimorar o hábito da leitura, diversificar o acesso às informações, ampliar o contato com as diversas formas de cultura, participar de eventos da sua área de interesse e também de outras áreas diferentes, participar de movimentos profissionais, viajar e freqüentar grupos diferentes.

Apresentação pessoal



Por fim, o cuidado com a aparência também é fator essencial para a realização do marketing pessoal e profissional. Para isto é fundamental o bom senso. Conheço pessoas que possuem boas roupas, muitas vezes de grife, mas não conseguem fazer uma combinação razoável. Ora pecam nos tons, no tecido, no design, ora nos acessórios. Saber adequar a vestimenta para cada situação sem perder o estilo é das tarefas mais difíceis e muitas vezes necessário o apoio de um profissional especializado.

Há alguns fatores que você deve considerar na hora de escolher a roupa ideal:
- O tipo de evento ou compromisso que irá participar - se é formal ou informal. Na dúvida opte pelo formal, pois é mais fácil partir da formalidade para a informalidade do que o inverso, muitas vezes retirando ou mudando apenas uma peça do traje.

- Tons e cores - os tons mais claros são recomendados para pessoas mais jovens e durante o dia. Já as cores merecem um cuidado especial com relação a moda, pois nem sempre o que está na moda cabe para você. Um bom exemplo são o vermelho e o pink.

- Padrões e texturas - saiba adequar as peças e tome cuidado com babados, decotes, listras, veludo, roupa curta ou longa demais.

- Idade - não tente aparentar mais ou menos idade do que possui através da roupa e acessórios - é mais fácil você passar ridículo e ser gozado por todos.

- Seu tipo físico - a moda de passarela é feita para pessoas muito magras, então tome atenção para vestir-se de acordo com seu porte e medidas. Evite roupas apertadas ou largas demais, pois transmitem uma idéia de desleixo.


Com estas informações já é possível praticar corretamente seu marketing profissional e conquistar pontos positivos na sua carreira. Vale lembrar que tudo isto também se aplica na vida pessoal. Sucesso!

Rogerio Martins é Psicólogo, Consultor de Empresas e Palestrante.

Fonte: protal do marketing

B2B, B2C ou B2P?



Marcelo Miyashita



Relações corporativas acontecem entre pessoas

Nos negócios entre empresas, B2B (business to business), todas ações de marketing buscam reforçar as relações e criar o senso de parceria, mas há um porém importante: o relacionamento não ocorre entre empresas, acontece entre as pessoas que trabalham nos dois lados. Essa é a principal diferença para as táticas de relacionamento no marketing de consumo – no qual basta mirar no cliente consumidor, identificá-lo, segmentá-lo e customizar táticas adequadas.

No marketing em B2B, a empresa-cliente pode ser uma, mas dentro dela há diversas pessoas com diferentes posições importantes no processo. Aí as táticas precisam ser pensadas para atingir essas pessoas. Quando planejamos ações de marketing de relacionamento, o B2B é muito mais B2P (business to business). Pessoas que podem ser classificadas dentro dos seguintes papéis dentro do processo de compra: especificadores, influenciadores, intermediários, compradores e decisores.

Por isso, é importante compreender e cadastrar as pessoas da empresa-cliente e seu papel na relação. Ao fazer isso, ficará claro que a relação ocorre com mais pessoas do que se imagina. Especificadores, por exemplo, são os técnicos que aprovam uma compra ou os gestores de área que definem o escopo, e influenciadores são pessoas da empresa que influem nas decisões da compra, mas não participam diretamente do processo, caso de profissionais de destaque com alta reputação e reconhecimento interno. Já os intermediários são as “pontes” que ligam os vendedores da sua companhia com os compradores do cliente – o bom vendedor sabe converter recepcionistas e secretárias ao seu favor. E compradores são os responsáveis pela abertura e pelo fechamento das compras, mas há casos em que não são os decisores, função assumida pela diretoria.

