Seis Lições de Empreendedorismo de Michael Jackson

Como poucos, o rei do pop soube fazer parcerias de sucesso, conseguiu trabalhar com relativa independência, soube identificar oportunidades e, quase sempre, calculou bem os riscos de suas empreitadas

Polêmico, mesmo quatro anos depois de sua morte, Michael Jackson ainda é um misto de herói e bandido, que desperta amores e ódios muito intensos. Ao mesmo tempo em que foi o centro de problemas sérios na Justiça e crises pessoais e familiares, é reconhecido como um dos maiores gênios da música pop mundial. E é justamente de sua carreira profissional que podemos tirar algumas lições que escapam ilesas às máculas sofridas por sua imagem.

Em um artigo publicado no Administradores.com pouco depois da morte de Jackson, o palestrante Fabiano Brum destacou alguns pontos relativos ao perfil empreendedor do rei do pop, que começou a cantar muito jovem, soube fazer parcerias de sucesso, conseguiu trabalhar com relativa independência, soube identificar oportunidades e, quase sempre, calculou bem os riscos de suas empreitadas.

Confira as lições destacadas por Brum:

1 – Não existe idade para empreender

Jackson começou a cantar e a dançar aos cinco anos de idade, iniciando-se na carreira profissional aos onze anos como vocalista dos Jackson 5. Em 1972, aos 13 anos, iniciou sua carreira solo, pois era evidente o seu talento e como havia se destacado em meio aos demais componentes do grupo.

2 – Parcerias de sucesso

Michael Jackson sempre foi reconhecido por fazer parcerias estratégicas que lhe renderam resultados espetaculares, como com o produtor Quincy Jones (uma espécie de mentor em sua carreira). “Off the Wall”, o primeiro trabalho que lançaram, atingiu vendagem acima de 20 milhões de discos. Michael tinha talento para construir boas parcerias, tendo trabalhado junto com artistas como Paul McCartney, Slash (guitarrista do Guns ‘n Roses), Eddie Van Halen, Lionel Ritchie, entre outros.

3 – Independência e autoconfiança

Graças ao sucesso em sua carreira solo, aos 13 anos o astro começou a se libertar das garras do pai que o humilhava publicamente. Em 1983, vingando-se contra anos de maus tratos e humilhação, Michael demite seu pai que ainda atuava como seu empresário. No especial para a TV sobre os 25 anos da Gravadora Motown, Jackson exigiu cantar uma de suas próprias músicas, diferentemente dos demais convidados, que relembraram antigos sucessos da gravadora. Ao som de Billie Jean, Michael chocou o público com o passo monnwalk, que se tornaria uma de suas marcas registradas.

4 – Busca de oportunidades e correr riscos calculados

Por várias vezes, Michael Jackson investiu dinheiro de seu próprio bolso para bancar suas ideias, já que algumas delas eram tão ousadas que assustavam sua gravadora. Em 1982, o disco Thriller chegou às lojas e pulverizou todos os parâmetros para medir um álbum bem sucedido. O LP chegou a vender 1 milhão de cópias por semana, rendendo-lhe 140 discos de ouro e platina. Das 9 faixas que compunham o disco, sete chegaram ao Top 10 da Billboard. Thrilller vendeu 106 milhões de cópias.

4 - Inovação

Michael Jackson tem mais vendagens do que Beatles e Elvis Plesley juntos. Há três semanas do Natal de 1983, foi lançado o vídeo de Thriller, o mais ambicioso projeto de Michael Jackson. Sofisticação, duração, equipe e orçamento dignos de cinema, o clipe se tornou instantaneamente a referência máxima do gênero e um dos pilares da cultura pop. O vídeo triplicou a venda do disco e ajudou a popularizar a MTV.

5 – Crie uma marca

Michael sabia muito bem como usar algumas ferramentas de marketing. Era especialmente notável sua capacidade de criar marcas. Como Elvis Presley já era “O Rei do Rock”, Jackson resolveu batizar-se de “O Rei do Pop”. Além disso, ele soube criar outras referências junto aos seus fãs, como o passo moonwalk, a luva branca em apenas uma das mãos, suas roupas, entre outras.

6 – Seja socialmente responsável, retribua

Michael Jackson fez contribuições para 39 casas de caridades, além de promover inúmeras outras ações sociais. Suas músicas podiam facilmente transpor barreiras nacionais, assim como de idade e sexo. Em 1985 ajudou a promover a mega campanha USA for África. A música-tema “We Are The World” (“Nós somos o mundo”), composta por Michael Jackson e Lionel Ritchie, reuniu 44 cantores da “nata” do pop americano. Estima-se que esta ação tenha gerado aproximadamente US$ 50 milhões. Em 2001, Michael Jackson ganhou do Guinness Book o título de artista que mais contribuiu com obras de caridade em toda a história.

As falhas

Em seu artigo, após ressaltas as lições, Fabiano Brum lembra que o cantor também cometeu seus deslizes e pagou caro por eles. “Michael Jackson também cometeu inúmeros erros do ponto de vista estratégico do empreendedorismo, e estes fatores causaram estragos em sua carreira, em suas finanças e arranhões em sua imagem”, afirma, ressaltando, no entanto, que tais erros não diminuem a validade dos bons exemplos.


Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More