Mostre para seus amigos

Conte para seus amigos sobre o Blog do Cabra, e curtam nossa página no Facebook!!!

Actio Consultoria e Treinamento

A ACTIO é uma consultoria empresarial que transforma grandes idéias em realidade e desenvolve projetos de acordo com as necessidades de seus clientes, traduzidos em inovação, desenvolvimento, e melhoria nos resultados da organização.

O Blog do Cabra recomenda

Ações de Motivação Dos Funcionários Necessitam de Equipe e Líder Maduros, continue lendo no Blog Administrando Você.

Destaque do Blog do Cabra

Muitos gostaram deste assunto, um assunto bastante procurado e mereceu destaque.

A disposição de todos

Nossos colunistas estão a disposição de todos para tirar dúvidas e sugestões, deseja ler sobre um assunto? Fale para nossos colunistas.

Os 10 Pensamentos Mais Tóxicos Para a Carreira

Confira modelos mentais prejudiciais e destrutivos à carreira de muitos profissionais, segundo três especialistas consultados

Por Camila Pati

Quando o resultado almejado na carreira não é atingido é que a gente para e pensa: há algo errado aí. Mas grande parte das pessoas fica apenas com a análise dos aspectos mais concretos: a promoção que não veio ou o fracasso como chefe, as oportunidades que nunca bateram a sua porta, a demissão inesperada. 

E, muitos não atentam para o fato de mecanismos de pensamento, modelos mentais, estarem por trás de seus fracassos de carreira.
“O modelo mental sustenta comportamentos ou pensamentos que, por sua vez, vão sustentar os resultados”, explica Renato Curi, sócio e consultor da Crescimentum, que é especialista em modelos mentais.

Alguns pensamentos que, em última instância, se reproduzem em comportamentos são verdadeiramente tóxicos para carreira e respondem por grande parcela do que está dando errado na vida profissional.

EXAME.com conversou com três especialistas para saber os pensamentos (que invariavelmente são traduzidos em ações) mais destrutivos para a carreira. Confira:

1 “Quem sou eu para mudar as coisas aqui nessa empresa?”

Com uma cultura e uma estrutura muito mais fortes, não há o que fazer para resolver os problemas. Assim, sob este pensamento, o profissional se apequena por acreditar, de antemão, estar de mãos atadas.

“O impacto deste modelo mental consiste em profecia autorrealizável. Quem a profere dá um jeito de atingir o resultado que já era a sua expectativa”, diz Curi.

Isso porque, o profissional fica na passividade, não arrisca, não coloca ideias, e, por fim, nunca consegue mudar nada muito menos resolver problemas da organização.

2 “O próximo passo só pode ser a cadeira de chefe”

Só tem sucesso na carreira profissional quem assume posição de liderança. Para Ernesto Haberkorn, sócio fundador da TOTVS e diretor da TI Educacional, este é um pensamentos mais destrutivos para quem não tem perfil de liderança.

“Com o objetivo de ganhar mais, a pessoa tenta ser chefe quando não tem vocação para isso. Acontece muito com vendedores”, diz Haberkorn.

O resultado é o fracasso na posição de chefia, que pede habilidades distintas daquelas que fizeram com que o profissional se destacasse.

“Por isso, nas nossas empresas adotamos a promoção em Y”, diz ele citando o sistema de promoção que permite duas opções de ascensão profissional – gestores e especialistas –, ambas com o mesmo grau de importância.

3 “Treinamentos são perda de tempo, eu já sei”

A relutância em participar de treinamentos pode estar ancorada em más experiências passadas. E assim o pensamento “já sei de tudo, é perda de tempo” se cristaliza. “A pessoa vai ficando desatualizada, não evolui e é substituída”, diz Haberkorn.

4 “Quando eu assumir a liderança, aí sim, ninguém me segura”

Hoje não é possível fazer nada, mas quando tiver poder, tudo vai ser diferente. “Quem pensa assim entende que é o contexto atual que não o deixa agir”, diz Curi.

Se fosse o dono, se fosse o chefe. Quando for o dono, quando for o chefe. “O impacto disso é que esse dia nunca chega”, diz Curi. 
Não chega porque a pessoa é passiva, “espera sentada” e assim não cria as oportunidades. “O ideal é agir como se já fosse, como se já estivesse na posição”, lembra o especialista.

5 “Não sou capaz”

Segundo Eliane Figueiredo, diretora presidente da Projeto RH o sentimento de menos valia, resultado da baixa autoestima atrapalha bastante. “A pessoa pensa não ser capaz e acha que as outras pessoas são melhores do que ela”, diz .

6 “Ninguém faz tão bem quanto eu”

Este tipo de pensamento é um dos que mais prejudica quem assume a posição de liderança. Postura centralizadora é seu principal impacto.

“Revisando cada vírgula, refazendo relatórios, o profissional vai passar a maior parte do tempo realizando tarefas dos subordinados com a falsa ideia de que o jeito dele de fazer é melhor”, explica Curi.

Fazendo isso, deixa de liderar, não tem tempo de treinar e formar pessoas. “Isso atrapalha a formação de sucessores”, diz Curi que atribui também a este tipo de comportamento o tão comentado apagão de talentos.

7 “Eu sou excelente, o que me falta é oportunidade”

Quando o ritmo de evolução profissional na empresa não acompanha os colegas de trabalho, o sentimento de vítima perturba. 
Sou ótimo, mas não tenho oportunidade, acreditam muitos profissionais estagnados. “A pessoa não acha que é valorizada e não vê sua responsabilidade dentro da situação”, diz Eliane Figueiredo, da Projeto RH.

A culpa é do outro e o profissional é menos protagonista e muita mais vítima dos rumos indesejados de sua própria carreira. “Não consegue perceber sua parcela de responsabilidade, não toma as rédeas da carreira”, diz Eliane.

“Seria melhor se acreditasse melhorar a cada dia e que é capaz de construir as próprias oportunidades”, sugere Curi.

8 "Eu não merecia, por que isso aconteceu comigo?!!!”

O problema surge e com ele o nervosismo paralisante. Ai meu Deus do céu, por que isso foi acontecer comigo? Eu não merecia!!
Está armado o cenário caótico. “A pessoa fica se lamentando e analisando o problema de tal forma que isso toma conta de todas as suas energias”, diz Eliane.

Sem ação por conta do desconforto emocional, a solução não vem. “No nervosismo a pessoa não enxerga o que está a sua frente”, diz a especialista. A dica é mudar de foco, do problema para a solução, de acordo com ela.

9 “Eu não posso errar”

O eterno pavor do erro. Entendê-lo como abominável deixa o profissional que falha completamente abalado.
“A pessoa não percebe o erro como oportunidade para aprender”, diz Eliane lembrando que muitas descobertas aconteceram a partir de algo que deu errado.

10 “Eu faço para ser reconhecido”

A motivação é externa: elogio, parabéns, reconhecimento. “Se o profissional faz algo esperando reconhecimento e ele não vem, fica frustrado”, diz Eliane.

Com a competitividade em alta nas organizações, cumprir a meta, por mais arrojada que ela seja, não passa de uma “obrigação”. Por isso a motivação deve ser interna. 


Fonte da imagem: Clique aqui

Dez Atitudes Ddiárias Sas Pessoas Extraordinárias

As pessoas que chamam a atenção pelo sucesso e pela admiração que causam provavelmente cultivam hábitos que podem transformar a vida de qualquer um para melhor

Por Ariane Abdallah

Há pessoas que aparentemente são mais inteligentes, criativas e dedicadas que a maioria.O que quer que façam, parece sempre dar certo. Muito certo. Mas por que isso acontece? O que faz com que se saiam melhor que os outros?