Perceba que é necessário mapear em cada cliente as pessoas que assumem esses papéis no processo de compra. Algumas vezes, encontramos gestores comerciais que promovem esse trabalho e, em função disso, desenvolvem táticas de vendas mais direcionadas. Mas, em raríssimos casos, infelizmente, essa visão B2P do cliente é tratada nas táticas de marketing.

É preciso visualizar as pessoas para promover ações mais pertinentes. Por outro lado, é preciso também fazer a lição de casa. Entender que nossa empresa não é um corpo único, que também temos diversas pessoas que atendem e entram em contato com as pessoas do cliente. Um vende, outro fatura, um terceiro entrega, um quarto atende no dia-a-dia e um quinto presta suporte técnico. É nossa responsabilidade manter nosso pessoal informado e trabalhando em equipe para que todos tenham uma mesma atitude frente ao cliente.

As boas práticas de marketing de relacionamento corporativo dependem de quatro passos:

• Qualidade no processo de atendimento que, com a qualidade dos bens comercializados, cria reconhecimento;

• Classificação dos clientes valiosos para o negócio;

• Cadastramento das pessoas dos clientes valiosos e seu papel no processo de compra;

• E ações de relacionamento B2P para manter vivo o reconhecimento e transformá-lo em fato relevante para a geração de mais negócios.

Essas ações podem ser gerenciadas dentro de um programa de marketing de relacionamento corporativo que consiste em atividades planejadas de comunicação dirigida, eventos corporativos, benefícios e concessões especiais, e até nos comuns mimos e brindes. No B2P valorizamos as pessoas como a base da relação corporativa.

Fonte: consultores.com.br

Gerencie Sua Vida


Paulo Henrique de Araújo

“Um homem cansado do dia-a-dia dos negócios resolveu tirar férias”. Tinha por hobby navegar com seu balão. Stressado, ávido por uma aventura, subiu com seu balão, sem nenhum tipo de planejamento para navegar por lugares desconhecidos. Após algum tempo, sentiu-se perdido, reduziu a altitude do balão até chegar a 10 metros do solo. Viu então um rapaz e gritou:


- Ei, rapaz, onde é que eu estou?
O jovem respondeu:
- Você está num balão a 10 metros de altura!
O homem prontamente perguntou:
- Você é estagiário, não é?
O jovem respondeu:
- Sou sim! Como é que o senhor sabe?
E o homem:
- Simples. Você me deu uma resposta tecnicamente correta, mas que não me serve para nada.
Sem se perturbar o jovem perguntou:
- E o senhor é gerente, não e?
O homem perplexo respondeu:
- Sim, sou gerente. Como é que você adivinhou?
- Simples. Vive perdido e sempre procurando alguém para colocar a culpa... só pode ser gerente.”



Assim, como na história acima, creio que todos nós, independente do cargo, temos momentos onde nos sentimos completamente perdidos, sem saber que rumo tomar, procurando saber se há uma luz no fim do túnel.

Além do sentimento parecido, temos também a semelhança com um dos protagonistas, afinal todos nós somos os gerentes de nossas próprias vidas. Tomar as rédeas de sua carreira e ser o senhor de seu destino não é tarefa fácil em um mundo onde as relações de trabalho e de mercado mudam constantemente, onde as palavras segurança e estabilidade estão em processo de extinção, e mudanças ocorrem em alta velocidade. Seja o gerente de sua própria vida, mas para isso...


* Semeie bons valores, princípios e ideais.
Você é exatamente aquilo que você imagina ser. Uma auto-imagem positiva é determinante para manter a auto-estima e a autoconfiança sempre em dia. Não perca de vista valores como ética, responsabilidade social, solidariedade e senso de justiça. As empresas, acima de tudo, são corporações humanas, onde sentimentos e razão vivem em um eterno conflito. Manter firme e sólido seus valores, princípios e ideais o ajudarão na tomada de decisões importantes para sua carreira e a não perder o rumo certo.

