Mostre para seus amigos

Conte para seus amigos sobre o Blog do Cabra, e curtam nossa página no Facebook!!!

Actio Consultoria e Treinamento

A ACTIO é uma consultoria empresarial que transforma grandes idéias em realidade e desenvolve projetos de acordo com as necessidades de seus clientes, traduzidos em inovação, desenvolvimento, e melhoria nos resultados da organização.

O Blog do Cabra recomenda

Ações de Motivação Dos Funcionários Necessitam de Equipe e Líder Maduros, continue lendo no Blog Administrando Você.

Destaque do Blog do Cabra

Muitos gostaram deste assunto, um assunto bastante procurado e mereceu destaque.

A disposição de todos

Nossos colunistas estão a disposição de todos para tirar dúvidas e sugestões, deseja ler sobre um assunto? Fale para nossos colunistas.

O Perigo da Estagnação Profissional

Autor: Samara Teixeira

Existem momentos na carreira em que as incertezas e a estagnação tomam conta da rotina e fazem o profissional ter a sensação de estar regredindo ou completamente perdido em relação à carreira. Alguns sinais da estagnação são claros, fazem com que o profissional fique desmotivado e podem causar níveis maiores de mal estar e, até mesmo, desencadear doenças psicológicas e reações no organismo.

Segundo o consultor Eduardo Ferraz, quando você percebe que colegas do mesmo nível e mesma área estão sendo promovidos, estão sendo convidados para outras funções mais atraentes e com você nada acontece, é hora de reavaliar sua carreira.

“Outro indício é quando mesmo mudando o gestor, sua situação continua igual. Outro indicativo importante é ficar mais de dois anos sem um aumento real de salário ou qualquer tipo de bônus”, explica Ferraz.

Já para Mariana Almeida, gerente de Recursos Humanos da Mega Sistemas Corporativos, fazer sempre as mesmas coisas do mesmo jeito também não contribuem para o avanço da carreira. “Não dá para esperar resultados diferentes se estiver sempre executando as suas atividades da mesma maneira, sem buscar a inovação ou renovação de suas práticas por melhores resultados. Já conheci muitas pessoas que dizem não serem reconhecidas, mas não entenderam que a dinâmica da empresa e a exigência do mercado não são mais as mesmas de 10 anos atrás”, analisa a especialista.

A experiência é fundamental para o profissional, mas a visão real do cenário e a adaptação às mudanças fazem a diferença para o crescimento. Para que a situação mude, é necessário ter atitude e buscar ferramentas criativas e inovadoras para alcançar os objetivos.

De acordo com Eduardo é fundamental ter noção do trabalho e esforço que se realiza para crescer e não somente querer subir sem se dedicar para isso. Porém, quando todos os passos estão sendo dados, é necessário avaliar se aquela empresa merece a dedicação empenhada.

“A principal atitude é agir e fazer por merecer. Não adianta apenas fazer planos. Tem que mostrar dedicação, comprometimento, proatividade e mostrar resultados, de preferência, mensuráveis. Só assim o profissional terá argumentos sólidos para fazer qualquer reivindicação. Além disso, será importante ter uma conversa franca com o chefe imediato e pedir orientações de como pode proceder daqui em diante”, orienta o consultor.

Mariana Almeida comenta que é fundamental ter transparência com os gestores e conversar sobre as necessidades. “Até mesmo para a organização, se ela não tem a possibilidade de atender ao crescimento que esse profissional busca, orientá-lo para que procure novas oportunidades no mercado e evitar ser corresponsável pela sua estagnação e contaminação dos demais”, destaca.

Dicas para quem corre o perigo da estagnação:
  • Apareça mais. Mostre seus resultados;
  • Estude alternativas para melhorar tecnicamente seu desempenho;
  • Coloque-se à disposição para fazer trabalho extra;
  • Participe de treinamentos em sua área de ação;
  • Peça dicas para seus colegas e chefes de como melhorar seu desempenho;
  • Ajude os demais a fazer suas tarefas;
  • Melhore seu relacionamento interpessoal.

Ampliando a Visão de Mundo

Soeli de Oliveira

Tudo o que as pessoas fazem ou fizeram até hoje é pela busca de felicidade. Quando entendemos isso tendemos a não julgar mais ninguém. Ninguém faz o seu pior. As pessoas anseiam acima de tudo ser amadas e compreendidas, e amar as pessoas implica na aceitação incondicional.

Todas as nossas dificuldades estão ligadas à nossa cosmovisão. Ao realizar um curso ou ao ler um livro ou um artigo como este, cada leitor vai entender diferente do outro dependendo das suas percepções. Todo mundo está fazendo o seu melhor na busca de seus objetivos, baseado na sua visão de mundo. O pior que achamos que nossos cônjuges, filhos ou colaboradores fazem é o seu melhor. Isso não significa que eles não podem ampliar a visão e romper os seus limites. A maior ajuda que podemos dar para uma pessoa é ajudá-la a ampliar a sua visão.

O mapa não é o território, assim como a maquete não é o edifício. O mundo não é o que você vê, pois só você vê o mundo assim. Cada pessoa tem sua maneira particular de ver. Em uma empresa com trezentos empregados há trezentas percepções diferentes do que é a empresa segundo os seus jargões e modelos. Tudo acontece na mente. O que você está vendo é uma imagem criada no seu cérebro. O mundo não é o que você vê. O mundo é convencionado. Um gol ou um ambiente só acontece na sua mente. Este ambiente é apenas uma convenção. Cada um vê um mundo diferente. Com frequência somos nós que criamos os problemas. Somos nós que enxergamos o mundo assim. Se queremos mudar alguma coisa, precisamos mudar ou ampliar nossa visão. Todos nós sonhamos a vida e precisamos acordar para perceber que estamos sonhando. A maior ajuda que podemos dar aos nossos colaboradores é ajudá-los a ampliar a sua visão do universo.

Abandone o hábito de ver as coisas pelo lado negativo. Este é um comportamento que com muita frequência gera ressentimentos e atrai oposição. Tenha, sempre que possível, uma visão apreciativa das coisas. Elogiar sinceramente é o caminho mais curto para conquistar a simpatia de uma pessoa e gerar confiança.

Não queira mudar o mundo a ferro e fogo. Quem almeja liderar deve agir com postura prestadia, construtiva, solucionadora e com amor. Um indivíduo prestativo ajuda outra pessoa a carregar uma mesa, uma cadeira ou abre ou segura a porta do automóvel para outra pessoa entrar. Ser prestativo é a parte material das ações. Já ser prestadio é a intenção interna. É ter uma postura amorosa, altruisticamente interessada na felicidade e no sucesso dos outros. Com que intenção você faz alguma coisa por alguém? Esperando ou não, tudo o que fazemos volta para nós de alguma forma.

Fuja da comunicação ataque versus defesa. Há pessoas que encaram a vida como uma grande competição, uma guerra. Estão sempre preocupadas em provar que têm razão. Desenvolva uma comunicação explícita e negociada. Negocie as metas com os seus clientes. Negocie as metas com os seus colaboradores. Negocie as metas com a sua família. Não queira ser o dono da verdade. Indague mais e não imponha nada. Realize mais combinações perguntando: Que solução você vê? Se você adotar esta solução, como vai ser? Se você fizer isso, o que poderá acontecer?

Deixe tudo negociado e não imponha nada, pois se você impõe as metas consequentemente não terá equipe. A vida é um eco, se você não gosta do que está recebendo, observe o que você está emitindo.

Soeli de Oliveira é consultora e palestrante do Instituto Tecnológico de Negócios nas áreas de marketing, varejo, atendimento e motivação. E-mail: soeli@sinos.net – Novo Hamburgo – RS.
Fonte da imagem: Clique aqui

Assuma Riscos e Tenha Uma Carreira Bem-Sucedida

Arriscar pode assustar, mas para superar esses obstáculos é preciso se concentrar no resultado positivo e esquecer o medo de errar

Para conseguir uma carreira sólida e bem-sucedida você precisa assumir riscos. Essa pode ser uma tarefa assustadora, mas para superar esses obstáculos é preciso se concentrar no resultado positivo e esquecer o medo de errar. O truque é pensar sobre o risco no caminho certo e usá-lo a seu favor. A maioria dos profissionais acredita que correr riscos na carreira é uma chance desnecessária e perigosa. Mas a verdade é que evitar o risco não vai mantê-lo seguro, nem vai garantir uma carreira de sucessos.