Não há respostas matemáticas para essas perguntas. Mas o jornalista Bill Murphy Jr. apresenta algumas ideias, em um artigo da revista Inc. Antes de entrar nas sugestões propriamente ditas, ele cita uma pista deixada pelo filósofo Aristóteles: “Nós somos o que fazemos repetidas vezes. Portanto, excelência não é um ato, mas um hábito”.

Para elaborar sua lista, o jornalista diz ter se baseado na observação dos comportamentos de executivos, artistas e “inovadores”, com quem encontra frequentemente por causa de seu trabalho. “Suas chaves para o sucesso não são complexas”, escreveu Murphy Jr. “Pelo contrário, é o efeito cumulativo de hábitos simples, praticados diariamente”.

Aqui vão algumas dicas inspiradas nas de Murphy Jr.

1. Defina – e confira – seus planos para o dia.

Você tem uma lista de coisas para fazer – no papel ou na cabeça. Se escrevê-las será mais fácil para visualizar e se organizar e conferir: será que o que está fazendo de fato é o que tinha se proposto a fazer? São as tarefas que contribuem com seus objetivos de vida de longo prazo?
Se seguir essa sugestão, você certamente vai se pegar fazendo coisas fora do script várias vezes ao dia. O importante nessa hora é não desistir de seus planos, em uma atitude efeito dominó: “Ah, já não fiz nada mesmo, então vou esquecer essa lista”.

Observe se as atividades não programadas são imprevistos, alinhados com seu propósito de longo prazo, se lhe trarão alguma satisfação que valha a pena ou se são meras distrações e perda de tempo, que não o levarão a lugar nenhum? Se esse for o caso, interrompa-as, quantas vezes for necessário. Assim, vai eliminando esse tipo de desvio – comum, porém nocivo – do seu dia a dia.

2. Peça ajuda.

Ninguém faz nada de bom sozinho. Pedir ajuda para cumprir uma tarefa não é sinal de fraqueza. É sinal de respeito ao conhecimento dos outros. As pessoas gostam de lembrar que o que sabem tem valor para os demais.

Mas é importante saber pedir ajuda. Faça isso educada e respeitosamente, escolhendo, inclusive, o momento mais oportuno para a pessoa. Tem gente que pede ajuda como se o outro fosse obrigado a ajudar. Lembre-se: você quer um favor. O interesse é seu. Então, se for ajudado, agradeça. Mesmo se a pessoa também sair ganhando com a interação, foque-se no seu benefício. O reconhecimento de que aquilo foi bom para o outro é problema dele.

3. Oriente alguém e seja orientado.

As pessoas extraordinárias, por um lado, se comprometem com um mentor. Por outro, oferecem orientação a outra pessoa. Isso não significa que a conversa em qualquer um dos casos tenha que ser profunda, o que, em alguns dias, cansa só de pensar.

Alguns minutos podem ser suficientes, por exemplo, para responder a alguém que procura entrar em sua área de trabalho e precisa de informações. Em outro momento, você pode ser breve ao pedir a um amigo com mais experiência esportiva lhe dar algumas dicas para aprimorar seu treino. Esse pode ser um hábito ligado ou não ao trabalho.

4. Dê uma pausa a si mesmo.

Por mais extraordinárias que sejam, as pessoas são apenas pessoas – e não super-heróis. Portanto, o sucesso profissional deve acontecer no período de trabalho, e não 24 horas por dia, sete dias por semana. Claro que quanto mais produtivo você for, melhor. Mas produtividade é realizar o maior número de tarefas no menor tempo possível (e com qualidade). Trabalhar sem intervalos para descansar ou pensar em outro assunto pode ser justamente sinal de improdutividade.

5. Agradeça e elogie.

Às vezes você tem crises de autoconfiança. O resto do mundo também tem. Por isso, estar sempre pronto a fazer elogios – sinceros – e expressar gratidão ajuda não só você a se sentir melhor e mais leve, mas o outro, que, quem sabe, está precisando ouvir uma palavra de agrado naquele momento. Há pessoas que não se esquecem nunca mais de outra por episódios assim.

6. Pratique exercício físico.

Não precisa virar rato de academia nem maratonista. Basta 20 ou 30 minutos de atividade física diária. Os efeitos costumam se estender além da disposição física. Praticar esportes ajuda a manter o bom humor, o foco e exercita a disciplina.

7. Desista de algumas ideias.

Ter ideias é fácil. Difícil é realizá-las. Dito isso, elimine 99 de 100 grandes ideias que lhe vierem à cabeça. Assim, você poderá se concentrar no que realmente funciona. A única maneira de fazer isso é estar disposto a desistir de coisas que você tentou, mas não estão gerando resultado. Não se preocupe com o quanto já investiu e perdeu. Isso é passado.

8. Confira os detalhes.

Pessoas extraordinárias aprendem a delegar de forma eficaz. Isso pode ser assustador em um primeiro momento, pois requer confiança. É impossível verificar se tudo o que passou para os outros está andando corretamente.

Você pode, entretanto, conferir um ou outro detalhe do processo. Esse hábito faz com que as pessoas saibam que você poderá verificar qualquer parte do trabalho, a qualquer momento. E, com isso, a tendência é que, se não estiverem sendo cuidadosas, passarão a ser.

9. Aprenda a rir – especialmente de si mesmo.

A comédia é o outro lado da tragédia. Apesar de toda a intensidade com que as pessoas extraordinárias perseguem seus objetivos, elas mantêm uma visão do todo, com certo distanciamento, o que as faz reconhecer que a vida bem conduzida é cheia de humor. Assim, as piadas mais importantes que você pode contar são sobre si mesmo – e os temas devem incluir seus fracassos. Como disse H.G. Wells (o escritor de Guerra dos Mundos): “A crise de hoje é a piada de amanhã”.

10. Compartilhe algo grande.

Compartilhe as coisas boas. Muita gente faz fofoca, reclama ou discorre sobre temas negativos com facilidade, mas o que conquista ou descobre de positivo guarda para si, com medo de perder o que conseguiu. Pessoas extraordinárias, ao contrário, sempre têm algo construtivo para dizer aos outros. Pode ser uma piada, uma história ou boas notícias. Para ter o melhor dos outros, é preciso oferecer o seu em troca.


Fonte da imagem: Clique aqui

Os 3 Tipos de Pessoas Mais Importantes Que Você Não Deve Deixar de Manter Contato

Não pare em contatos óbvios: pensar amplamente para expandir sua rede é indispensável

Empregos podem ser imprevisíveis. Você nunca sabe quando precisará de conexões a mais. Por isso, permanecer em contato com variedade de pessoas é mais importante do que você imagina.

No entanto, um bom networking depende mais da qualidade do que da quantidade das pessoas com as quais você se relaciona. Mas como definir quem é prioridade? Veja a seguir três pessoas que você não pode deixar passar:

Alguém que fez você fazer o seu melhor

Seja um treinador, um professor, ou um supervisor, alguém em seu passado te empurrou para que você fizesse seu melhor. Pense nisso: essa pessoa viu que você tinha ainda mais potencial. E quando se trata de futuras oportunidades de carreira? É alguém que você quer ter do seu lado
Fale com essa pessoa sobre suas últimas realizações, agradeça-lhe por todo o apoio ao longo dos anos e, em seguida, peça algum conselho sobre como você pode continuar a crescer.

Alguém que dá bons conselhos

A chave é perceber que há uma diferença entre alguém que lhe dá uma boa referência e alguém que se oferece para lhe dizer boas palavras. Este último é o tipo de pessoa que vai debater com você quando se está na necessidade de contatos.