* Cuidado com o auto-engano.

O auto-engano é uma defesa psicológica. amplamente utilizada, normalmente, de forma involuntária e não planejada. Formamos imagens que não condizem com a realidade, sobre nosso trabalho, nossa vida, sobre nós mesmos. A expressão “tampar o sol com a peneira” deixa evidente que o auto-engano nos alivia dores, evita conflitos, por isso é mais fácil deixar estar para ver como é que fica. O problema é quando faço uso excessivo desta técnica, consciente ou inconsciente, criando um mundo que já não mais condiz com a realidade. Não alimente o auto-engano, as ilusões e verdades exageradas. Pratique o feedback, entenda que receber um feedback positivo ou negativo é como um presente que vai ajudá-lo a encarar a realidade de uma forma mais madura e evitar futuros fracassos e desvios em sua vida.

* Cultive bons relacionamentos.
O mundo hoje está todo conectado e interdependente. Ser ativo em associações de classe, estar presente em eventos são apenas algumas dicas comuns. Mas, o que faz a diferença mesmo é como você conduz sua rede de relacionamentos. Um bom exemplo é o e-mail que é uma poderosa ferramenta de relacionamento, mas muitas vezes utilizada de forma errada. Evite enviar piadinhas e outros assuntos que nada tem a ver com assuntos profissionais. Que tal enviar artigos que possam contribuir para a carreira alheia, informações sobre novas técnicas de gestão, novos fornecedores, concorrentes ou talentos que estão à disposição no mercado? Não tenha preguiça em conhecer novas pessoas, novas culturas, o mundo pertence à diversidade, afinal viver dá trabalho e o sucesso se conquista por meio de pequenas ações, que como a chuva fina e constante faz transbordar os rios.

* De gênio e louco todo mundo tem um pouco.
Apostar nas suas idéias, usar a criatividade como aliada, não temer o ridículo, exercitar a mente, entender que o novo sempre vem são fatores que todo gerente deve saber tirar proveito. A oportunidade tem um timing e feliz daquele que percebe a hora certa de agir. Tolo aquele que pensa que isso só acontece em momentos de sorte. Hoje, as oportunidades devem ser criadas e criativo é quem transforma seu projeto em ação, em realidade. Genial é ser simples e uma pequena dose de loucura não faz mal a ninguém. Esteja disposto a encarar alguns sacrifícios em sua vida, haverá momentos em que será necessário trabalhar mais horas por dia, pesquisar mais, fazer o algo a mais, coragem para enfrentar os desafios de frente, porém cuidado para não perder o equilíbrio na relação trabalho X família X vida social. Estimule o seu espírito empreendedor. Lembro que esta dica também é válida para quem trabalha em empresas e não só para quem tem ou quer ter seu próprio negócio.

* Tenha um projeto de vida maior.
Qual é sua maior missão? Quero detalhes, seja específico. O que você deseja fazer para que, ao final de sua vida, você possa olhar para trás e dizer: - Valeu. Eu fui o que eu quis ser, fiz o que sonhei fazer. A auto-realização pode ser comparada com a plenitude, àquela sensação maravilhosa de ter feito o algo a mais, de ter dado sua contribuição. Nesta hora é preciso ter foco. Foco no resultado, na sua estratégia e planejamento pessoal. Capacidade de ter e manter o foco, de se levantar quantas vezes for necessário, persistência é o maior diferencial que um profissional pode ter. Afinal, o que diferencia um gerente do outro, mais do que sua capacidade técnica é o seu entusiasmo pelo trabalho e pela vida. Portanto, pegue seu balão infle-o com muita motivação e objetivos e faça uma viagem de sucesso!