Tentando evitar o risco você acaba bloqueando certas habilidades que são desenvolvidas a partir de situações críticas. Quando pensa que está trabalhando pelo seguro, você está na verdade impedindo o seu próprio progresso. Se deseja uma carreira de sucessos, aprenda a assumir riscos e ser bem-sucedido.

1. Assuma os riscos que são calculados

A primeira regra para lidar com essas situações é assumir os riscos que são calculados, e não os insanos. Há uma grande diferença entre se jogar de cabeça em um projeto e prever os possíveis erros. Antes de assumir um risco, pergunte-se: Como você pode maximizar suas chances de sucesso e minimizar as suas desvantagens? Dessa forma você estará preparado para lidar com os possíveis problemas.

2. Faça projetos em longo prazo

Os melhores projetos não são aqueles que acabam primeiro, e sim aqueles que recebem o reconhecimento ao longo dos anos. Se você planejou, estudou e sabe os possíveis riscos que corre com tal projeto, você está preparando o futuro sucesso do seu projeto.

3. Seja generoso com elogios e cuidadoso com as críticas

Os seus colegas de trabalho são uma espécie de continuação da sua família. E assim como em todas as famílias, o ambiente de trabalho fornece todos os tipos de conflito. Por isso é importante que você consiga lidar com todos os tipos de pessoa. Se você almeja uma carreira de sucessos não pode ter conflito com ninguém, você não precisa gostar do seu colega de trabalho, o que não pode acontecer é deixar que essa relação atrapalhe o seu rendimento. Mantenha o profissionalismo e critique ou elogie apenas quando você tem certeza do que está falando.

4. É mais fácil pedir perdão do que pedir permissão

Se em algum momento você errar, não tenha medo de pedir desculpas. Muitos conflitos de trabalho podem ser resolvidos apenas com palavras. A regra é simples: peça perdão antes que esse problema cause efeitos irreversíveis. Em outras palavras, se você está incomodado com alguma situação você deve resolver a partir de uma conversa franca. Não deixe que os problemas interfiram no seu trabalho, e principalmente em sua produtividade.


Fonte da imagem: Clique aqui

5 Atitudes Que Desagradam Seu Chefe

Autor: Nathaly Bispo

“Pense antes de falar” é sempre uma boa política – e no ambiente corporativo isto se torna ainda mais importante: dizer e/ou fazer a coisa errada pode trazer sérios danos à carreira. Por isso, é preciso estar atento à qualidade do trabalho que está sendo feito. Manter em dia o feedback dos colegas e principalmente do gestor direto é outra fonte segura para não se preocupar com comentários negativos.

A consultora organizacional e diretora da RHUMO Consultoria, Lara Castro, listou algumas atitudes que os profissionais devem evitar para terem pontos positivos com o chefe:

1. Fazer muitas perguntas

É fundamental tirar qualquer dúvida e ter as instruções claras no momento que for designado a desenvolver uma tarefa ou projeto. Esclarecer cada pequeno detalhe todos os dias, mostra despreparo e falta de confiança no próprio trabalho. Profissionais que, ao menor sinal de dificuldade, correm atrás do gestor pra resolver problemas são vistos com maus olhos. Esse tipo de ação pode soar ainda pior caso você tenha dúvida sobre algo que deveria saber.

Atitude correta: Verifique com seus colegas de trabalho se eles podem preencher informações que tenha perdido. Preste atenção quando seu gestor repassar as tarefas, e tente encontrar maneiras de resolvê-las sem ter que checar com ele todas as etapas do processo.

2. Responder a pergunta errada

Se o seu líder faz perguntas como, o que você tem na sua lista de afazeres para o dia, ele pode estar procurando informações sobre como você está priorizando seu trabalho, se é organizado, ou até mesmo se você sabe bem o que deve fazer. Os chefes geralmente não fazem perguntas diretas, pois as pessoas não responderiam com sinceridade, portanto, é preciso identificar o que está subentendido.

Atitude correta: Quando seu chefe faz perguntas, responda literalmente, mas leia as entrelinhas e tente fornecer as informações que ele realmente quer e precisa.

3. Criar um caos sem motivo aparente

Se um projeto vai mal, você procura desesperadamente motivos para descobrir quem é o responsável, ou explora soluções? Você chama a responsabilidade pra si?

O que um liderado considera uma crise pode ser completamente diferente aos olhos da liderança e dos demais. Criar pânico desnecessário e se expor emocionalmente só contribui para aumentar, em vez de reduzir o caos.

Atitude correta: Fomente sua decisão para situações de risco a partir da cultura do seu departamento, tomando como exemplo algo semelhante que seu chefe já tenha feito. Observe seus colegas de equipe, se eles estiverem calmos, mesmo com um problema sério a ser resolvido, não há nenhuma razão para que você envie e-mails, em pânico, à procura de respostas. Se o seu gestor acredita na sua equipe, você também deve fazer o mesmo.

4 . Mostrar-se com problemas sem soluções

Este é provavelmente o clássico, falar sobre um problema ou desafio que você está enfrentando é o maior erro que você pode cometer com o seu superior direto.

O intuito é não criar mais trabalho para seu chefe, para que ele possa cuidar de problemas acima da sua alçada, por isso não espere ter todas as respostas prontas, ajude-o!

Atitude correta: Elabore um plano de ação e ofereça ao seu gestor quando você estiver com problemas. Mesmo que ele não o adote, mostra que você não esperou alguém resolver tudo sozinho.

5. Desmerecer o líder

Há muitas maneiras de prejudicar a autoridade do chefe, principalmente quando se retém uma informação ou se faz algo fora do que foi desenhado anteriormente por ele.

Atitude correta: Líderes geralmente não gostam de surpresas. Mantenha o seu gestor atualizado sobre o progresso que você conseguiu com os projetos que está trabalhando, incluindo detalhes que você pode pensar que não são importantes.



Fonte da imagem: Clique aqui

Como se Vender se Você Não Tem Experiência Profissional

Conseguir um emprego já não é tarefa fácil, especialmente se você não tiver experiência profissional. Confira alguns passos que podem ajudá-lo a se sair bem apesar desse obstáculo na sua carreira

Grande parte dos empregadores exige algum tipo de experiência profissional. Isso seria ótimo se você não estivesse saindo da universidade e procurando o seu primeiro emprego, certo? No entanto, é possível vender as suas habilidades e fazer com que os recrutadores confiem em você mesmo sem a tão sonhada “experiência”, tudo depende da maneira como você vai abordar essa situação.

Nesses casos, você precisa convencer os potenciais empregadores a considerar você como opção, e isso vai muito além de uma carta de apresentação e um currículo. Procure pensar como um verdadeiro profissional de vendas. Considere os empregadores como seus clientes e as suas habilidades são o produto que você pretende vender. Mantenha uma atitude positiva e construa o seu próprio momento, sem deixar espaço para que as questões e observações dos empregadores desanimem você.

Além disso, você deve fazer uma busca ampla e encontrar os trabalhos que honestamente interessam a você. É muito mais provável que um empregador veja você como uma pessoa desqualificada se perceber que você andou se inscrevendo para todos os tipos de vaga. Isso demonstra certo desespero. Ao invés disso, procure fechar um pouco o foco e se candidatar apenas àquilo que realmente tem relação com o seu perfil.

E, mais importante que isso, lembre-se de que a busca por um emprego é um jogo de tentativa e erro, independente de ter experiência ou não. Não se deixe desanimar pelas recusas que receber e procure manter o foco nos seus principais objetivos. Não importa quantos nãos você vai receber se no fim das contas você for contratado pela empresa dos seus sonhos. Não se deixe levar pelos resultados negativos, eles fazem parte do processo.


Fonte da imagem: Clique aqui

Não Tenho Tempo para Mais Nada!


- Mas eu não tenho tempo para mais nada....!



Não ter tempo para mais nada, quer dizer somente duas coisas: ou você já está ganhando muito dinheiro, pois o seu tempo está totalmente tomado, ou existe algo de errado em seu tempo.