Sempre que você encontrar-se em fase de transição, essa pessoa deve ser uma de suas primeiras chamadas. Diga-lhe o que você está esperando em fazer e, em seguida, pergunte se ele ou ela tem contatos ou conselhos.

O melhor assistente

Você provavelmente já ouviu falar que não deve ter apenas pessoas em posições mais altas do que você em sua rede. Mas é pouco provável que alguém que trabalhou para você chegue até você, a menos que ele ou ela precise de uma referência. Assim, você deve tomar a liderança na conexão com o seu ex-funcionário.

Ao pensar com quem você deve se reconectar, não tente apenas ter contato com ex-patrões. Pense amplamente sobre contatos do passado para expandir sua rede.


Fonte: Forbes Brasil 
Fonte da imagem: Clique aqui

5 Fatores Para Repensar Sobre o Descanso em Sua Rotina

Anda se esforçando ao máximo? Confira os 5 fatores para repensar sobre o descanso em sua rotina de trabalho e tenha uma saúde e desempenho melhor 

Trabalhar por horas e exigir o máximo de si podem causar uma boa impressão. Mas o descanso antes, depois e durante o horário de trabalho melhora – e muito - na produtividade e desempenho de saúde dos trabalhadores. Esse descanso pode acontecer em casa, no trabalho - com um maior tempo de intervalo - e até mesmo com as férias.

Abaixo, confira 5 fatores para repensar sobre o descanso em sua rotina:

1. Produtividade

Um dos principais fatores para não perder a produtividade é o sono. Quanto mais trabalho e menos hora de descanso, maior é a chance de queda no desempenho no trabalho.

2. Foco

Um estudo realizado pela pesquisadora de Stanford Cheri Mah descobriu que os jogadores de basquete ao dormirem 10 horas por dia melhoraram a sua apontaria e reflexos. Ou seja, quando o descanso é melhor, você fica mais focado.

3. Social

A interação entre os funcionários também auxilia na produção e desempenho. Com isso, ajuda a alcançar os objetivos propostos.

4. Conciliação

Com a necessidade de conciliar as obrigações e relacionamento. Seria interessante promover a renovação de energia em seu escritório. Isso pode acontecer através de um espaço onde os trabalhadores podem se desconectar por um breve momento do trabalho.

5. Regra dos 90 Minutos

Os seres humanos não foram feitos para gastar energia de forma contínua, mas sim intercalar o descanso entre os períodos de trabalho. A regra dos 90 minutos seria uma pausa breve a cada 90 minutos ao invés de tomar um café para se manter no trabalho.


Fonte da imagem: Clique aqui

5 Coisas Que Pessoas Carismáticas Fazem


Exalar alegria é o primeiro passo para desenvolver a característica

Por Redação

Carisma se sente no ar. Não se trata apenas de alguém agradável. Pessoas carismáticas chamam atenção. Eles energizam os outros e os motivam a tomar iniciativa. Será que essas pessoas nascem assim ou aprendem a desenvolver a característica? Uma mistura dos dois, provavelmente.

O carisma pode ser desenvolvido e se esta é sua aspiração, o site da Inc. listou cinco dicas para começar.

1. Pessoas carismáticas exalam alegria

A primeira coisa a ser notada em alguém carismático é o brilho no olhar. Elas sentem uma forte paixão que as movem. Mesmo quando bravas, elas convencem os outros de suas causas. Elas sentem prazer pelo que fazem e compartilham experiências. Aumente seu carisma ao compartilhar paixões e ao ajudar colegas.

2. Pessoas carismáticas inspiram confiança

Elas parecem ter o mundo sob controle. Elas parecem ser seguras, mesmo quando não são de fato. Pessoas carismáticas acreditam em suas habilidades, em seus conhecimentos e em seus valores. A linha tênue entre narcisismo e confiança também é clara. Invista no carisma ao controlar inseguranças e enaltecer qualidades. Compartilhe sua confiança com os outros para que eles se sintam mais fortes com sua presença.

3. Pessoas carismáticas compartilham suas convicções

Elas se destacam melhor quando estão à frente de um movimento. É importante acreditar em algo poderoso e disseminar essa crença. Convicções e ações consistentes influenciam opiniões e decisões. Apatia e indiferença podem acabar com o carisma. Seja comprometido e inspire pessoas a lutarem por suas causas.

4. Pessoas carismáticas são ótimas contadoras de histórias

Para seguir alguém, é preciso conhecer o contexto da situação e qual é a verdadeira motivação por trás de uma determinada ação. Contar histórias é a forma mais eficiente para quebrar o gelo e despertar emoções. Pessoas com carisma têm o dom da narração e são agradáveis de ouvir. Elas são intrigantes e envolvem seus ouvintes. Aprenda a contar histórias emocionantes, use metáforas e pratique o bom humor para entreter ao informar.

5. Pessoas carismáticas transmitem empatia

Quando Bill Clinton faz um discurso, por mais que a mensagem seja para milhares de pessoas, a sensação é que ele está falando exclusivamente com você. Este é um talento de carismáticos. É preciso focar olhos, ouvidos e alma no próximo, e não em si mesmo. Pessoas com carisma provocam risadas, fazem outros se sentirem especiais, fascinantes e interessantes.


Fonte da imagem: Clique aqui

10 Passos Para se Tornar um Profissional Resiliente

Autor: Caio Lauer

Bastante valorizada nas organizações dos Estados Unidos e da Europa, a resiliência vem ganhando força no mercado brasileiro, e é cada vez mais importante para o desenvolvimento e manutenção dos profissionais no meio corporativo.

São nos momentos de complexidade e mudança das empresas que esta competência deve vir à tona – a pessoa resiliente é aquela que transforma cenários nos períodos de adversidades, que sempre inova e tem um propósito maior na carreira.

Para entender melhor de que maneira a resiliência deve ser desenvolvida, o Carreira & Sucesso elegeu 10 atitudes que devem ser praticadas no dia a dia:


1. Protagonize situações

Ao invés de se se perguntar “Por que isso foi acontecer comigo?”, experimente uma nova posição: Como eu me coloquei nesta situação? O que posso aprender ou utilizar de recurso para superá-la?

Protagonizar é incluir-se na situação como um co-responsável, encontrando formas de ir em frente.

2. Visualize o futuro próximo

Antecipe tendências e acontecimentos. Imaginação e intuição orientada são ótimos atributos para fazer frente às constantes transformações de cenário e do mercado.

3. Crie um significado para a sua realidade

Esperança não é a expectativa de que algo dê certo. Esperança é a expectativa de que algo faça sentido. Dê um sentido para sua realidade.

4. Procure conhecer a verdadeira dimensão dos problemas

Procure por informações objetivas e específicas, e evite a comunicação informal, o “boato”, que, via de regra, só alimenta a tensão e o desespero.

5. Separe quem você é do que você faz

O fato de cometer um erro não faz de você um incompetente ou fracassado pelo resto da vida. Ao mesmo tempo, não se considere “o cara” porque solucionou uma tarefa complexa. Nós não somos competentes, estamos competentes. Humildade e atenção são atributos realmente importantes em cenários de complexidade e mudança.

6. Procure desenvolver relacionamentos significativos

Mantenha relação com pessoas com quem você possa conversar e discutir sobre suas questões, sem julgamento, interpretação ou moralidade.

7. Aprenda a enxergar soluções

Utilize o tempo que se gasta em justificativas, esquivas de culpa, reclamação e burocracia, para aprender o novo e orientar-se a solucionar questões.

8. Reconheça seus sentimentos e necessidades de seu corpo

Permita-se chorar, sentir dor, dormir, descansar, recuperar-se e retornar ao seu estado de excelência.