Fonte: consultores.com

Os Melhores Profissionais Para Se Contratar



.
Muito se fala nas melhores empresas para trabalhar, e há muitos rankings nacionais e internacionais que avaliam essa questão, em diversas categorias e atividades. Mas qual seria o melhor profissional para se contratar? Afinal, para uma organização ser considerada boa para trabalhar, seu material humano tem extrema relação com esse adjetivo.
.
É claro que ser considerado um bom funcionário, vai depender muito da cultura da empresa e do conceito de sucesso de cada área. Mas em termos gerais, o funcionário ideal é aquele determinado a progredir, que trabalha em equipe, disposto a encarar desafios, aberto ao diálogo, batalhador, confiante no futuro da empresa e preocupado com as causas sociais e com o papel da empresa. “O indivíduo que sabe orquestrar bem este conjunto de recursos e que adiciona a eles a capacidade de liderança, de inspirar os outros, de motivar os outros frente a uma visão, faz com que as pessoas caminhem em determinada direção antecipando o futuro”, afirma Wilson Roberto Lorenço, sócio-diretor da Compass, empresa de consultoria, treinamento e pesquisa organizacional.
.
O bom profissional é aquele que consegue encontrar motivação mesmo que a situação na empresa não ajude. A motivação é antes de tudo algo que pertence ao indivíduo, embora o ambiente e a empresa possam cultivar e potencializá-la. São nos momentos difíceis que muitas vezes esta característica é mais crucial. As pessoas devem considerar seu trabalho e sua profissão não somente sob o aspecto da empresa que a emprega, mas a partir de múltiplos níveis de compromisso que ela estabelece na execução do mesmo, seja com clientes, fornecedores, pares, equipe e comunidade.
.
Na seleção de um novo colaborador, o que pode pesar efetivamente na contratação de um candidato podem ser detalhes de sua personalidade. “Conheço empresas que no processo seletivo, já procura identificar valores pessoais e organizacionais, pois a empresa não quer correr o risco de perder um excelente profissional porque os valores pessoais não estão alinhados à cultura da companhia. Outras organizações que não têm esse hábito ou essa preocupação vão acabar conhecendo outro lado do funcionário no dia-a-dia do trabalho”, completa Lorenço.
.
Mesmo no passado, quando se cobrava mais tempo em carteira assinada do que hoje, temos que partir do seguinte princípio: que empresa trabalhou, qual atividade desenvolvia, porque se desligou, se deram oportunidades e recursos ao funcionário ou se é alguém sempre insatisfeito. Então tudo isso deve ser colocada na balança.
.
Quando se ouve falar que vivemos, cada vez mais, em uma escassez de talentos, é justamente devido à dificuldade de se encontrar profissionais com o perfil adequado ao que é definido como ideal para cada vaga ou situação. “Creio que são sim as exigências do ambiente competitivo que determinam perfis de vagas onde há dificuldade de encontrar candidatos adequados a situação”, explica Fernando Viriato de Medeiros, diretor de Recursos Humanos da Accor Hospitality – América Latina.
.
Características positivas e negativas
.
Comprometimento: as organizações buscam pessoas empenhadas em buscar resultados, que se comprometem em fazer acontecer. É mais uma atitude pessoal do que uma habilidade adquirida em faculdades ou em pós-graduações, por exemplo. Fazer tudo que é possível e impossível para chegar a um resultado satisfatório. Para o diretor de RH da Accor, o colaborador ideal deve ter predisposição de desenvolver na empresa, habilidades técnicas não essenciais a função que ele irá desempenhar inicialmente e outras habilidades de lideranças e comportamentais que a própria empresa pode desenvolver.
.
O profissional ideal buscará um crescimento na carreira, seja em uma formação gradual, seja em leituras complementares. Mas, principalmente manter contato com pessoas mais experientes na área de atuação para aprimorar esse desejo. Buscar também um feedback, se interessar pelas atividades e absorver observações positivas são fundamentais. “Sempre fui partidário em ampliar conhecimento. Conheço pessoas que desenvolvem a mesma atividade há mais de 15 anos e não sentem a necessidade de mudar, deixam claro que não querem deixar aquela atividade. Sabemos que pessoas que ficam muito tempo em uma mesma atividade, pode se prejudicar no futuro. Mas, também imaginar que isso não é possível, ou que seja errado, também é rotular” esclarece Lorenço.
.
“Todas as questões que definem o ‘funcionário ideal’, tais como a determinação para progredir, a habilidade para trabalhar em equipe, a disposição para encarar desafios, a abertura ao diálogo, a persistência, a confiança no futuro da empresa e a preocupação com as causas sociais e com o papel da corporação, são aspectos comportamentais”, define Medeiros. Essas modalidades estão cada vez mais ganhando peso maior na hora de avaliar um profissional.
.
Individualismo, desonestidade, descaso, falta de ética e de espírito de equipe e a falta de visão da importância das pessoas nos negócios. Essas são apenas algumas das características que prejudicam o colaborador e, que, em sua maioria, já são procuradas para identificação no próprio processo de recrutamento e seleção. “Em uma organização, o nível de responsabilidade impõe muitas vezes limites diversos ao que se pode considerar como inaceitável. Desde este ponto de vista, devemos levar em consideração que no caso dos líderes, há uma carga maior de compromissos e responsabilidades com a organização, as pessoas, o acionista e demais públicos de interesse”, finaliza o diretor da Accor Hospitality.