Vamos analisar sob a seguinte ótica:

- Você tem ido visitar seus melhores clientes com frequência?
- Quanto tempo do seu dia você reserva para pensar em novas estratégias?
- Você tem planejado novos rumos para o seu negócio?
- Tem participado de feiras, congressos e workshops?
- Tem lido muito sobre sua atividade econômica?
- E o seus concorrentes? Você está a par do que eles vem apresentando de novidade ao mercado?
- Quando foi a última vez que visitou seus fornecedores?
- Com que frequência você faz uma análise sobre o seu mercado consumidor?


Eu poderia ficar enumerando aqui, infinitas atividades que o empresário deve encarar como obrigação.


- Mas eu não tenho tempo para mais nada....!

Agora pare e pense: Por que você não tem tempo para mais nada. Faça uma análise do seu cotidiano. Será que você não está perdendo muito tempo do seu dia com tarefas operacionais do seu negócio?


DELEGAR, um verbo que de alguma maneira não é conjugado corretamente pelos empresários ou gestores de empresas. Um verbo temido por alguns gestores e que só prejudica o negócio. Delegar é um exercício de sabedoria. Todo empresário deve ter em mente que o seu tempo não pode ser desperdiçado com tarefas operacionais, simples e rotineiras onde o seu envolvimento direto não faz a menor diferença.

Antes de dizer: não tenho tempo para mais nada, pare e pense:

- Quais tarefas do seu dia-a-dia, rotineiras que poderiam ser passadas para outra pessoa realizá-las?
- Não priorize sua ocupação com as tarefas operacionais da empresa, priorize nas tarefas estratégicas.
- Reavalie constantemente o cotidiano da empresa, redistribua os afazeres.
- Não perca seu tempo controlando os controles.


Lembre-se: uma orquestra é boa, porque o maestro é um bom regente e não porque ele toca todos os instrumentos.

Pense bem nisso

Fonte: o Gerente

Imaginação é Melhor Que Conhecimento?


Por Milena Seabra

“Eu acredito na intuição e na inspiração. A imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado, enquanto a imaginação abraça o mundo inteiro, estimulando o progresso, dando à luz à evolução. Ela é, rigorosamente falando, um fator real na pesquisa científica.”
— Albert Einstein

A frase acima é atribuída a Albert Einstein. E realmente é dele. O problema é que tiraram totalmente a frase do contexto em que ela foi dita. O contexto da frase (que nunca é indicado nas citações) está relacionado à compreensão completa dos fenômenos da física clássica (conhecimento). Ele entendia tão bem a física Newtoniana que (ainda adolescente) fez um questionamento (imaginação):

Se o SOL desaparecesse, a influência gravitacional sobre a terra cessaria imediatamente ou demoraria o tempo necessário para descolamento da luz na distância SOL-TERRA? (Hoje sabemos que essa era uma questão que o próprio Newton se fazia e não sabia como respondê-la)

Ou seja, após conhecer bem os conceitos (embora sem a linearidade que a academia indicava) ele começou a questioná-los. E nunca excluiu o conhecimento anterior, ele apenas frisou que não era suficiente para fazer a ciência avançar. A imaginação é a chave para ruptura, mas não é suficiente em si. Isso fica claro na conclusão da frase :“..um fator real na pesquisa científica.”

A imaginação não exclui o conhecimento. É esse o ponto, a pesquisa e o desenvolvimento científico precisam dos 2 fatores: conhecimento e imaginação. Nos deparamos com milhares de referências incentivando a imaginação na WEB, mas o fato é que a imaginação é importante sim, mas sem conhecimento pode virar fumaça.

Mas essa provocação tem o objetivo de nos levar à reflexão sobre o que acontece diariamente na comunicação usada na internet, principalmente nas redes sociais. Essa linguagem também conhecida por internetês ou até tiopês é, na verdade, um dialeto originado a partir de erros de digitação associados a erros de ortografia. Versátil, flexível e criativo, esse dialeto da internet possui algumas regras próprias e sua principal característica é subverter, sendo considerado um jeito certo de escrever errado.

Quem não acompanhou a polêmica em torno do #corrão, criado pela websociologistas e curadora de conteúdo @biagranja? Ela faz uma provocação e uma defesa a respeito do uso da expressão, no qual é difícil ficar indiferente. 

Para Bia, a grande mudança está no poder de criar, cada vez mais nas mãos das pessoas. Segundo ela, a cultura, a informação e o entretenimento deixaram de ser passivas e se tornaram organismos vivos e interativos. Por isso, é cada vez maior a importância de saber se comunicar com todos os públicos. 

De modo tortuoso ou não, Bia Granja mostra que conhecimento e imaginação andam juntos. Conhecer e utilizar o português culto, o português jurídico, o português abrasileirado, o inglês culto, o inglês britânico, o inglês smart street boy... é uma vantagem. Desconhecer uma cultura não é naturalmente a porta para outra. Exatamente o contrário. Imaginar uma nova língua não exclui conhecer a antiga.


Fonte da imagem: Clique aqui

Série SEU NEGÓCIO - Como Saber se Uma Rede de Franquias é Séria

Verifique se a franqueadora tem a Circular de Oferta de Franquia (COF), documento que deve ser entregue ao candidato

Por Priscila Zuini (Respondido por Marina Nascimbem Bechtejew Richter, advogada)

Normalmente, as pessoas buscam abrir um negócio próprio através do sistema de franchising para ter mais segurança através da utilização de marcas reconhecidas no mercado, e ainda, da experiência e conhecimento detidos pelo franqueador, que já testou o negócio.

Mesmo assim, o candidato deve ficar atento, afinal, a operação de uma franquia também traz riscos e não configura sucesso de negócio.

Em razão disso, e por não haver uma fórmula para saber se uma rede de franquias é séria ou não, existem algumas medidas que podem ser adotadas e que auxiliam o candidato no momento da escolha de uma rede:

1 – Verifique se a franqueadora tem a Circular de Oferta de Franquia (COF), documento que deve ser entregue ao candidato, nos termos da lei de franquia (lei nº 8.955/94). Destaca-se que uma das únicas previsões legais é a necessidade da entrega da Circular de Oferta, justamente para trazer maior transparência ao negócio;

2 – Verifique se a Circular de Oferta de Franquia apresenta todas as informações exigidas pela lei de franquia. O artigo 3º da lei 8.955/94 dispõe de todas as informações que devem ser divulgadas na COF;

3 – Contate o máximo de franqueados da rede, para colher informações sobre a sua satisfação com o sistema. Além da informação dos franqueados da rede ser uma obrigação legal, esse contato é importantíssimo, já que os franqueados em operação já vivem a rede, e podem passar informações relevantes sobre o sistema e sobre a franqueadora;

4 – Questione os franqueados sobre o sucesso das suas lojas franqueadas;

5 – Contate ex-franqueados da rede desligados nos últimos 12 meses para saber a razão do desligamento. A relação dos franqueados desligados nos últimos 12 meses também é uma exigência legal;

6 – Verifique se o status do pedido de registro da marca junto ao INPI. Este status deve constar da COF, por se tratar de um dos requisitos legais, e é importante para que o candidato avalie se existe risco do registro da marca não ser deferido;

7 – Questione o franqueador sobre eventuais pendências judiciais indicadas na COF;

8 – Verifique se a rede é afiliada na ABF, apesar de ser facultativa, este é um indicador interessante. 

9 - Verifique se a rede ganhou o Selo de Excelência. O Selo de Excelência em Franchising representa o reconhecimento da excelência e qualidade da empresa em relação a sua atuação como franqueadora, e visa ainda estimular a melhoria do nível de atuação das empresas franqueadoras, por meio da valorização das melhores práticas e do profissionalismo dessas empresas perante o sistema.

Apesar de esses itens não garantirem que a rede é uma franquia séria, eles certamente auxiliarão o candidato a escolher a rede que se enquadre nos perfis desejados.


