Mudança na Vida Profissional Exige Cautela

Por Luiz De França

O início de um novo ano é normalmente cercado de expectativas. Costuma ser o momento para colocar novos projetos pessoais em ação ou retomar aqueles que não foram levados adiante no ano que se encerrou. Repensar a carreira e quais caminhos percorrer para dar uma guinada profissional muitas vezes é uma dessas resoluções. A questão é saber quando é a hora certa para promover essa mudança.

A melhor ocasião varia para cada pessoa em função do planejamento de carreira, da fase de vida, das oportunidades que surgem e do que se busca. As vantagens podem ser muitas, desde novos conhecimentos e uma nova rede de contatos a outras responsabilidades e incentivos. Mas tudo vai depender do desafio que se escolhe. "O importante é não pensar só no hoje, no pé-de-meia que vai fazer. Isso é uma armadilha", diz a headhunter Lais Passarelli, sócia da Passarelli Consultores. "Tem muita gente que me procura arrependida depois de uma mudança porque não pesquisou direito a situação econômica da empresa, seus valores e o ambiente de trabalho", diz.

Para quem trabalha com coaching e recrutamento, é comum receber pedidos de orientações nessa época do ano - que pode variar dependendo do calendário fiscal das empresas. "Normalmente os meses de novembro e dezembro, e julho e agosto, são os que recebo mais executivos para aconselhamentos de mudança na carreira", conta Ylana Miller, professora do Ibmec e sócia da consultoria Yluminarh.

Antes de tomar uma decisão, no entanto, é preciso analisar com cuidado o cenário. Se 2013 foi um ano ruim para o país e difícil para as empresas, não é saindo de onde se está que o mundo vai melhorar. "Se alguma empresa prometer milagres de crescimento para 2014 e 2015, é bom desconfiar que isso pode não acontecer", diz Marcelo Cuellar, diretor da consultoria em recrutamento Page Executive. Até mesmo quem pensa em migrar de segmento deve saber que em uma economia mais aquecida o risco dessa mudança é menor.

Independentemente das influências econômicas, existe uma inquietação maior nas pessoas por mudança, seja de área, de empresa ou mesmo para novas carreiras. A explicação para isso está no contexto da vida contemporânea. "As pressões são bem maiores hoje do que há 20 anos. É cada vez mais comum as pessoas pensarem em mais de uma opção de carreira", diz Paul Dinsmore, presidente da consultoria Dinsmore Associates. Para ele, todos os artifícios para buscar respostas a esses questionamentos são válidos, até mesmo a literatura de autoajuda.

Muitas vezes, essas respostas estão na relação da satisfação com o sucesso, principalmente entre os executivos de alto escalão. Normalmente são pessoas que não gostam de ficar na zona de conforto por muito tempo e precisam se sentir desafiadas. Fatores externos como a implementação de uma nova tecnologia ou cultura podem fazer o profissional se sentir desvalorizado, levando-o a considerar uma ruptura. "Mesmo assim é preciso estar disposto a recomeçar e não ter medo do desconhecido", afirma Lúcia Costa, diretora geral da consultoria em recrutamento Mariaca.

O importante é ficar atento aos sinais de que está na hora de mudar. "Quando não se tem mais a mesma motivação para ir trabalhar, a mesma satisfação em um caso de sucesso ou não se sente mais alinhado com a direção da empresa, chegou a hora", diz Lúcia. Uma vez tomada a decisão, é necessário saber conduzir o processo, muitas vezes radical, para evitar grandes traumas. Nesse ponto, todos os especialistas concordam que quanto maior a transparência, melhor. Aproveitar as avaliações de desempenho é uma dica. "Fazer tudo às escondidas fecha as portas no futuro", diz Lais Passerelli.

O melhor exercício para quem quer fazer uma mudança na carreira, mas tem dúvidas, é se imaginar fazendo outra coisa. Esse é o conselho de Donna Hrinak, presidente da Boeing Brasil. Ela se aposentou como embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, aos 53 anos, e migrou do serviço público para a iniciativa privada em 2004. Donna trabalhou em um escritório de advogacia, na Mondelez (então Kraft Foods) e na Pepsico antes de aceitar o convite da Boeing, onde está há dois anos. Aos 63 anos de idade, nem pensa em parar. "Eu sempre falava que não queria chegar aos 65 e me perguntar se podia ter feito outra coisa."