.
Fonte: catho online

PB Que Dá Certo

Para prestigiar o meu amigo Irenaldo, e mostrar a todos que gostam do Blog do Cabra, mais um cabra da peste que está com seu negócio a todo vapor. E mais uma prova de que, temos que nos atualizar, Irenaldo se formou em Administração de empresas pela UFPB agora em 2009, coincidentemente estudamos juntos, é muito bom ver um amigo indo tão bem, e melhorar cada vez mais aplicando os conhecimentos adquiridos durante o curso. E eu posso garantir a qualidade dos rocamboles, principalmente que, a cada seminário apresentado nas disciplinas na universidade, Irenaldo trazia os seus produtos para uma degustação.... hummmm... E eu agora morando em natal não posso passar na Casa do Sertão para comprar mais algumas delícias regionais... Então vejam esta reportagem que saiu na impresa local da Paraíba.

Por Cecília Noronha

Doces receitas de futuro

Investir no potencial de trabalho é o lema da Casa do Sertão, que produz um dos rocamboles mais conhecidos da cidade de João Pessoa


"O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas", já dizia o teólogo inglês William George Ward (1812-1882). Religiosidade à parte, uma das qualidades empreendedoras do casal Irenaldo Xavier Marques e Telca Santos é justamente ter os pés no presente, mas os olhos bem no futuro. O lema deles é diagnosticar o caminho da saída nos momentos "cinzentos" para que isso possa facilitar a reviravolta. Há 21 anos o tamanho do empreendimento da dupla se resumia a um quartinho, localizado na residência onde moravam. Através da tal receita estratégica, hoje a Casa do Sertão produz um dos rocamboles mais conhecidos da cidade.


Do pequeno ambiente de 6 metros quadrados, o negócio passou a ocupar um imóvel inteiro e emprega atualmente 19 funcionários. A Casa do Sertão foi criada em 1988, com revenda de produtos derivados do leite e da carne de sol. Durante muitos anos, o dia para Irenaldo começava bem cedo, por volta das4h - horário em que ele tinha que ajudar a esposa a preparar canjica. Afinal, às 7h, a clientela já estava na porta da residência, comprando o produto para o café da manhã. "Eu era só o assistente da minha mulher. Ralava o milho e cuidava dessas coisas básicas. Ela (Telca) era quem realmente fazia as coisas e inventava as receitas", recordou.