Fonte da imagem: Clique aqui

6 Tendências Que Vão Definir o Mercado Profissional em 2014

Se você já está preocupado com a sua carreira em 2014, confira 6 tendências que vão definir o mercado profissional no próximo ano e comece a planejar a evolução da sua carreira

Com a proximidade do final do ano, novas análises começam a surgir, buscando identificar o que será mais importante no mundo dos negócios em 2014. Embora pareça apenas especulação, informações como essas podem ajudar diversos profissionais no planejamento de suas carreiras, mostrando o que é preciso desenvolver e quais práticas podem ser deixadas de lado sem prejuízo. Se você quer saber o que vai definir o mercado profissional no próximo ano, confira 6 tendências importantes:

1. Será o ano dos empreendedores

A tecnologia está ajudando todos os negócios, sejam eles grandes ou pequenos, a avançarem em seus mercados. Em 2014, essa tendência será ainda mais evidente, uma vez que todas as etapas da criação de um negócio serão facilitadas, desde a abertura de uma conta até o site de divulgação da empresa. Com isso, cada vez mais jovens entrarão no mercado do empreendedorismo e criarão seus negócios a um custo baixo em comparação com os anos anteriores.

2. O significado do diploma não será o mesmo

Embora no Brasil o diploma ainda seja algo extremamente valorizado, especialistas em educação superior acreditam que cada vez mais ele deixará de atestar a qualidade de um profissional. O foco agora será o conteúdo aprendido. Em vez de estudantes se dedicarem a um curso universitário apenas para conseguir o certificado, cada vez mais tempo será investido em formações não lineares, que visam o desenvolvimento de habilidades específicas para a profissão desejada por estudantes.

3. A atividade online fornecerá dados para recrutadores

Ainda que os recrutadores já utilizem os perfis dos candidatos em redes sociais como fonte de informações, essa prática se tornará ainda mais comum ao longo de 2014. Por isso, é essencial que os profissionais em busca de um emprego aprendam a maneira certa de utilizar os recursos oferecidos pela internet. Entre eles, é essencial dar atenção, por exemplo, à expansão de sua rede de contatos, à atualização de seu perfil no LinkedIn e em outras redes sociais e aos grupos de profissionais disponíveis no site. Além disso, os jovens profissionais também podem utilizar a internet para checar estudos a respeito de salários e cargos na indústria em que estão inseridos, bem como buscar informações em livros e sites especializados.

4. Os investimentos mudarão de perfil com a entrada de novas gerações no mercado

Com a entrada de novas gerações no mercado de trabalho, o perfil dos investimentos está se alterando gradativamente. Os investidores mais velhos, que já estão próximos da aposentadoria, costumavam compartimentar seu dinheiro com o objetivo de ganhar o maior retorno possível. Porém, os novos investidores têm como prioridade a expressão de seus valores pessoais, sejam eles ligados a causas sociais, ambientais ou políticas. Com isso, o dinheiro não permanece segmentado. A capacidade de amplificar o impacto ao expressar os próprios valores está se tornando mais importante que o retorno de um investimento.

5. A distinção entre meios de comunicação e tecnologia vai acabar

Cada vez mais os dois conceitos vêm se misturando e durante o ano de 2014, os rótulos que diferenciam meios de comunicação e tecnologia vão desaparecer gradualmente. A cada dia que passa as duas indústrias caminham de maneira convergente, fazendo com que as empresas se tornem uma mistura de produção de conteúdo e distribuição. Essa integração permitirá metas mais ambiciosas e maiores apostas para o mercado da informação.

6. Agilidade será a habilidade chave para líderes

Embora os líderes necessitem de um conjunto extenso de habilidades, envolvendo capacidade de tomar decisões, habilidades operacionais e experiência no mercado, o que vai definir se um profissional é adequado para um cargo de liderança é a sua agilidade de aprendizagem. Isso significa ter autoconfiança para admitir que você não sabe tudo, mas ir além e fazer perguntas, mostrar curiosidade e entender rapidamente o que é preciso aprender.


Fonte da imagem: Clique aqui

Série SEU NEGÓCIO - 7 Aplicativos Que Não Podem Faltar Nos Smartphones Dos Empreendedores

Não é só de jogos que sobrevivem as lojas de aplicativos

Por Juliana Américo Lourenço da Silva

Em geral, as lojas de aplicativos estão cheias de apps de jogos, redes sociais, fotografia e entretenimento. Porém, os empreendedores também contam com opções de aplicativos que podem auxiliar na rotina diária.

Pensando nisso, a especialista em Marketing Digital e Planejamento na Unius Multimídia e Comunicação, Carla Castilho, listou os sete principais aplicativos que não podem faltar no smartphone do proprietário de um negócio. Confira:

1- Duolingo

A ferramenta é ideal para quem precisa atualizar o inglês ou o espanhol. O aplicativo é totalmente gratuito e oferece versão básica e avançada da língua, além de contar com atividades dinâmicas, permitindo o aprendizado de vocabulário, fala e gramática.

Disponível na App Store e no Google Play.

2- Dropbox

O aplicativo possibilita o armazenamento de arquivos nas nuvens com clientes e fornecedores. São disponibilizados 2GB de espaço gratuito para cada usuário e há a opção de 100 GB por US$ 9,99 ao mês.

Disponível na App Store e no Google Play.

3- TaxiJá

O TaxiJá é uma aplicativo que as empresas podem utilizar para suas equipes em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Salvador, sendo que são oferecidos veículos de frota e taxistas independentes. A ferramenta permite não só escolher o taxista, como também se comunicar com ele.

Disponível na App Store e no Google Play.

4- WeatherMagic

O app é ideal para aqueles que viajam bastante e querem ficar atualizados sobre as condições climáticas. Ao escolher a cidade são exibidos a temperatura mínima e máxima em Celsius e Fahrenheit, data, horário, umidade, precipitação, pressão, visibilidade e bússola.

Disponível na App Store e no Google Play.

5- Pages

Perfeito para a criação rápida de documentos e apresentações, o aplicativo tem mais de 60 modelos de templates e várias ferramentas de redação e diagramação avançadas, como definição de fontes, estilos, inserção de imagens, vídeos, gráficos 2D e 3D e equações com o MathType. A ferramenta ainda conta com recursos de compartilhamento, comentários e feedbacks.

Disponível na App Store e o custo é de US$ 19,99.

6- Wunderlist To-Do & Task List 2

Ideal para fazer o gerenciamento das tarefas diárias, o que para um empresário é fundamental. Com o app é possível administrar e compartilhar a agenda com terceiros. A navegação é simples e há lembretes claros para facilitar a lembrança de todos os compromissos.

Disponível na App Store e no Google Play.

7- Waze

Para quem precisa se deslocar para reuniões e eventos, este é um aplicativo que não pode faltar. Além de ser um GPS com pesquisa por voz para mais de 40 idiomas, tem um design bem divertido e mapas interessantes. Através da interação com os mais de 50 milhões de usuários, o aplicativo possibilita a disponibilização de informações de rota, trânsito, acidentes e ajuda na melhor escolha dos percursos que devem ser feitos para economizar tempo.

Disponível na App Store e no Google Play.


Fonte da imagem: Clique aqui

5 Sinais de Que Você Possui Inteligência Emocional

Se você gostaria de aprender a lidar com seus sentimentos e situações delicadas, pode começar a desenvolver sua inteligência emocional. Confira 5 sinais de que você possui essa característica

Embora muitas pessoas acreditem que a inteligência se refere apenas ao seu grau de conhecimento, a verdade é que essa característica pode ser representada de diversas formas. Uma delas, a inteligência emocional, se refere à capacidade de uma pessoa de lidar com situações e sentimentos de maneira madura e evoluída, extraindo sempre o melhor de cada situação. Entretanto, reconhecer sinais dessa característica não é tão fácil. Se você gostaria de saber como é sua relação com a inteligência emocional, confira 5 sinais que podem mostrar se você a possui:

1. Curiosidade sobre pessoas que você não conhece

Se você adora conhecer novas pessoas e tem a tendência natural de fazer diversas questões a elas quando é apresentado, você tem grandes chances de possuir a inteligência emocional bem desenvolvida. Esse comportamento mostra certo grau de empatia, um dos principais componentes da inteligência emocional.