9. Tenha como parceiras constantes a criatividade e a inovação

As mantenha no pensamento, nos sentimentos e nas ações. Os maiores conflitos são causados por ideias ou ações rígidas, inflexíveis.

10. Cultive e valorize seu poder de escolha.

O Resiliente em essência é aquele que luta pelo direito de decidir escolher como vai interpretar as situações da vida, assim como escolher o que vai fazer a respeito.


Fonte da imagem: Clique aqui

Ser Ansioso Pode Ter Suas Vantagens

Autor: Caio Lauer

Considerada o mal do século 21, a ansiedade também está bastante presente no ambiente corporativo. De acordo com uma pesquisa feita no ano passado pela Omint, empresa operadora de saúde que avaliou as condições de saúde de 18 mil executivos, a ansiedade aparece entre as 4 doenças que mais os afetam.

No entanto, existem formas de usar a ansiedade de maneira positiva? Especialistas apostam que o mínimo de ansiedade, se bem trabalhada, pode ser benéfico para diversas questões no dia a dia de trabalho, como foco, coordenação de multitarefas e cumprimento de prazos.

“O profissional com essa característica tem busca intensa por metas e deseja resultados rápidos, então acaba se mexendo para tal”, opina Marcela Buttazzi, diretora da MB Coaching.

Para Marcela, essa pitada de imediatismo faz bem: “A ansiedade na medida certa denota paixão e vontade de vencer”.

Como dosar a ansiedade

No ambiente de trabalho, a pessoa ansiosa, muitas vezes, é vista como alguém imediatista e pouco detalhista. Por querer resolver as tarefas com rapidez, pode não se aprofundar em determinados processos e detalhes, o que denota querer sempre ir pelo caminho mais rápido no cumprimento das atividades.

“O ansioso, na verdade, quer fazer o melhor possível, no menor tempo. Isso pode gerar resultados espetaculares”, pondera Valdizar Andrade, mestre em comportamento organizacional.

Profissionais com traços de ansiedade por cumprimento das atividades são muito focados. De acordo com Andrade, este excesso faz com que o resultado seja produtivo no campo das metas, mas o lado das relações sociais acaba sendo esquecido.

“Ansiosos podem ser taxados como workaholics porque não conseguem descontrair com os colegas no dia a dia. O relacionamento é muito importante nos dias de hoje, e cabe ao profissional saber dosar este lado também”, enfatiza Marcela Butazzi.

É fundamental ressaltar que a ansiedade em demasia não faz bem, tanto para o indivíduo, como para os colegas de empresa. Porém, quem é ansioso, mas consegue controlar o seu lado emocional e manter-se equilibrado nas tarefas do dia a dia no ambiente de trabalho, carrega muitas características benéficas para as organizações e à própria carreira.


Fonte da imagem: Clique aqui

A Copa Está Chegando, e o Varejo?


Por Alberto Serrentino

A proximidade da Copa do Mundo acirra apostas e movimenta expectativas em relação ao seu real impacto para consumo e varejo. A despeito de atrasos, entregas limitadas e não cumprimento de promessas e expectativas de legado relacionado a melhoria de infraestrutura, o evento terá dimensão significativa e visibilidade, além de modificar a rotina do País em 2014.

Os anos de Copa do Mundo geram impacto para o varejo, com diferenças setoriais. Porém, não há referência histórica comparável para se projetar os efeitos de um evento realizado no Brasil. Os segmentos de varejo naturalmente beneficiados são os de alimentos e bebidas, food service, artigos esportivos e eletrônicos. Há diversos fatores a serem ponderados para a construção de cenários de vendas e planejamento de ações:

Aspectos positivos – fluxo de turismo interno e internacional, clima de celebração, mobilização da mídia, ações massivas de comunicação e promoções, demanda direta por produtos relacionados ao evento.

Aspectos negativos – perda de dias úteis de vendas, que dependendo do desempenho da seleção Brasileira e da cidade sede, podem significar 6 dias a menos em um período de um mês; aumento nos congestionamentos, que podem inibir deslocamentos para centros de compras; alteração de rotinas, levando o foco e atenção das pessoas para o evento e deixando consumo discricionário em segundo plano.

Incertezas – o desempenho do Brasil, caso seja positivo e chegue ao título, poderá contaminar positivamente consumidores e gerar estado de momentânea euforia que estimule consumo por impulso; de outro lado, um eventual desempenho ruim poderá ter o efeito contrário; efetiva disposição por parte de turistas estrangeiros em consumir categorias não ligadas diretamente ao evento; possíveis manifestações; impactos regionais e entre cidades sede e demais municípios.

O que se nota entre as empresas de varejo no Brasil é um clima de moderado otimismo, sem apostas muito ousadas. A exceção vale para as categorias mais diretamente relacionadas e impactadas pelo evento. Os maiores benefícios potenciais estão associados a maiores riscos e as empresas de varejo terão que finalizar suas apostas e preparar-se para cenários distintos.

Este é o momento de tomada de decisão em ambiente de incerteza, com grau limitado de informação e pouca margem de manobra. Para quem operou varejo em ambiente de inflação crônica e fortes oscilações como nas décadas de 80 e 90, não será uma grande novidade.


Fonte da imagem: Clique aqui

12 Ferramentas Para Facilitar a Vida dos Empreendedores

Veja as recomendações de especialistas com dicas de sistemas online e ferramentas para melhorar a gestão do negócio

Por Camila Lam

Fazer uma gestão bem feita de um negócio demanda tempo e dedicação por parte do empreendedor. Hoje, já existem soluções gratuitas e online para tornar a vida dos empresários mais fácil.

Com a ajuda de Pablo Ribeiro, gestor do programa Startup Network da Endeavor, Fabiano Nagamatsu, consultor do Sebrae-SP, e Cynthia Serva, coordenadora do Centro de Empreendedorismo e Inovação (CEMPI) do Insper, EXAME.com listou 12 ferramentas que podem auxiliar o pequeno empresário na gestão do seu negócio.

1. Runrun.it
O Runrun.it permite que o empreendedor gerencie as tarefas da equipe. Ribeiro afirma que a plataforma possibilita um gerenciamento respeitando as relações hierárquicas da empresa. O plano grátis pode ser usado por até cinco usuários e o upgrade custa a partir de 40 reais ao mês, com treinamento online, 20 Gb de armazenamento e suporte por e-mail.

2. RD Station
O RD Station é um software de automação de marketing digital. “É uma ferramenta para gerenciar conteúdos e ganhar tráfego para o seu site. Foi adaptada para o perfil de empresas do Brasil e ajuda empreendedores na geração de leads comerciais”, explica Ribeiro. O pacote de recursos básicos custa 189 reais ao mês.

3. Wix
O Wix é uma plataforma online para a criação de páginas na internet. “O processo de criação resume-se quase à escolha do design do site e colocação dos conteúdos. Os templates disponíveis são diversificados e atraentes”, afirma Cynthia. O usuário pode também criar a sua loja online. É possível escolher entre o plano grátis ou premium, que custa a partir de 27 reais. 

4. Plano de Negócios
O software Plano de Negócios do Sebrae-SP é indicado tanto para pessoas que têm uma ideia de negócio, mas não sabem se ela é viável, quanto para empresários que desejam expandir os negócios. Para Nagamatsu, o plano de negócios de uma empresa tem que ser revisto de tempos em tempos. O download é gratuito e pode ser feito no site da instituição.

5. Agendor
O Agendor é um sistema online que ajuda no controle comercial de equipes de vendas. Histórico de clientes, comunicação entre a equipe e geração de relatórios são algumas funcionalidades da ferramenta. Ribeiro recomenda que a ferramenta seja usada junto com o RD Station. Há o plano gratuito que pode ser utilizado por tempo ilimitado com limite máximo de dois usuários e 150 vendas. 