"Nosso diferencial é porque usamos sempre produtos de qualidade. Mesmo que esse material seja mais caro" Irenaldo Xavier - Empresário

Essa luta diária começou depois que o casal se mudou de endereço para uma sede bem maior do que a primeira. Foi então que começaram a diversificar os produtos. Passaram, então, a comercializar alimentos embutidos, frios, bolachas, doces. Também foi o momento de iniciar a fase de produção de comidas típicas, nos meses de maio e junho, negociando pratos como pamonha e canjica. Quando tudo parecia ir bem, em 1998, a empresa passou por uma crise financeira. O que à primeira vista parecia ser a estagnação do empreendimento, se transformou na razão para crescimento. "As pessoas que são otimistas dizem que aquilo que acontece de dificuldade é para crescer. O pessimista acha que tudo vem para atrapalhar", comentou.

De fato, Irenaldo e Telca decidiram mudar o rumo do empreendimento. A fabricação de pamonha e canjica, que era de apenas por dois meses, passou a ser de inverno a verão. "Morávamos na parte de trás do imóvel. Então, alugamos outra casa e ampliamos o negócio, acrescentando um setor de pré-produção", lembrou o proprietário. A partir da mudança, o estabelecimento não parou de crescer. Passaram a fabricar várias linhas de bolo, sendo os pioneiros do tipo baeta, de milho e de macaxeira. Em 2000, foi a vez de nascer no local a linha de rocamboles, além de uma infinidade de bolos, como o mesclado, o inglês e o formigueiro.

Foi em 2004 que a loja foi reformada. Com visual novo, cresceu também a necessidade de aumentar a fabricação dos produtos da Casa do Sertão. A lista de produtos hoje é infinita, passando por coalhada, queijadinha, bolos típicos como os de batata-doce, Souza Leão, pé-de-moleque. "Os bolos correspondem a boa parte do que faturamos, ou seja, mais de 50%. Os rocamboles são o carro-chefe, sendo que só o de chocolate é responsável por 6% do nosso faturamento", comparou Irenaldo. "No segundo semestre do ano que vem, vamos começar uma reforma aqui, aumentando mais um andar. Lá em cima vai funcionar só a fábrica de rocamboles. Também pretendemos iniciar a produção do bolo de rolo, que é de Pernambuco", garantiu.

Atualmente, o casal ainda continua acordando cedo, mas agora às 5h30. Porém, dispõe de funcionários para ajudar no serviço. Para Telca Santos, a qualidade é a mola do sucesso. "O nosso diferencial é porque usamos sempre produtos de qualidade. Mesmo que esse material seja mais caro, nossos preços conseguem ser compatíveis com o mercado. Nós visamos a satisfação do cliente", ressalta.

Mesmo sem bola de cristal, Irenaldo continua de olho no futuro. Para ele, a dedução é fundamental para a manutenção do sucesso. "O que vai acontecer daqui a cinco anos? A Copa do Mundo. João Pessoa vai ficar no meio de duas cidades sedes do campeonato (Recife e Natal). Isso vai atrair clientes. E nós iremos abastecer o mercado", prevê. "Daqui há para lá, você me diz se eu estava certo", brinca.

Depois dessa previsão feita pelo proprietário da Casa do Sertão, ficou mais clara a intenção do empresário com o projeto da construção do primeiro andar, voltado à produção de rocambole e do bolo de rolo pernambucano. Bom, resta-nos "pagar" para ver. A reportagem esqueceu apenas de perguntar a Irenaldo se ele conseguia também prever qual país conquistaria o campeonato mundial de 1914. Se for o Brasil, imagine o que a criatividade desse casal vai ser capaz de inventar.

Fonte: http://www.jornalonorte.com.br/2009/08/09/pbquedacerto1_0.php

O Fantástico Poder da Simplicidade


por Millor Machado

Como ser simples aos olhos do cliente?

