Que Leis De Newton Que Nada! As Leis Que Regem A Logística São As Leis De Murphy...

Por Dionilson J. Pinheiro Filho



Quem nunca se deparou com veículo com problemas mecânicos justamente nos dias de maior volume, quando a disponibilidade e utilização de veículos tem que ser de 100%? Ou com problemas de sistema exatamente no momento da emissão da nota fiscal? Ou ainda com problemas no leitor óptico quando da separação e montagem de carga no armazém em dias de pico operacional? Várias seriam as situações que poderiam ser descritas, e, parece que de propósito, acontecem quando está tudo aparentemente tranquilo ou quase finalizado, na sexta à tarde ou dias de sábado.

Por essas e outras é que se afirma que as leis de Murphy estão presentes nas operações logísticas...sim, elas existem de verdade! Abaixo algumas mais frequêntes nas operações logísticas:

• Se alguma coisa pode dar errado, dará. E mais, dará errado da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano possível;

• Se você perceber que uma coisa pode dar errada de 4 maneiras e conseguir driblá-las, uma quinta surgirá do nada;

• Entre dois acontecimentos prováveis, sempre acontece um improvável;

• Entregas de caminhão que normalmente levam um dia levarão cinco quando você depender da entrega;

• Não é possível sanar um defeito antes das 17 e 30h da sexta-feira. O defeito será facilmente sanado as 08 e 01h da segunda-feira.

Além desses exemplos das leis de Murphy, outras parecidas podem ser identificadas no dia-a-dia de quem trabalha com logística: se durante uma operação logística você não receber nenhum comunicado de algum problema ocorrido, não se desespere... a operação ainda não acabou; ou ainda: no dia em que você precisar de maior número de carros para carregar, aqueles que estão todos os dias vazios em sua porta, neste dia, não estarão disponíveis. Essas situações levam até a algumas pessoas darem a logística uma definição bem objetiva: logística é problema. Mas será que este conceito está correto?

É sabido que os resultados das operações logísticas são muito vulneráveis, pois, durante a sua realização, sempre apresentam situações inesperadas que exigem ações ágeis e eficientes para contornar a situação e evitar que o resultado final seja prejudicado, e isso ocorre porque as operações logísticas são influenciadas por diversos fatores e por diversas áreas, já que na cadeia de suprimentos são várias as etapas existentes até que o produto seja consumido pelo cliente final, ou melhor, até que o cliente final fique satisfeito com o produto e serviço que adquiriu. Fazer com que o produto chegue ao local certo, no momento certo e a um custo competitivo com qualidade não é tarefa fácil.

Contudo, essa vulnerabilidade da logística frente a essas situações e às leis de Murphy pode ser reduzida. Existem processos logísticos já amplamente difundidos, bem como sistemas operacionais que favorecem maior segurança e estabilidade operacional, mas, além disso, faz-se necessário muito planejamento, uma execução eficaz e, principalmente, pessoas capacitadas e com conhecimento sistêmico de todo o processo para que o objetivo final seja alcançado.

O planejamento operacional é a primeira e mais crítica etapa para se conseguir bons resultados. Se o planejamento não for bem feito, a possibilidade de haver erros operacionais é muito maior e com conseqüências mais graves. Daí a necessidade de que os envolvidos tenham um pensamento sistêmico de todo o processo envolvido: não adianta pensar apenas no operacional, é necessário identificar todas as áreas envolvidas - fiscal, financeiro, contábil, TI, estoque, etc. - e os cuidados que devem ser tomados diante das variáveis de cada uma delas: condição de pagamento, disponibilidade em estoque, prazo de entrega, validade do produto, tributos, fornecedores, enfim, todos os fatores envolvidos. Só que, mesmo assim, as leis de Murphy não são completamente eliminadas.

Uma vez concluído o planejamento, chega a hora da realização. Uma execução disciplinada e eficiente obviamente depende de pessoas que sejam capazes de cumprir com o programado e, além disso, de tomar decisões e agir diante de situações controversas, já que as leis de Murphy não são totalmente inevitáveis.

Para essa execução, a preparação das pessoas deve ser algo constante. A atualização sobre novos processos, sobre sistemas de gestão e a disseminação de boas práticas são de grande importância para se conseguir profissionais cada vez mais capacitados e dinâmicos para atuação nas operações logísticas. Isso favorece a liderança de pessoas, direciona as ações para os resultados e proporciona uma motivação para a melhoria contínua.

Sendo dessa forma, a logística e suas operações só são problemas quando não trabalhadas corretamente, ficando aquele conceito mencionado acima totalmente negado. A logística é um processo que, quando corretamente direcionado e bem acompanhado, traz ganhos para toda a cadeia de suprimentos. Só é preciso estar preparado.



Dionilson J. Pinheiro Filho é administrador, Pós-Graduado em Logística Empresarial.

Fonte: Portal do Marekting

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More