6. ZeroPaper e ContaAzul
“É essencial que o empreendedor tenha conhecimento dos gastos e ganhos da empresa. A gestão financeira é uma das maiores dificuldades para os iniciantes”, afirma Cynthia. Tanto o ZeroPaper quanto o ContaAzul auxiliam na gestão financeira online com funcionalidades como fluxo de caixa, relatórios, controle de contas bancárias, entre outros. No caso do ZeroPaper, a ferramenta é gratuita e há opção do pacote de serviços premium. O ContaAzul tem planos a partir de 29 reais ao mês.

7. Sebrae Canvas
A ferramenta Sebrae Canvas é voltada para empreendedores donos de startups que desejam modelar a sua ideia de negócio através do modelo canvas. “É recomendável para analisar a viabilidade do negócio e para fazer alterações mais rápidas, característica de uma startup”, conta Nagamatsu. O download gratuito pode ser feito em dispositivos com sistema iOS.

8. Hootsuite
O Hootsuite é ideal para quem deseja cuidar de várias redes sociais ao mesmo tempo. “Uma ótima ferramenta para monitorar as redes sociais e gerenciar as páginas na web”, afirma Ribeiro. O plano básico é gratuito e o avançado custa a partir de US$ 8,99 ao mês. 

9. MindMeister
O software MindMeister é indicado para empreendedores que não sabem como organizar informações. “É uma aplicação na nuvem que pode ser usada no browser, tablet e mobile para construir mapas mentais. Ótimo para escopar projetos e fazer listas, por exemplo”, explica Ribeiro, gestor do programa Startup Network da Endeavor. Existe um plano para uso pessoal da ferramenta que custa US$ 5,99 ao mês. 

10. Conecte Seu Negócio
O programa Conecte Seu Negócio é resultado da parceria do Google, da Yola e do Sebrae. A ferramenta permite que o micro ou pequeno empresário construa o seu site de maneira gratuita e rápida. “É só fazer o cadastro e tem vários templates para que o próprio empreendedor monte sua página”, explica Nagamatsu. http://www.conecteseunegocio.com.br/ 

11. Google Analytics
O Google Analytics é ideal para quem deseja acompanhar a efetividade do site do seu negócio. “O empreendedor poderá acompanhar detalhes sobre a visitação e estatísticas do seu site, além de tornar possível a verificação de variáveis interessantes, como a quantidade de visitas por dia”, explica Cynthia. O cadastro é gratuito.

12. Pagar.me
O Pagar.me é uma ferramenta para quem deseja receber pagamentos online. Para Ribeiro, é uma solução indicada para quem está começando o negócio. A empresa cobra por venda realizada e não há uma taxa mensal. 



Fonte da imagem: Clique aqui

Série SEU NEGÓCIO - Os Perigos em Improvisar o Marketing do Seu Negócio

Paula Calil, especialista em marketing, afirma que mesmo uma pequena empresa deveria investir em um planejamento de marketing

Editado por Camila Lam (Escrito por Paula Calil, especialista em marketing)

Improvisar o marketing da própria empresa desenvolvendo ações às pressas, sem qualquer preparação prévia ou planejamento é se submeter a um risco totalmente desnecessário. E, esse fato não é raro, especialmente por que marketing é uma área do conhecimento com um estigma imposto, pelo senso comum, de ser supérfluo e com implementação cara para o empresário, não importando o porte.

Ainda, como parte desse estigma, o marketing é confundido com a propaganda. Dada essa confusão muitos empreendedores acabam realizando somente ações de comunicação (propaganda) acreditando que estão promovendo ações de marketing.

Pensar em marketing estrategicamente significa conhecer: quem irá consumir meu produto e como ele compra? Quais são meus concorrentes? O que diferencia meu produto da oferta dos concorrentes? Qual a estratégia de distribuição que irei adotar? Entre tantas outras questões relacionadas direta ou indiretamente ao consumo, marca, distribuição e comunicação que balizarão as ações de marketing da empresa.

Sem essa pesquisa em profundidade e sem um plano de marketing, as ações ficarão soltas e sem consistência, pois não há definida previamente uma estratégia de marketing que irá sustentá-las.

Para não ficar no abstrato, é comum encontrar empresas que lançam um produto, sem conhecer claramente seu consumidor, desconhecendo se este irá aprová-lo ou não. De início é possível concluir que na lista de prioridades, o quesito "conheça seu consumidor" não ocupa os primeiros lugares. Em segundo, pode-se supor que o empresário responsável estava tão encantado com o próprio produto, que desconsiderou aproveitar, a seu favor, a opinião de seu consumidor, que afinal de contas é o grande responsável pelo seu sucesso.

Concluindo, qualquer empreendimento vale o investimento em marketing, principalmente para alçá-lo ao seu real posto, vital ao sucesso de toda empresa.


Fonte da imagem: Clique aqui

Formando Equipes de Alta Performance

O empreendedor deve focar na formação de equipes que prestam atenção à sua própria forma de operar.

Por Sandra Betti 

Antes de mais nada, o que são equipes de alta performance? São grupos que evoluíram muito.

Um grupo transforma-se em equipe quando passa a prestar atenção à sua própria forma de operar e procura resolver os problemas que afetam o seu funcionamento. Em outras palavras, consegue incorporar à sua dinâmica as habilidades de diagnóstico e resolução de conflitos.

E uma equipe de alta performance é aquela que demonstra elevada competência e destacado grau de comprometimento. São pessoas realmente alinhadas, que tem em comum valores, visão, objetivos e engajamento. E ao mesmo tempo tem riqueza, diversidade e multiplicidade de conhecimentos, skills, bagagens, opiniões e ideias.

Um exemplo disto, que pode ser visto na TV e a cores, é o programa Extreme Makeover Home Edition. É uma verdadeira aula de como se obter uma equipe de alta performance...

O segredo para se conseguir esta mágica é relativamente simples: basta ter lideranças que ajam como ótimos coaches e mentores. Coaches quando focam a melhoria contínua de performance e mentores quando estimulam o autodesenvolvimento e o aprendizado contínuo dos liderados.

A fórmula geral é: montar o time certo (a escalação é o primeiríssimo passo) e aprender a tirar o melhor de cada um.

Como? Reconhecendo e reforçando os comportamentos certos (resultados expressivos, avanços no desempenho e demonstração de um comprometimento superior), mostrando para cada membro do time que você realmente se importa com ele (as pessoas precisam se sentir ouvidas, respeitadas e levadas a sério) e “levantando a régua” continuamente (dando espaços, desafios e oportunidades para que seu time busque continuamente a auto-superação).

E o programa Super Nanny, com a Jô Frost, é uma excelente aula de como fazer coaching e obter mudanças de comportamentos.

Em resumo, nosso trabalho como líderes no time é passar nossa visão, manter o olho no placar, buscar resultados, fazer coaching, dar feedbacks construtivos, manter um clima de aprendizagem coletiva e de cooperação interna. 


Fonte da imagem: Clique aqui

4 Dicas Para se Aposentar e Continuar Ganhando Dinheiro

Saiba quando e onde investir

Por Michelle Ferreira 

Como você se imagina na velhice? Na praia descansando ou contando dinheiro no final do mês? A maioria dos brasileiros não se preocupa com as finanças pessoais da terceira idade com antecedência. Uma pesquisa do instituto Ipsos Mori, realizada com 12 países, revelou que apenas 7% dos entrevistados reservam algum dinheiro para quando se aposentarem e 76% acreditam que a família estará lá para financiar os cuidados deles. O problema é que nem sempre é possível contar com esta opção.