2. Conhecimento de pontos fortes e fracos

Grande parte de possuir autoconsciência é ser honesto consigo mesmo sobre quem você é, ou seja: saber em que tarefas você apresenta seu melhor desempenho e em quais você enfrenta dificuldades. Mais que isso, você tem que aceitar essas informações. Uma pessoa inteligente emocionalmente aprende a identificar suas áreas de força e fraqueza e sabe como analisar maneiras mais eficientes de trabalhar apesar dos pontos fracos.

3. Capacidade de prestar atenção

Se você é o tipo de pessoa que se distrai a cada evento mínimo, isso é sinal de que você ainda pode trabalhar melhor o seu nível de inteligência emocional. Pessoas desenvolvidas nessa área são capazes de manterem-se atentas a uma tarefa principal apesar do que está acontecendo ao seu redor.

4. Conhecimento dos motivos para tristeza

Qualquer pessoa experimenta um grande número de variações emocionais ao longo do dia e, em muitos casos, sequer entende o que está causando sensações como tristeza ou raiva. Porém, um aspecto importante da autoconsciência e da inteligência emocional é a habilidade de reconhecer de onde vêm suas emoções e entender o que está causando tristeza.

5. Capacidade de automotivação

Se você sempre se mostra como alguém ambicioso e trabalha duro, mesmo quando pode não ser recompensado por isso, seus níveis de inteligência emocional provavelmente estão bem desenvolvidos. Sendo capaz de motivar a si mesmo, você concentra sua atenção e energia para alcançar seus objetivos.


Fonte: noticias.universia.com.br
Fonte da imagem: Clique aqui

Ser ou Não Ser Assertivo: Eis a Questão

Autor: Marcos Gross

A palavra “assertividade” origina-se do termo “asserção”, que significa “afirmação” ou “declaração”. Para Alberti e Emmons, os sujeitos assertivos se comunicam de forma clara, direta e sincera sobre o que pensam e sentem, com posicionamentos que expressam seus verdadeiros pontos de vista. Segundo os autores, ser assertivo significa “ser uma pessoa transparente nas suas intenções e colocações”.

Conheço poucos profissionais que têm o privilégio de serem assertivos. A maioria das pessoas silencia suas opiniões, pois sabe que se for expressar suas ideias e sentimentos com autenticidade pode sofrer retaliações e prejuízos de colegas ou superiores no trabalho. A capacidade de ser assertivo está sujeita a situações de poder e no ambiente corporativo.

Quem pretende ou é assertivo, deve pagar o preço. Na escola, aprendemos desde cedo que a desobediência à “tia Maricota” seria duramente repreendida e poderíamos ser excluídos ou até prejudicados nas avaliações escolares. O resultado dessas vivências criou uma geração que aprendeu a cooperar sem questionar abertamente.

No Brasil, fomos criados em uma sociedade que premiava a não assertividade. Nossa nação viveu por séculos em um sistema escravista no qual a obediência ao “senhor” e capataz era única forma de sobrevivência dos trabalhadores. Nas fazendas e, mais tarde, nas indústrias e empresas, o velho mote “manda quem pode e obedece quem tem juízo” reprimiu a cultura da comunicação assertiva, valorizando a subserviência e o funcionário “vaquinha de presépio”.

Por outro lado, é consenso entre os profissionais de saúde que a atitude não assertiva das pessoas pode levá-las a doenças e desequilíbrios emocionais. Quando um colaborador “engole sapos” e não se permite expressar suas opiniões, adoece de gastrite, dores na coluna, alergias, hipertensão, estresse etc.

As características da comunicação assertiva são:

• Comunicação olho no olho - dirigir-se ao interlocutor com franqueza e sinceridade;
• Postura corporal - voltar-se para a pessoa com que está falando de forma concentrada sem dispersar com outros afazeres;
• Expressão facial - deverá estar alinhada com as suas palavras para transmitir convicção na sua mensagem (em assuntos sérios, não sorria);
• Tom de voz, inflexão, volume - firme, claro e moderado para expressar o que você pretende comunicar. Não grite para não passar a percepção de agressividade. Fim da mensagem.



Série SEU NEGÓCIO - Confira 5 Erros Que Podem Levar Seu Negócio à Falência

Diretor da FCL Consultores alerta para a desinteligência de gestão, incapacidade de inovação e a desarticulação política

Por Edilaine Felix

A falta de gestão pode levar muitas empresas a não comemorarem o seu segundo ano de vida. A falência é um fantasma que assombra a vida do empresariado, pois junto com ele vem os sentimentos de frustração e até de arrependimento.

Segundo o diretor da FCL Consultores, Fábio Cornélio, além da desinteligência de gestão, a incapacidade de inovação e a desarticulação política também são fatores que podem levar o negócio a bancarrota. "Ser empresário no Brasil é um milagre, o País não dá base para o crescimento das empresas, e geralmente, vampiriza os lucros, por conta de cargas tributárias absurdas".

A falência assombra a o empresariado brasileiro

Na avaliação do consultor, existem dois tipos de empresários que conseguem sobreviver: os que têm amparo político e conseguem atalhos para captar recursos, e os que trabalham a vida toda, somente para garantir o crescimento da empresa. Diante disso, ele aponta cinco pontos erros que podem levar o empresário a falência:

1. Gastar mais do que ganha

Muitos empresários brasileiros quando conseguem a primeiro faturamento mais alto, compram um carro importado, e acham que isto está ajudando a sua empresa. "Isto é um absurdo, faturamento não quer dizer lucro, e se este está crescendo, muito provavelmente sua empresa em pouco tempo precisará de mais investimento", diz Cornélio.

2. Investir o lucro de maneira errada

O empresário também vampiriza a empresa, usando o lucro errado, investindo em consumo, e não em produtividade. Segundo o consultor é preciso investir em inteligência e potencializar a criatividade. Se a empresa não tem lucro suficiente para investir em inovação deve buscar parcerias para não ficar parado no tempo.

3. Aumentar o endividamento sem critério

O consultor diz que é preciso entender que o endividamento mal planejado pode levar a empresa para o buraco. Com as altas taxas de juros do País, se endividar pode ser fatal.
"A maioria das empresas que conheci e faliram, se alavancou sem critério, e quando estava na hora de crescer, o banco foi e cortou o crédito. A empresa nadou e morreu na praia, com uma carteira cheia de pedidos, e sem capital de giro para atender".

4. Não entender os relatórios contábeis

Muitos empresários, por falta de conhecimento, negligenciam os relatórios contábeis e acabam usando o "jeitinho brasileiro" para criar formas de reduzir a carga tributária. Com isto, chegam a declarar prejuízo, tendo lucro. Assim, na hora que precisar de capital, ou mesmo, de buscar sócios para capitalizar a empresa, não encontrará".

Cornélio lembra que qualquer investidor interessado no negócio buscará a contabilidade da empresa, antes de tomar a decisão sobre investir.

5. Desarticulação política

Sonegar impostos, e dar “jeitinho” não garante a sobrevivência de sua empresa. Mas uma decisão firme e baseada em lucratividade, inovação e consciência global sim. "Temos que ser empresários sérios, não empresários gambiarras".


Fonte da imagem: Clique aqui

Levanta, Luta e Vence

Nicolai Cursino


“O que fazemos nesta vida, ecoa na eternidade” - Gladiador

“Eles podem tirar nossas vidas, mas não podem tirar nossa liberdade” - Coração Valente

“Haverá um dia onde a raça dos homens cairá e será destruída pela força das trevas, mas esse dia, não é hoje. Hoje é o dia em que nós lutamos, e vencemos” - Senhor do Anéis – O Retorno do Rei


A humanidade sempre recebeu mensagens de crescimento ao longo de sua história. Muitos mestres viveram e vivem entre nós oferecendo sua vida como exemplo àqueles que buscam um caminho maior. Jesus Cristo, Buda, Krishna, Krishnamurti, Yogananda, Chico Xavier, Martin Luter King, Gandhi, Mandela, Zumbi dos Palmares, Sócrates, e muitos, muitos outros, conhecidos e anônimos.

As mensagens estão em todos os lugares, como sempre estiveram. Na fala do filme que vai passar naquele canal que você quase nunca assiste. Em um verso da próxima canção que vai tocar no seu rádio. Em uma propaganda pintada no muro no caminho do seu trabalho, na camiseta do seu amigo, naquele livro parado na sua estante há muito tempo, esperando para ser lido.