Resuma sua comunicação a 3 argumentos
Não adianta enumerar 7 vantagens do seu produto, as pessoas não lembrarão delas. Dizem, e eu concordo, que 3 é o número mágico de argumentos a serem usados. Esses argumentos podem ser quebrados em sub-pontos, mas ainda são 3 argumentos.
Exemplo: O MS Office tem milhares de funções, mas na prática serve para trabalhar com documentos, planilhas e apresentações. 3 coisas.

Torne o uso do seu produto o mais intuitivo possível
Ninguém gosta de ler manuais ou passar horas aprendendo a usar um produto. Facilite a vida das pessoas e crie coisas intuitivas de serem usadas, você será recompensado com a felicidade dos clientes. Ou seja, vendas.

Tenha soluções simples para os possíveis problemas
As pessoas são muito criativas, elas conseguirão burlar seu sistema de segurança ou quebrar peças “inquebráveis”. Proteja ao máximo o produto contra falhas e oriente o usuário a usá-lo de forma correta. Por fim, tenha um bom serviço de atendimento ao cliente já que, como diria o filósofo americano F. Gump, “Sh*t happens!”.

As vantagens de ser simples?

Será mais fácil de entender o que a sua empresa faz e por que você é melhor que o concorrente. Isso te diferencia na multidão, o que atrairá a atenção dos clientes.

As pessoas lembrarão de você.

Clientes felizes são clientes fiéis. De uma forma ou outra eles te trarão novos clientes.

Sendo simples você economiza tempo e dinheiro que seriam gastos explicando o uso correto do produto e tendo que resolver problemas que ocorreram porque o cliente não te entendeu e fez “caquinha” na hora de usá-lo.

Como testar a simplicidade do seu produto?

Se você precisa mais de 10 slides ou mais de 5 min. para convencer alguém de que a idéia é boa, algo está errado.

Se as pessoas não conseguem usar o produto da forma certa, a falta de esperteza não é delas, é sua que não ouviu o cliente e fez um produto complicado.

Não deixe que “Por favor, leia a página 72 do manual” seja a resposta padrão quando alguém quiser tirar dúvidas ou entender melhor o produto.


Fonte: Empreender para todos
Fonte original, que me foi enviado pelo próprio autor.

Assessores e políticos


Um homem anda por uma estrada próxima a uma cidade, quando percebe, a pouca distância, um balão voando baixo. O balonista lhe acena desesperadamente, consegue fazer o balão baixar o máximo possível e lhe grita:

- Ei você, poderia ajudar-me? Prometi a um amigo que me encontraria com ele às duas da tarde, porém já são duas e meia e nem sei onde estou. Poderia me dizer onde me encontro?
O outro homem, com muita cortesia, respondeu: - Mas claro que posso ajudá-lo! Você se encontra em um balão de ar quente, flutuando a uns vinte metros acima da estrada. Está a quarenta graus de latitude norte e a cinqüenta e oito graus de longitude oeste.
O balonista escuta com atenção e depois pergunta-lhe com um sorriso: - Amigo, você trabalha como assessor?
- Sim, senhor, ao seu dispor! Como conseguiu adivinhar?
- Porque tudo o que você me disse está perfeito e tecnicamente correto, porém esta informação me é totalmente inútil, pois continuo perdido. Será que você não tem uma resposta mais satisfatória?
O assessor fica calado por alguns segundos e finalmente pergunta ao balonista: - E você, não seria por acaso um funcionário do Governo?
- Sim, sou realmente filiado ao PT. Como descobriu?
- Ah! Foi muito fácil! Veja só: Você não sabe onde está e nem para onde vai. Fez uma promessa da qual não tem a mínima idéia de como irá cumprir e ainda por cima espera que outra pessoa resolva o seu problema. Continua exatamente tão perdido quanto antes de me perguntar. Porém, agora, por um estranho motivo, a culpa passou a ser minha....


Fonte Diversas

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More