Por mais que você não queira pensar nisso, a terceira idade chegará e não será curta. A expectativa de vida do brasileiro atingiu, em 2012, 74,6 anos segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o número deverá crescer ainda mais. “Antes, as pessoas se aposentavam no final da vida. Hoje, vivem mais 30 anos. A velhice é longa e muito cara. A velhice será a maior compra da sua vida”, afirma o planejador financeiro, Augusto Sabóia.

Para não passar aperto, o melhor a fazer é se organizar e planejar para a aposentadoria com antecedência. Quer saber como fazer isso? Confira as dicas abaixo

Comece logo
Talvez você se sinta muito jovem para pensar na aposentadoria ou talvez já esteja mais velho e preocupado por não ter reservado parte do seu salário para a terceira idade. O fato é que, segundo economistas, para ter uma velhice tranquila, digamos rica, começar a poupar o quanto antes é fundamental. “O principal ativo da previdência é o tempo. Tempo é ouro. Comece o mais cedo que você puder”, afirma Sabóia. Quando mais cedo começar, menos você precisará reservar por mês. Quem passou dos 50 anos e nunca guardou nada, precisa correr. Os especialistas aconselham que essas pessoas reservem todo o dinheiro do décimo-terceiro e das férias somente para a aposentadoria.

Pratique o consumo consciente
Se você quer guardar dinheiro para a sua velhice, precisa praticar o consumo consciente. Evite gastar muito com objetos desnecessários. Para conseguir poupar, é fundamental que os seus gastos sejam controlados. Comece pelo básico: faça um orçamento, ou seja, anote todos os ganhos e gastos para ver o quanto é possível fazer sobrar no final do mês. “Depende do momento de vida de cada um, mas, em geral, o número ideal para que cada pessoa economize é de até 30% do salário”, afirmou Samy Dana, professor da FGV e especialista em finanças. O valor deve ser menor para quem estiver no início da carreira ou tiver um salário inferior a R$ 2 mil. “Não adianta fazer previdência e ficar devendo no cheque especial”, afirma Dana.

Invista o dinheiro poupado
Para guardar o dinheiro poupado e fazê-lo render é preciso investir a quantia reservada. Para Samy Dana, colocar o dinheiro na previdência privada só é um bom negócio quando a empresa também contribuir ou negociar planos conjuntos com o funcionário. “Para clientes do varejo, as taxas cobradas não justificam os ganhos fiscais”, afirma o professor. Para ele, a melhor alternativa é investir no Tesouro Direto, em CDBs de grandes bancos ou em LCA e LCI, que não possuem imposto de renda.

Para Augusto Sabóia, o melhor método para conseguir guardar dinheiro para a aposentadoria é ter três tipos de investimentos. “Tem que fazer uma poupança de longo, uma de médio e uma de curto prazo: para a de curto prazo, você guarda dinheiro para as férias de julho e para trocar de celular, por exemplo. Para a de médio prazo, você guarda dinheiro para trocar de carro ou fazer um intercâmbio no exterior. E a de longo prazo, você usa para fazer uma previdência”, afirmou Sabóia.

Não use as economias para outros fins
Segundo os economistas, o maior adversário do dinheiro poupado para a velhice é você. “Se um dia você precisar trocar o carro, vai querer usar aquele dinheiro. Não mexa nele. Aquele dinheiro não é seu, não mexa no dinheiro do velhinho que um dia você irá se tornar. Não é legal mexer no dinheiro de velhinhos”, afirma Sabóia.

De acordo com Dana, é preciso criar mecanismos para que o dinheiro não seja retirado. Não ter o cartão da conta é um deles.


Fonte da imagem: Clique aqui

8 Ferramentas Online Que Ajudam a se Concentrar no Trabalho

O segredo do seu foco está mais próximo do seu alcance do que você possa imagina

Por Daniela Carasco

Conversas paralelas, telefones tocando sem parar, alertas incessantes no Facebook e dezenas de novos tweets subindo de hora em hora na timeline.

É praticamente impossível manter a concentração no trabalho com tudo isso rolando.

Mas o segredo do seu foco está mais próximo do seu alcance do que você possa imagina. Existem diversas ferramentas online que foram criadas exatamente para isso.

Selecionamos oito opções que podem fazer a diferença no seu dia a dia...

1. Your meditation timer

Esta ferramenta permite programar intervalos de meditação anunciados por toques de sinos tibetanos, ondas sonoras... Os alertas podem te ajudar a sair do mundo paralelo da distração e a recuperar o foco. Além disso, ela funciona como aliada naqueles momentos difíceis pós-reunião. Programe nem que seja um minutinho de meditação e tente relaxar!

2. SmartBreak

Sabe aqueles momentos em que você se encontra apertando ALT + TAB sem parar na esperança de saber por onde começar? É aí que entra o SmartBreak! Ele possibilita a programação de um intervalo de descanso, embalado por uma música de seu arquivo e até apaga parcialmente o monitor para que você recupere o foco – e as forças – para voltar a trabalhar. A versão para MAC é o Timeout.

3. StayFocused

Este app do Google Chrome ajuda a restringir com bloqueios temporários o tempo gasto em sites que tomam muito a sua atenção. Ele é tão útil que se você for tentar dar uma escapadinha para alguma página que está com acesso restrito vai dar de cara com a seguinte mensagem: “Você não deveria estar trabalhando?”.

4. Anti-social

O próprio nome já explica a funcionalidade desta ferramenta. Ela bloqueia os sites que fazem você perder tempo durante os minutos que precisar. Vai te fazer trabalhar com certeza! Ela permite até que sejam feitas programações semanais de bloqueio. Mas para usá-la é preciso pagar 15 dólares por 60 dias de uso.

5. Now Do This

O Now Do This funciona como uma lista online para que você registre todas as tarefas que precisa cumprir ao longo do dia. A maneira que cada uma for concluída, confirme e siga para a próxima que aparecer na tela. Só considere abrir uma aba de entretenimento quando tiver finalizado tudo!

6. OMMWRITER

Para quem trabalha produzindo texto, o OMMWRITER é fantástico. Ele preenche todo o monitor com um background suave, disponibiliza músicas instrumentais relaxantes e deixa toda a sua atenção voltada para o que está sendo escrito. Terminado o trabalho é só fazer um download do documento e pronto!

7. Noisli

Já o Noisli é perfeito para quem não se concentra em meio às conversas do escritório e também não consegue produzir ouvindo música. Ele disponibiliza sons da natureza superagradáveis – vento, chuva, folhas caindo, onda do mar –, que inclusive ajudam a relaxar. E assim como o OMMWRITER, também possui uma página para a produção de texto sem qualquer interferência.

8. Focus ME

Com esta ferramenta, a ideia é liberar apenas as páginas que você realmente precisa para trabalhar em qualquer navegador. O restante fica todo bloqueado. E se são algumas horas específicas do dia que te atrapalham, ele permite que os sites sejam bloqueados somente durante elas.

Além disso, é possível também programar sessões de quebras de atenção. Afinal, você não precisa ficar o dia todo alheio ao que rola nas redes e aqui no Brasil Post, certo?


Fonte da imagem: Clique aqui

64% Dos Funcionários Estão Insatisfeitos Com o Trabalho

Uma pesquisa da MSW Research mostra que falta de treinamento desmotiva equipe

Por Redação

Uma pesquisa feita pela MSW Research para a empresa multinacional de treinamento Dale Carnegie Training constatou que 64% dos funcionários de pequenas e médias empresas do mundo todo estão parcialmente ou totalmente desmotivados.