Você está ouvindo? Está vendo? Pode sentir?

Ou está dormindo, como quando dirige para casa sem ao menos se dar conta do caminho? Ou na TV, no mesmo canal, no mesmo horário todos os dias, só por força do hábito?

É da natureza da vida, a luz e o crescimento. É da natureza da vida a realização, a felicidade e a prosperidade. É da natureza da vida que ela seja grande. E é da natureza da vida que nós, os seus filhos, tenhamos isso conosco. Assim como um filho se parece com seu pai e sua mãe.

Os grandes sucessos do cinema são histórias de superação, luta, perseverança e iluminação. A luta eterna da luz contra as trevas. Presente desde os desenhos da nossa infância. Todos nós sabemos disso.

E por que isso?

Porque essa é a nossa natureza.

Nossa natureza é se superar. Nossa natureza é lutar. Nossa natureza é continuar, apesar de tudo. Nossa verdadeira natureza é se iluminar.

Não importa o que você aprendeu a pensar com seus pais ou em sua escola, que provavelmente só te ensinou a ser menos, a comparar seu boletim, a ser lógico, a decorar datas e nomes de minúsculos elementos das células. Não importa o que diz a sua religião, que as outras estão erradas, que há só um único caminho e que você deve seguir as regras ou será punido. Realmente não importa.

Nada disso pode mudar a sua natureza. Você pode se esquecer disso, negar, reprimir, mas você não pode mudar isso.

Sua natureza é lutar, crescer e inspirar.

Você está ouvindo isso? Está de olhos abertos? Pode sentir?

Talvez haja um dia onde você desista de cumprir o papel que te dá prazer no mundo. Que você desista da carreira que sonha, do lugar que quer morar, da viagem que quer fazer ou do negócio que quer construir.

Pode ser que um dia você seja derrotado. E desista mesmo.

Mas, esse dia, não é hoje.

Hoje você se levanta, luta e vence!

*Nicolai Cursino é consultor, treinador e palestrante em desenvolvimento humano e liderança, com foco no crescimento sustentável das pessoas e das empresas.
Fonte: Jornal Carreira e Sucesso

5 Lições de Liderança Poderosas Para Seu Empreendimento


As adversidades e barreiras encontradas no trabalho e construção de seu negócio podem desanimá-lo de maneira muito prejudicial. Nessas horas é importante manter-se firme, pois o sucesso de seu empreendimento, bem como o rendimento das pessoas a sua volta serão influenciados por sua liderança. O autor do bestseller “O Ônibus da Energia”, Jon Gordon, compartilha em seu livro diversas lições que ajudam você a superar as dificuldades e atingir metas pessoais e profissionais. 

Confira a seguir cinco lições de Jon Gordon para uma liderança poderosa e um empreendimento bem-sucedido:

1. Tenha tempo para os funcionários

Gordon aconselha você a nutrir o seu relacionamento com seus colaboradores para conhecê-los individualmente. Enquanto estiver com eles, não seja distraído por ligações e outras atividades que irão fazer com que se sintam ignorados.

2. Escute-os

Escutar seus funcionários significa realmente ouvir aquilo que eles falam. Muitos chefes escutam sem realmente ouvir aquilo que os funcionários dizem. Parte essencial disso é olhá-los nos olhos, sem quebrar o contato visual de maneira desrespeitosa. 

3. Reconheça o trabalho dos outros

Funcionários que não são reconhecidos acabam desmotivados, frustrados e com baixa no rendimento e qualidade dos trabalhos. Se você deseja que eles mantenham o nível de produtividade ou o aumentem, então é necessário reconhecê-los por seu esforço e dedicação.

4. Seja um líder servo

Servir seus funcionários segue os conceitos da Liderança do Servo. Gordon diz que os líderes devem servir para que funcionários possam crescer em qualidade, profissionalismo e em maturidade.

5. Identifique o melhor em cada um

Ajude seus funcionários para que cada um possa descobrir e desenvolver suas habilidades e talentos. Ofereça a oportunidade para que eles as coloquem em prática e corrijam os erros. 


Fonte da imagem: Clique aqui

Série SEU NEGÓCIO - Como Ter um E-Commerce de Sucesso

Cuidar de um e-commerce exige atenção especial com aspectos como logística, entrega, qualidade do produto e muita divulgação

Por Rafael Loddi

Já pensou em ter um e-commerce? Com o fim do ano chegando, ter uma loja na Internet pode aumentar e muito suas vendas. Como todo comércio, este é um investimento que precisa ser cuidadosamente planejado, para que sua loja não vire uma grande dor de cabeça. Cuidar de um e-commerce exige atenção especial com aspectos como logística, entrega, qualidade do produto e muita divulgação. Confira algumas dicas para quem já tem ou pretende ter um e-commerce que faça sucesso ainda neste Natal.

Tenha um plano de negócios: independente se você quer vender o artesanato que produz nas horas livres ou os produtos que já vende em uma grande loja física, é preciso organizar como seu negócio vai funcionar. Quais são os seus objetivos? Quanto pretende vender? E tempo, já sabe quanto pode investir do seu dia no novo negócio? Trace metas realistas, administre suas despesas e lucros. Outra dica importante é fazer uma separação clara entre suas finanças pessoais e as da empresa.

Escolha uma plataforma: todo e-commerce precisa de uma plataforma para vender seus produtos e serviços. Existem três tipos diferentes: própria, paga por pageviews e paga de acordo com o faturamento. A plataforma própria tem um custo elevado, por isso é indicada apenas para grandes empresas. A paga por pageview tem um valor mensal estipulado de acordo com a visitação ao site. É uma alternativa interessante, pois costuma ter um valor interessante e ainda oferece ferramentas como relatórios e dados sobre o acesso. Existem também as que são pagas de acordo com o faturamento da empresa.

Explore os recursos da sua plataforma: escolher qual a melhor plataforma para o seu negócio exige atenção. Cada uma apresenta uma série de recursos específicos que podem melhorar muito suas vendas. São ferramentas como atendimento on-line, e-mail marketing, Google Shopping, suporte para varejo e atacado, integração com redes sociais, tag cloud, cálculo de frete automático, teste A/B, emissão de nota fiscal eletrônica (NFe), múltiplos usuários administrativos, entre outros. Pesquise qual plataforma apresenta as ferramentas que melhor se adaptam ao seu negócio.

Capriche no design: as empresas que vendem a plataforma normalmente oferecem algumas opções de templates. Apesar de ser uma solução mais rápida, é indispensável trabalhar com a personalização do seu site. Para quem já tem uma loja física, é importante fazer seu cliente sentir o mesmo clima na loja e no e-commerce. Para quem está começando com as vendas, tente imprimir no layout do site uma marca pessoal que faça com que as pessoas identifiquem seu negócio rapidamente.

Usabilidade: além do aspecto estético, o design deve ser pensado para facilitar a navegação de seus clientes. Coloque menus em locais estratégicos, deixe atalhos para a home e facilite o acesso ao carrinho de compras. Uma página visualmente agradável e com uma usabilidade bem trabalhada traz mais credibilidade à empresa, o que aumenta a confiança do consumidor.

Apresente corretamente seu produto: em um e-commerce, o cliente não tem a possibilidade de pegar o produto nas mãos. Páginas que não apresentam uma descrição clara e uma foto de qualidade do produto à venda podem confundir o usuário, que ficará insatisfeito. Publique fotos dos produtos com ferramentas para dar zoom na imagem, trabalhe bem a descrição do artigo e apresente detalhes como tamanho, peso e embalagem.

Pense também na possibilidade de oferecer vídeos do produto em funcionamento, caso seja um eletrônico. A apresentação de vídeos em e-commerces é uma tendência que tem aumentado nos últimos tempos. Os grandes varejistas já estão apostando nisso.

Ajude o Google a encontrar você: é preciso investir nas técnicas de SEO (Serch Enginee Optimization) para que os buscadores encontrem o seu site. Muitos usuários chegam até os e-commerces através das buscas. Trabalhe bem as descrições presentes para conterem as palavras certas e não utilize a mesma descrição para vários produtos, mesmo que sejam parecidos, pois isso faz com que o Google entenda que uma página é cópia da outra e penalize o site, tornando-o mais difícil de encontrar na busca.

