Borderline: Descubra Como Lidar Com Este Distúrbio de Personalidade

Autor: Samara Teixeira

Muitas pessoas passam a vida sem perceber que alguns comportamentos negativos extremos podem ser consequência de transtornos de personalidade. Existem inúmeras síndromes e, em geral, algumas são fáceis de perceber e diagnosticar. Porém, o transtorno borderline ainda não é de fácil percepção por ser confundido com outras síndromes.

Considerando a expressão “bordeline”, a síndrome é o que margeia, que está na fronteira, é a chamada personalidade dos limites, do transbordamento das emoções. Trata-se, sobretudo, e principalmente, de um transtorno de personalidade.

Segundo o psicólogo, Silvio José Coutinho, o bordeline é caracterizado por basicamente quatro aspectos principais, sendo eles: 
  • Disfuncionalidade: grande dificuldade nas relações interpessoais; 
  • Instabilidade reativa: incontinência de humor (humor instável / reação desproporcional frente a qualquer estímulo, por mais banal que possa parecer); 
  • Impulsividade intensa e descontrolada; 
  • Autopercepção distorcida: negativa e de baixíssima autoestima. 
O que mais preocupa é a demora que os borders e as pessoas de frequente convivência levam para perceber o distúrbio. “O diagnóstico é comprovadamente dificultado, entre outras razões, pela demora na procura do tratamento e pela proximidade das características com outros transtornos (a bipolaridade, por exemplo). Segundo informações mais recentes, no Brasil o tempo médio para um diagnóstico preciso tem sido em torno de 10 anos”, explica Silvio.

O tratamento da síndrome está diretamente ligado a um processo terapêutico específico, que possa focar na reconstrução dessa personalidade, dar a ela novos rumos, limites e perspectivas de uma vida mais comprometida. “O uso da medicação com antidepressivos e antipsicóticos específicos e em baixa dosagem também é fator importante a ser considerado nos casos em que há a premente necessidade de frear e amenizar a impulsividade da agressão e /ou autoagressão, típica do quadro”, enfatiza Coutinho.
Após o diagnóstico, como proceder no ambiente de trabalho?

De acordo com Silvio, todo indivíduo que passa por um comprometimento em suas funções normais, sejam elas físicas, orgânicas, psíquicas, e em qualquer grau, compromete igualmente o seu desempenho e suas relações, sejam elas sociais, familiares ou profissionais. “Portanto o mundo corporativo , bem como uma carreira profissional, não estão isentos ou imunes a esses infortúnios que, sim, interferem, mas são parte da realidade do mundo moderno, do homem moderno e não devem ser ignorados ou estigmatizados., Mas tão difícil quanto a precisão diagnóstica será sempre a de se encontrar o equilíbrio entre as partes envolvidas na gestão do problema, o que demanda empenho, tempo e interesses”, conclui o psicólogo.


Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More