Nas grandes empresas o número é ainda maior: 71%. Realizada entre outubro de 2013 e janeiro de 2014, o estudo aponta alternativas para reverter a situação.

É importante que o gestor ou dono de uma pequena e média empresa mostre aos funcionários a importância de seus trabalhos na produtividade. Tomadas de decisão e independência devem ser estimuladas no ambiente profissional. 

O engajamento também parte de uma relação de confiança com o chefe. Segundo o levantamento, 70% dos funcionários se sentiram interados, porque a empresa se mostrou confiante no trabalho que eles estavam fazendo.

Segundo a pesquisa, feedbacks, ensinamentos e treinamentos também estimulam os funcionários.

No Brasil, por exemplo, profissionais têm, em média, 12 dias de treinamentos por ano. A média é alta se comparada a de países como França, Inglaterra e Canadá, onde os treinamentos não duram mais do que sete dias por ano.


Fonte da imagem: Clique aqui

Pensamento Crítico: Saiba o Que é e Como Desenvolver

É bem provável que você já tenha ouvido falar de pensamento crítico. Mas você sabe o que é e como é possível desenvolvê-lo?

Não é incomum ouvir de empresas que buscam por funcionários que tenham pensamento crítico. Muitas pessoas, inclusive, acham que possuem essa habilidade mesmo sem saber o que ela significa exatamente. Por evitar que isso aconteça com você, explicaremos o que é pensamento crítico e o que deve ser feito para desenvolvê-lo.

O que é pensamento crítico?

Todas as pessoas possuem um histórico de vida. Cada indivíduo passou por experiências e situações diferentes, além de terem crenças, medos e objetivos distintos. Quando um mesmo problema é apresentado para várias pessoas, é normal que cada uma delas o interprete de uma maneira e proponha resoluções diferentes. Isso acontece por causa do jeito único que cada um de nós tem.

Porém, para que um problema seja bem resolvido é importante que ele seja analisado de maneira distante e racional, e isso só é possível quando você deixa de lado as suas crenças e o seu modo de pensar. A capacidade de fazer isso é chamada de pensamento crítico.

Pessoas que costumam ser pensadores críticos tendem a ter a mente aberta para novidades e ideias diferentes, além de serem racionais, razoáveis e colaborativas. Elas entendem que para chegar à melhor solução elas devem trabalhar em equipe e esquecer as diferenças e preconceitos.

Nem todas as pessoas, entretanto, possuem essas características naturalmente. Nesse caso, se você quer se tornar um pensador crítico, é importante que você mude algumas de suas atitudes.

Como desenvolver o pensamento crítico?

Para que você comece a desenvolver o seu pensamento crítico é importante investir em três diferentes aspectos. Porém, é importante lembrar que, acima dessas qualidades, o pensamento crítico é um exercício que deve ser praticado constantemente até atingir a perfeição. 

1 – Curiosidade

Fazer perguntas, não se satisfazer com as soluções fáceis e buscar mais conhecimento são o tripé das pessoas curiosas. Deixe a aceitação de lado e invista na curiosidade. 

2 – Compreensão

Entender o cenário completo de um problema é importante para se tornar um pensador crítico. Se você foca somente em um pequeno aspecto, é possível que não consiga ponderar sobre ela de maneira eficaz. 

3 – Lógica

Comece a estimular seu raciocínio lógico com exercícios que desafiam a mente. Faça Sudoku, palavras cruzadas e desafios que envolvam o raciocínio. A partir do momento que você trabalha essas três características, é possível que o pensamento crítico venha mais facilmente à sua mente. Mas, nunca se esqueça que pensar de forma crítica é um exercício demorado e requer dedicação. Coloque as suas crenças de lado e aprenda a analisar as situações da melhor forma possível. Boa sorte!


Fonte da imagem: Clique aqui

Cuidado, Não Vire o Dinossauro da Firma

O esforço de um veterano para acompanhar os colegas mais jovens no uso da tecnologia

Por SUE SHELLENBARGER

Para muita gente, ter mais de 40 anos de idade traz autoconfiança no trabalho, fruto da experiência e de se ter atingido um certo grau de competência profissional.

Mas também pode trazer uma constante sensação de insegurança, o receio de que colegas mais jovens — aqueles com 5.000 seguidores no Twitter e que fizeram seu primeiro website ainda na escola — estejam se tornando as novas estrelas da firma.

Doug Gould, um publicitário veterano de 50 anos de idade, diz que a ansiedade surgiu quando os colegas de trabalho começaram a chamá-lo de "Tio Doug" ou "Professor".

"Acho que eram termos carinhosos", diz Gould, diretor de criação da agência de publicidade Allen & Gerritsen, de Boston, e que começou a carreira em 1984, quando criava anúncios de jornal usando papel vegetal e marcadores coloridos. "Mas lendo nas entrelinhas, também querem dizer 'velho'. Fico nervoso pensando no que tudo isso significa."

Para muitas pessoas na segunda metade da carreira, o significado está ficando claríssimo: para não ser levado a uma aposentadoria precoce, é preciso acrescentar mais tecnologia ao currículo — adquirir, digamos, alguns conhecimentos de redes sociais ou aplicativos móveis. Como Gould aprendeu, competir com colegas mais jovens que cresceram mandando torpedos e tweets, usando Facebook FB +1.00% e jogando videogames exige um esforço constante de atualização. Mesmo com um currículo respeitável, com mais de dez prêmios na área e dois memoráveis anúncios no Super Bowl — a final do campeonato de futebol americano — Gould sabe que não pode dormir sobre os louros. "Quinze anos atrás, eu achava que sabia tudo", diz ele, que é casado, tem dois filhos adolescentes e diz pretender trabalhar mais uns 15 anos. Agora, "há novas tecnologias por aí de que não entendo nada e que podem facilmente me transformar num dinossauro, se eu não continuar me adaptando".

Nos últimos anos ele fez mais de dez cursos de novas tecnologias, tanto on-line como num centro de formação profissional — desde um seminário sobre redes sociais até aulas de como criar seu próprio website. Hoje ele também manda seus tweets e tem um blog.

Em vez de deixar o trabalho prático nas mãos dos subordinados, como fazem muitos executivos no seu nível, ele continua usando novos programas de design e animação para fazer produtos criativos, como anúncios impressos, digitais e de rádio e televisão, além de websites. "Se eu me tornar um gerente e ninguém quiser um, como vou prosperar quando ficar mais velho?", diz ele. "Para mim, o salva-vidas é ser capaz de continuar a fazer o trabalho."

Ele também procura novos desafios. Trabalhou dez anos em uma grande agência, a Hill Holliday, onde estava satisfeito, mas deixou a firma há dois anos para assumir um cargo semelhante na Allen & Gerritsen, pela chance de ajudar uma agência de médio porte a crescer. "Isso era algo que não tinha feito antes e um desafio para mim", diz ele.

Empregados mais velhos têm conhecimentos acumulados que são difíceis de substituir, mostram estudos. Mas o atraso deles nas novas tecnologias é uma das razões pelas quais o índice de perda de emprego dos mais velhos e experientes, com 55 anos ou mais, vem superando o dos mais jovens por uma margem cada vez maior nos últimos dez anos, segundo dados do Escritório de Estatísticas do Trabalho dos Estados Unidos. Gould se preocupa com sua sobrevivência numa área onde a maioria dos colegas está nos seus 30 ou 40 anos. Quando ele mesmo tinha 20 e poucos, foi rápido para adotar os novos programas de computação gráfica que tornaram obsoletos os desenhos feitos à mão, mas viu muitos colegas mais velhos saírem da raia. "Alguns não queriam ou tinham medo de aprender", diz ele. "E eu pensei: 'Espero que isso nunca aconteça comigo'."