Especialize-se: pode parecer que uma loja que venda um pouco de cada coisa vá ter mais chances do que uma que opte por um único produto. Mas na Internet a regra é um pouco diferente. Lojas especializadas atraem uma clientela qualificada, que costuma comprar mais de uma vez. Vender artigos muito diferentes é um privilégio que apenas empresas que já são conhecidas do grande público têm. Pequenas e médias devem apostar em atender um único nicho.

Apresente diversas opções de pagamento: hoje existem várias formas de cobrança para sites e os clientes querem ter o direito de escolha. Ofereça pagamento com diferentes bandeiras de cartões de crédito, débito, boletos e ferramentas de pagamento on-line. Além de facilitar a compra, essas opções passam uma maior credibilidade para o seu cliente.

Organize sua logística: depois da venda, a entrega é um momento crítico para o sucesso da sua loja. Quando alguém faz uma compra, normalmente espera ansiosamente pela sua encomenda. Verifique qual a melhor opção de entrega para sua loja, se é pelo Correio ou empresas privadas. Mostre para o cliente em que etapa da entrega está a encomenda e capriche na embalagem. Uma opção que costuma agradar bastante é o frete grátis acima de determinado valor.

Outro fato que precisa de atenção é que os Correios não trabalham com entregas de alimentos e produtos frágeis. Nestes casos, é preciso contratar uma empresa de entrega especializada.

Trabalhe sua divulgação: de nada adianta ter um bom e-commerce se seu público-alvo não o conhecer. Estude seu público e descubra quais sites eles visitam, então faça parcerias com estes veículos. Trabalhar com o Google AdWords também é interessante, pois é uma propaganda de baixo custo que produz bons resultados. As redes sociais – como Facebook, Instagram e Twitter – são úteis para firmar o relacionamento com os seus clientes, não apenas para vender.

Pode parecer muita coisa, mas estes são detalhes essenciais que podem definir o sucesso ou fracasso de um e-commerce. Este é um período do ano em que as vendas aumentam e os afazeres também. Muitas pessoas querem comprar seus presentes, mas não têm tempo para ir até uma loja. Estes são os consumidores que cada vez mais apostam no e-commerce.

O mercado é bastante promissor, mas altamente concorrido. O profissional precisa oferecer uma experiência de compra impecável para conquistar seu lugar ao sol.

Rafael Loddi é gerente de marketing e comercial da FastCommerce.
Fonte da imagem: Clique aqui

Os 4 Pilares Para Ser um Ccoach de Sucesso

Uma visão dos pilares da sabedoria aplicado na formação de profissionais de Coaching

Por Sulivan França

Frequentemente perguntam-me sobre o que considero relevante na formação de um profissional em coaching. Costumo comparar o processo de formação de um coach de sucesso com a teoria dos pilares da sabedoria. Existem quatro pontos fundamentais da teoria que se aplicam de forma integral e que considero relevantes para determinar o quão eficiente você será em sua carreira como coach. Estes pilares são: dados, informações, experiência e conhecimento.

A questão mais relevante que devemos observar são esses termos são frequentemente usados de forma alternada, como se tivessem o mesmo significado ou aproximado. Sem “desconstrução”, ou melhor dizendo, sem “entendermos” ou buscarmos entender o que de fato esses termos nos dizem, quase que poderia funcionar como termos idênticos, a verdade é que eles são totalmente distintos e todos eles são e têm um significado especifico e diferente um do outro.

Dados

Os dados podem ser, mas não são, necessariamente, a informação por completo. Quando observados os dados, é importante sabermos identificar se eles nos informam uma estrutura ou uma configuração. Sem esses dois pontos a serem considerados, o valor dos dados é limitado.

Em uma formação de coach, dados são tudo aquilo que um Master Coach Trainer (Instrutor responsável pelo curso de formação) informa aos seus alunos de forma verbal sobre o coaching e seus aspectos fundamentais.

Informação

Da mesma forma, a informação não é conhecimento. Ela requer uma estrutura que sirva como referência para o processo de aprendizagem de novos conceitos. Isso significa que a estrutura aponta diversos aspectos, como: ver, ouvir e sentir (fazer). Isso porque nós só podemos aprender novas ideias e conceitos com base em como eles se relacionam com o que já sabemos.
E o que sabemos e aprendemos, enfim, nossas experiências, estão diretamente ligadas ao nosso sistema sensorial. É com ele que experimentamos o mundo e tudo o que acontece ao nosso redor, de modo que armazenamos todas esta experiências em nossa consciência, seja ela consciente ou inconsciente.

Experiência

O processo de transmitir dados e informações acaba se tornando o conhecimento, mas, para isso, precisamos atender as expectativas dos alunos em seu mais importante veículo, entre o que ensinamos e suas experiências sensoriais, para que não torne-se apenas um processo de comunicação. Neste processo de formação, o aluno precisa pensar, ver, ouvir e experimentar. Aprender é preciso para converter os dados em informações úteis e, depois, experimentar resultados através da aplicação dos dados e informações. Aí, sim, podemos dizer que ele já tem a experiência sensorial fundamental para começarmos a construção do conhecimento. Este processo é conhecido como transferência de conhecimento. O fluxo e a velocidade desta transferência intelectual são dependentes do nível de interesse e motivação do aluno. E para que este interesse e motivação sejam despertados, é preciso atingir a via preferencial de comunicação dos alunos, seja ela visual, auditiva ou sinestésica.

Conhecimento

A forma mais rápida para a transferência de conhecimento é ter ideias reais, eventos e informações em contextos significativos daqueles que buscam uma formação em coach. Essencialmente para que eles possam associar o conhecimento à vida, transformando, assim, os dados e a informação (material do curso) em experiência (esta atribuída ao professor), para que, juntos, possam formar o conhecimento necessário que desperte a motivação e o interesse do aluno.

E quanto à Sabedoria?

O salto final para a sabedoria está nas mãos do aluno. Como o conhecimento novo é usado, só pode ser determinado por aqueles que o possuem.

Em suma, esses são os quatro pilares:

DADOS e INFORMAÇÕES – Material do curso, como: apostilas, slides e tudo que pode ser transmitido.
EXPERIÊNCIA – Está ligado ao conhecimento do Master Coach Trainer, responsável pelo curso de formação.
CONHECIMENTO – Conhecimento prático através da experiência sensorial adquirida pelo aluno quando no curso de formação.
SABEDORIA – A utilização criteriosa dos conhecimentos adquiridos em curso e após o desenvolvimento de pratica pós curso.

Palavras (dados, informação) permitem a compreensão teórica. A experiência permite que os dados e as informações sejam colocadas em prática, atestando sua validade. Sabedoria é o acumulo de prática, o que permite um desenvolvimento a médio e logo prazo.

Coaching Ferramentas

Acúmulo da sabedoria é muitas vezes realizada através de sentimentos, instintos, intuição e experiências sensoriais adquiridas através da prática. Estas são as ferramentas da sabedoria e as ferramentas básicas do coach de sucesso.

Isto implica a repetição de todo o ciclo de aprendizagem e ferramentas de coaching. Muitas vezes, uma tarefa que realizou com paixão, persistência e paciência. Como você pode imaginar, existem muitos detalhes que se estendem por estes processos.

Sulivan França - Atual Presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching, Sulivan França é Master Coach Trainer por meio da International Association of Coaching Institutes, possui licenciamento individual conferido pelo Behavioral Coaching Institute (BCI) e credenciamento individual junto a International Association of Coaching (IAC) além de Master Trainer por meio da International Association Of NLP Institutes. Siga-o no GOOGLE+.
Fonte da imagem: Clique aqui

11 Segredos Para Negociar Seu Salário

A negociação do salário é algo que assusta até mesmo os executivos mais experientes e autoconfiantes. Confira 11 segredos de sucesso para ser bem-sucedido em seu objetivo salarial

Muitos profissionais temem a hora de negociar seus salários. O tabu financeiro pode ter diversas origens, uma delas focada na ideia de que a remuneração seria um favor feito pelo empregador ao profissional. Essa mentalidade foge da coerência já que o dinheiro não é ganho no fim do mês, mas sim trocado por seu trabalho durante aquele período. Negociar a quantia irá depender diretamente do valor que você dá ao seu esforço e como se enxerga no mercado de trabalho. Afinal, o objetivo salarial que estabelece não irá mudar exclusivamente conforme as empresas, mas sim de acordo com as oportunidades.