Assim como Donna, outros profissionais também resolveram promover essa guinada nas suas carreiras. Anna Maria Guimarães, de 57 anos, deixou o cargo de CEO da sucursal brasileira de uma consultoria holandesa em energia para se lançar na vida acadêmica. "Já tinha feito doutorado e queria me aproximar desse universo. Quando surgiu o convite, não tive dúvidas", conta. Hoje, ela é diretora acadêmica e de novos negócio da escola de educação executiva B.I. International. Segundo Anna Maria, cerca de 15% dos alunos da escola estão passando por uma transição de carreira.

Fernando de Carvalho também passou por uma experiência de transição. Depois de mais de dez anos na área financeira, começou a ficar curioso sobre as políticas de recursos humanos e acabou migrando para a área. Atualmente, é vice-presidente de RH no Brasil da petrolífera norueguesa Statoil. "A área financeira cobra muito e devolve pouco em termos de satisfação pessoal. Pelo menos para mim, deixou de falar ao coração. Comecei, então, a pensar que no RH poderia fazer a diferença", afirma Carvalho.

Ele lembra que amigos, coaches e headhunters diziam que ele estava fazendo uma loucura. Depois de sair do antigo emprego e procurar outro sem sucesso, pensou em desistir e tirar um período sabático no exterior. Até que a oportunidade surgiu. "Atualmente, trabalho tanto ou mais que antes, mas o impacto que vejo na vida das pessoas e da organização me dá uma satisfação enorme", ressalta.

Embora já gostasse de lidar com pessoas, a área de recursos humanos também era desconhecida para a engenheira química Daniella Gallo. Ela tinha saído da empresa onde trabalhava com projetos de engenharia quando recebeu a proposta de reestruturar o RH da alemã Chemtech por um ano. Acabou ficando por quatro. "Estava totalmente fora da minha zona de conforto. Costumava falar uma linguagem técnica e senti um estranhamento", diz Daniella. Depois disso, foi atrás de outras mudanças e, desde o início de 2012, é gerente geral de engenharia da Chemtech.

Mas nem sempre é preciso mudar de empresa. Yara Baxter, que trabalhava com nutrição hospitalar na farmacêutica suiça Novartis, assumiu diversos cargos na área de oncologia do laboratório. Tornou-se, ainda, diretora de comunicação, posto que ocupa há poucos meses. "Mais ou menos um ano antes de mudar a posição, percebi que precisava repensar o meu ciclo", conta a executiva, que sempre aproveitou as avaliações de desempenho para externar suas aspirações. "Uma multinacional proporciona mais possibilidades de mudanças, mas é preciso ir atrás e demonstrar as competências necessárias", diz. Sua tática é conhecer todos os stakeholders da nova área para se ambientar mais facilmente.

Deixar uma multinacional para trabalhar em uma empresa nacional e de menor porte também é um movimento de carreira significativo. Foi o que o que fez o consultor Antonio Sidney, de 32 anos. Quando trocou a consultoria KPMG em junho do ano passado pela Hirashima, que atua no mesmo segmento, seu objetivo era melhorar sua qualidade de vida, além de encurtar o caminho para uma sociedade. "O aumento considerável de trabalho e a extensão em cinco anos do plano de carreira foram fatores determinantes para a minha saída", diz.

Até mesmo quem sempre foi empreendedor também vive seus dilemas de carreira. Após vender sua importadora, em 2005, Leandro Scabin resolveu ir atrás do seu sonho de infância, herdado de seu avô: ser dono de uma fábrica de sorvetes. O projeto levou quatro anos até se concretizar no lançamento da sorveteria Diletto. "Aprendi que é preciso se policiar o tempo todo para não se acomodar e sair da zona de conforto". No início de 2013, o fundo Innova, do bilionário Jorge Paulo Lemann, comprou 20% de participação do capital da sorveteria por cerca de R$ 100 milhões.

Já Alex Barbirato, de 44 anos, é fundador da empresa de tecnologia Incube e tinha o sonho de deixar de ser executivo para ser CEO da sua própria empresa. Acostumado com a pressão e as longas horas de trabalho do mercado financeiro, ele tinha certa tranquilidade em não depender do salário mensal no caso de as coisas darem errado - além de conhecimento para se recolocar, caso precisasse. "Mesmo assim, deu um frio na barriga na hora de pedir demissão. A sensação de criar algo, colocar no ar e ver cada dia mais pessoas usando um produto inteiramente concebido por você, no entanto, é indescritível."


Fonte: valor.com.br
Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More