Quando as redes sociais e a tecnologia novamente viraram a publicidade de cabeça para baixo, muitos anos depois, diz Gould: "Olhei-me no espelho e pensei : 'Meu Deus, é possível que eu me torne aquela pessoa que fica para trás'."

No início, Gould resistiu a usar o Twitter. "Eu disse: 'Vocês estão brincando? Só 140 caracteres? Então é isso? O mundo inteiro está se resumindo a frases?'"

Mas depois que passou a ver o Twitter como uma maneira eficiente de compartilhar informações, e não uma forma truncada de comunicação pessoal, no ano passado ele usou o Twitter como base para uma campanha para a City Year.

Gillian Smith, diretora de marketing da City Year, diz que "o ótimo trabalho criativo" de Gould gerou um aumento de 37% no tráfego do site City Year em relação a um ano antes.

Gould também tenta aprender com os colegas mais jovens. Ben Daly, de 33 anos, diretor de criação associado da Allen & Gerritsen e especializado em arte e design digital, diz que, há uns dois anos, Gould lhe pediu para explicar as mudanças que estava fazendo no site da agência para que funcionasse bem nos tablets e smartphones, além dos computadores. Daly diz que Gould logo viu o potencial dessas tecnologias também para os sites dos clientes. A Allen & Gerritsen tem uma política de "mentor inverso" para facilitar intercâmbios como esse, em que funcionários mais jovens orientam os mais velhos.

É claro que a ajuda pode funcionar nos dois sentidos. Segundo Gould, "alguém como eu pode ensinar pessoas que têm uma habilidade fantástica para a tecnologia como se comportar numa reunião quando as coisas dão errado". Daly diz que Gould às vezes treina os colegas mais jovens durante apresentações aos clientes, interferindo para ajudá-los em algum ponto difícil, mas sem roubar o show.

Embora tenha utilizado as mídias sociais com sucesso em projetos específicos, ele não está tão imerso nelas como muitos profissionais mais jovens. "Eu mando um tweet quando tenho algo a dizer", diz ele, que duas vezes por dia olha seu Facebook, onde tem 517 amigos.

"A velocidade das mudanças deixa a pessoa sempre insegura", diz ele. "Queremos nos sentir confiantes nos últimos 15 anos da carreira, sentir que, depois de 25 ou 30 anos de esforço, as coisas têm que dar certo", diz ele. "Mas não é assim. Acho que nunca superamos o medo de ficar ultrapassados."


Fonte da imagem: Clique aqui

Quando as Redes Sociais Atrapalham o Seu Emprego

Redes sociais fazem cada vez mais parte do nosso cotidiano. Veja a seguir quando as redes sociais atrapalham a sua vida profissional

As redes sociais estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia. A maneira como você se apresenta nela pode garantir ou atrapalhar o seu emprego. Por mais que você não tenha o seu chefe como amigo no Facebook, ele pode vasculhar a sua página. Além disso, recrutadores também utilizam as redes sociais na hora de verificar se um candidato é ou não ideal para uma vaga de emprego.

Veja a seguir quando as redes sociais atrapalham a sua vida profissional:

1. Reclamar do seu chefe ou do trabalho

Reclamar do seu chefe ou de alguma situação desagradável que aconteceu no trabalho reflete falta de compromisso. Guarde os comentários sobre a vida no trabalho para amigos e situações off-line.

2. Compartilhar informações confidenciais

Algumas informações devem ser liberadas apenas com a aprovação dos seus gestores. Tenha cuidado com o que você posta nas redes sociais sobre a empresa onde trabalha.

3. Estar online o tempo inteiro

Estar disponível para o chat do Facebook ou contar o seu dia ao vivo no Twitter podem dar a impressão de que você não tem outras atividades a fazer. Separe o seu expediente do seu tempo livre.

4. Cuide das suas apresentações

A sua biografia nas redes sociais é a maneira como você se apresenta. Aponte as suas maiores qualidades e evite escrever linhas sarcásticas ou ofensivas.


Fonte da imagem: Clique aqui

Fazendo Por Merecer


Por Soeli de Oliveira

As organizações são como impressões digitais, únicas. Cada uma tem sua história, cultura, tradições e métodos de trabalho; estes elementos, em sua totalidade, formam o clima organizacional. O conjunto das tradições (passado), das necessidades (presente) e das aspirações (visão de futuro), dá origem à cultura das organizações.

A cultura molda e explica a forma de ser, agir e reagir das instituições. Sendo assim, ao ser aceito no quadro de funcionários de uma empresa, antes de sair por aí tecendo comentários negativos, procure conhecer a sua história e a trajetória empreendedora de seus fundadores, acionistas e proprietários. Busque entender as razões que fizeram a empresa ser como ela é e a fazer as coisas como faz. Só então, tome as atitudes necessárias para corrigir os rumos, propor mudanças e construir uma nova visão de futuro.

Quem almeja fazer carreira numa organização, precisa antes de tudo compreender a sua cultura organizacional. As lideranças tendem a optar pela promoção de colaboradores cujo comportamento se coadune com seu próprio comportamento. Por outro lado, um colaborador ao optar por uma empresa espera encontrar um clima apoiador, capaz de atender as suas expectativas e necessidades econômicas e sociais.

A percepção que o colaborador tem desse clima produz em sua mente a imagem da empresa, e sabe-se que a primeira impressão é a que fica fortemente gravada. Dificilmente teremos uma segunda chance para causar uma boa impressão como no primeiro contato. Quando uma empresa trata os candidatos a emprego com pouco caso, por vezes dando-lhes um “chá de banco” na recepção, está colocando uma pá de cal encima do sonho de trabalhar numa empresa que respeita as pessoas e pela qual vale a pena se comprometer.

Do ponto de vista da compreensão da motivação humana, as dificuldades das pessoas começam quando precisam trabalhar ou viverem juntas. As suas referências e perspectivas de vida são únicas e particulares. O que motiva um indivíduo pode não ter nenhuma importância ou significado para um outro. Não é fácil reconhecer e aceitar a diversidade humana. Homens e mulheres são diferentes, pensam e agem de formas diferentes. Jovens e adultos pensam e agem de maneira peculiar. Todas as pessoas são diferentes e essas diferenças por vezes causam conflitos. 

Somente profissionais motivados são capazes de se responsabilizarem pelos projetos de uma empresa e agirem como empreendedores em suas esferas de atuação, gerando resultados. Resultados significativos e duradouros dependem da construção de uma equipe de pessoas conectadas com o que fazem, dotadas de iniciativa, proativas, planejadoras e autodisciplinadas.

Iniciativa é a ação daquele que é o primeiro a propor ou a pôr em prática uma idéia. Proatividade é a capacidade de prever oportunidades, assim como problemas, fatos e atos antes que aconteçam; é antever consequências e antecipar-se na ação, agindo com rapidez e eficácia. Planejamento é a capacidade de antecipar o futuro tal como queremos que ele seja, de forma a maximizar os recursos e resultados. É o trabalho de preparação, no qual se estabelecem os objetivos, as etapas, os prazos e os meios para a sua concretização.

Funcionário novato, para ter um bom começo, deve “dançar” conforme a cultura organizacional, para só depois de integrado ao sistema propor mudanças. Empresas que querem atrair e manter em seus quadros pessoas com capacidade de realização acima da média devem tratá-los desde o primeiro contato como clientes especiais.

Soeli de Oliveira é consultora e palestrante do Instituto Tecnológico de Negócios, nas áreas de marketing, varejo, atendimento e motivação. E-mail: soeli@sinos.net – Novo Hamburgo – RS.

fonte da imagem: gettyimages

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More