Confira a seguir os 11 segredos de sucesso para ser bem-sucedido em seu objetivo salarial:

1. É apenas uma conversa

Negociações de salário são conversas e acertos entre duas pessoas. Não são diálogos pessoais, então você não precisa se preocupar com esse tipo de aspecto. Ambos estão procurando bons resultados e devem tratar os pontos da transação a partir dos interesses profissionais.

2. Suas necessidades pessoais não entram na conversa

É claro que suas necessidades pessoais são importantes. Mensalidades escolares, despesas com a dispensa, contas de água e luz não param de chegar, independente de seu salário. Mesmo assim, os pontos e argumentos que for usar para sua negociação não devem estar baseados ou citar esse tipo de despesa. Você deve se fundamentar estritamente em seu valor para a empresa e como você irá contribuir com seu trabalho.

3. Saiba a média salarial

Confira dados sobre as médias salariais em sua área de atuação para o trabalho que fará. A partir dessas informações você poderá montar seu objetivo financeiro. Cuidado, entretanto, para não usar os dados errados. Dependendo da empresa, localização e metas empregatícias essas informações mudam e você corre o risco de comparar as coisas erradas.

4. Não dê a primeira oferta

Se a empresa pede que você forneça qualquer tipo de expectativa salarial faça o que puder para não informá-la. É muito melhor que você saiba qual a quantia oferecida inicialmente para que consiga basear a sua proposta. Você pode responder que isso depende do tipo de trabalho que você irá fazer, dos benefícios, etc.

5. Não minta sobre sua remuneração atual

Se perguntarem qual é seu salário atual, fale a verdade. Caso descubram que mentiu, você com certeza irá perder a oferta de emprego. Ofereça explicações objetivas se sua última remuneração foi muito mais baixa ou alta do que a da oferta atual.

6. Considere compensações não salariais

Compensações não salariais como benefícios, férias extras, trabalhar de casa algumas vezes no mês ou participações nos lucros da empresa também devem ser consideradas durante a negociação salarial, pois passam a fazer parte de sua remuneração como um todo.

7. Seja confiante. Peça o que você deseja

Acredite em seu valor para empresa e habilidades. Não tenha medo de falar aquilo que deseja e deixar claro quais são suas metas salariais. É melhor se arriscar e receber uma resposta negativa do que ficar calado e não aproveitar a chance de conseguir o que deseja.

8. Se informe sobre bônus e programas de incentivo

Muitas empresas possuem programas de incentivo que podem aumentar em 5% ou até 25% seu salário final.

9. Aumentos futuros

Você também pode procurar se informar sobre futuros aumentos salariais ou revisões. Da mesma forma como seu desempenho será avaliado periodicamente de maneira mais formal, veja se a empresa planeja revisões da remuneração.

10. Não se tenha pressa em responder

Mesmo sabendo que irá aceitar a oferta não tenha pressa em responder. Você deve meditar sobre essa decisão e ter certeza de que ela é a melhor para sua trajetória profissional. Dependendo de seus valores e objetivos, também analise se ela se encaixa com seu estilo de vida pessoal.

11. Valide tudo

Não fique apenas na conversa. Garanta que todos os acertos sejam oficializados e que nenhuma dúvida seja deixada para trás. Se o combinado foi feito por e-mail, imprima-os e mantenha como evidência.


Fonte da imagem: Clique aqui

Mudar de Carreira: Qual o Momento Certo?

Maiara Tortorette


Mudar de carreira é uma decisão que não deve ser tomada de um dia para o outro. Iniciar uma nova trajetória profissional pode ser o caminho adequado para muitos profissionais que não encontram satisfação e sucesso naquilo que fazem, no entanto, é preciso muita cautela para avaliar se esta é apenas uma vontade momentânea, causada por problemas na empresa ou até mesmo por um projeto que não deu certo, ou se realmente este momento merece atenção e investimento.

Recomeçar exige muito mais do que vontade e entusiasmo. Além de aceitar uma remuneração mais baixa, o que é comum quando não se tem muita experiência em determinada área, o profissional também deve entender que precisará de muita dedicação para que o mercado o reconheça e para que seja capaz de assumir um novo cargo tendo as habilidades exigidas pelas organizações. Mas afinal, por onde começar?

“O primeiro ponto é identificar por qual motivo o profissional quer mudar de carreira”, define Sulivan França, presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching. Para ele é importante que se entenda o ocorrido para que este mesmo fator não volte a acontecer no futuro, seja nesta ou em outra área futura. Além disso, trata-se de uma reflexão tão necessária quanto imprescindível na escolha da futura carreira profissional, o que exige muito mais ponderação e objetividade para maiores probabilidades de acerto.

Existem diversas formas de fazer a escolha adequada. Se mesmo após avaliar toda sua carreira o profissional se der conta de que precisa realmente apostar em novas atividades, trocar experiência com profissionais que já atuem no mercado de interesse pode ser decisivo. Ter pleno conhecimento dos prós e contras da nova área e avaliar se realmente deseja enfrentar estes desafios, auxiliam no processo da escolha e minimizam as chances de futuras frustrações.

Separar os hobbies de interesses profissionais é um dos pontos que devem ser levados em consideração nesta escolha, enfatiza Daniela Zanuncini, psicóloga, coach e diretora da Bem-Estar Desenvolvimento Humano. Ela explica que é necessário entender que uma pessoa que gosta de roupas e de vestir os amigos, por exemplo, pode não ter a menor habilidade para atuar na área de moda. “A maioria das pessoas confunde muito seus interesses e hobbies com o desejo de estar realizado em uma carreira”, explica. Outra questão que deve ser considerada pelo profissional é conhecer bem suas competências e dificuldades para não continuar carregando o mesmo tipo de problema.

A questão do planejamento financeiro também deve ser bem avaliada, principalmente quando esta mudança envolver outras pessoas, de forma direta ou indireta. Em grande parte dos casos o mais indicado é que o profissional se mantenha em sua posição atual até que consiga se estabelecer e não desanime rapidamente com a nova remuneração.

“Quando o profissional tem uma meta de mudar de carreira e é preciso avaliar o quanto a carreira em que ele se encontra hoje contribui para que esta meta seja alcançada”, explica Sulivan. Ao fazer este tipo de observação é comum que a pessoa perceba que ainda não é a hora certa de mudar de carreira até que consiga uma segurança, uma estabilidade financeira para poder se aventurar no mercado e partir para este novo mundo. “É de suma importância que a pessoa estabeleça um plano de ação e tenha um planejamento para que ela possa fazer esta transição de maneira menos traumática possível”, afirma.

Esteja preparado para o novo desafio!

Deixar tudo, ou quase tudo para trás em busca de satisfação profissional, ou realização pessoal, é uma tarefa que exige disciplina e muita dedicação. Apesar das organizações terem evoluído e já aceitarem, e muitas vezes até valorizarem, pessoas com este perfil, o mercado está cada vez mais competitivo e exige profissionais qualificados e preparados.

Para a administradora Juliana Schmidt , a carreira não é só momento, é uma construção a longo prazo, portanto alguns fatores devem ser avaliados e compreendidos por quem realmente deseja mudar:

• Não esperar que a mudança vá acontecer do dia para a noite;

• Não investir antes de fazer alguns testes no novo ramo;

• Não procurar ocupação nesta nova área sem fazer uma boa prospecção;

• Não deixar que o dinheiro seja o fator decisivo;

• Não entrar em determinada carreira apenas por modismo ou porque pessoas conhecidas tiveram sucesso.

Pesquisar bastante, avaliar todos os riscos e investir em si é a receita para o sucesso de qualquer mudança. De acordo com Juliana, “Quem faz o que gosta faz bem feito. O profissional que pensar assim encontrará o mercado de braços abertos”, finaliza.


Fonte: Jornal Carreira & Sucesso

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More