Delegação de Tarefas x Autoritarismo

Autor: Caio Lauer

A linha entre saber delegar tarefas e ser autoritário pode ser bastante tênue. Ter a habilidade de distribuir tarefas e projetos para equipe é algo cada vez mais exigido para os gestores, e o universo corporativo está extinguindo, pouco a pouco, os chefes mandões.

Distribuir tarefas exige confiança e também consciência por parte do gestor, pois o liderado pode tomar ações e resolver questões com ideias diferentes e até melhores em determinadas situações. “O líder precisa ser um inspirador. Ele deve fazer com que a equipe acredite nos projetos desenvolvidos, pois desta forma o time se envolverá e vai atingir as metas em parceria”, pontua Luiz Wever, sócio da Odgers Berndtson, consultoria de seleção de altos executivos.

De acordo com Wever, a liderança é composta por conhecimento técnico, capacidade de planejamento, comunicação e ética. “Estas características são utilizadas no mercado de trabalho para avaliar gestores e conseguem sintetizar bem os fundamentos de um bom líder”, explica.


Ambiente colaborativo


Ter um relacionamento saudável com o gestor é algo bastante valorizado. De acordo com a última Pesquisa dos Profissionais Brasileiros, realizada com 53.622 pessoas, ser reconhecido pelo líder e ter voz ativa com o mesmo estão entre os itens que mais motivam os profissionais.

As vantagens de um ambiente colaborativo e de confiança é promover mais agilidade nas ações – o gestor deixa de ser o gargalo nos processos. Se todas as decisões tiverem que passar pela aprovação do líder, o ritmo da entrega de resultados, muito provavelmente, será lento.

“É muito desmotivador para um subordinado ter que interromper seu trabalho para pedir a ‘benção’ de seu chefe para tomar qualquer decisão. O profissional se sente como uma criança monitorada”, aponta a sócia Sisgen Consultoria, Maria Cristina Costa.


Cultura da organização


A cultura colaborativa e de participação depende primeiramente do alto escalão da empresa. Se o CEO não compactua com esta atmosfera, haverá ruídos na gestão da organização como um todo – o discurso não pode ser diferente da atitude do dia a dia.

“Um bom gestor deve ter a consciência que não é o melhor entre as habilidades e competências necessárias na equipe, mas sim o profissional capacitado para delegar tarefas e saber quem são os membros mais capazes de executar determinados projetos”, comenta Luiz Wever.

A presença de um líder que saiba delegar tarefas e que dê autonomia é essencial, pois desta forma os membros da equipe aumentam suas oportunidades de crescimento dentro da empresa e no desenvolvimento profissional, além da satisfação pessoal, que hoje é algo fundamental.


Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More