Otimismo Demais Atrapalha Qualquer Gestor, Saiba Como Evitar

Assumir riscos requer muita autoconfiança, mas é preciso lembrar que o mundo dos negócios não é um arco-íris com potes de ouro

Por Luísa Melo

Eike Batista, que sonhava em se tornar o maior bilionário do mundo e batizou suas empresas com a letra “x” para representar a multiplicação da riqueza, vê acionistas o abandonarem e seu patrimônio despencar em função de promessas não cumpridas.

Seus críticos afirmam que, entre seus erros, está o excesso de otimismo, que o levou a assumir riscos elevados e a contagiar os demais. No dia-a-dia de um gestor, há um momento em que o otimismo passa da conta e começa a atrapalhar? Especialistas dizem que sim.

É consenso que o otimismo é uma característica necessária aos homens de negócios, principalmente em mercados que exigem inovação. Porém, é preciso cautela.

“O otimismo é um valor importante para o negócio; são os ousados que têm poder de recompensa grande. Mas, às vezes, o executivo toma decisões fora da sua alçada, não faz uma análise adequada de mercado e da própria empresa. Ele confia tanto tanto em si, que não calcula os riscos”, avalia a coordenadora de Carreiras do Instituto IBMEC, Fernanda Schroder.

Alguns sinais de que o otimismo do gestor está exagerado podem ser observados de acordo com os resultados da empresa. Em caso de companhias de capital aberto, uma grande venda de ações por parte dos investidores ou uma queda no valor dos papéis pode ser um indicativo de que algo não está dando certo.

Alterações no fluxo de caixa (quando a empresa gasta mais do que arrecada, por exemplo) e queda na crença dos fornecedores também devem ser observadas. Outro sinal que deve ser visto com atenção é quando a empresa encontra dificuldades de concretizar seu plano de negócios.

“Quando a realidade mostra que aquilo em que eu acredito não está se concretizando, pode ser um sinal de que estou sendo muito otimista. Se acontece algo no mercado que faça o gestor mudar a sua rota planejada e mesmo assim ele consegue andar para frente, está ok. Se ele não consegue, é preciso saber enxergar um ‘plano B’”, diz o professor do Insper, Aloisio Buoro.

Para não cometer o erro de ser muito otimista, o executivo pode tomar alguns cuidados.

1 - Analisar o mercado em que se pretende investir

É importante que o gestor faça uma análise financeira e de mercado, elabore um bom plano de negócios e faça um “check-list” para ver a viabilidade do negócio. “É preciso conhecer o ramo em que se pretende atuar. Isso é fundamental”, diz o professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FGV Djair Picchiai.

2 - Utilizar indicadores para verificar os resultados da empresa

Piccihai também recomenda que os gestores não confiem somente no seu “feeling”, que é importante, mas que utilizem indicadores de fatores balanceados, como por exemplo o BSC (Balanced Scorecard), metodologia que mede o que a empresa aprende, a satisfação do cliente e os desempenho dos processos.

3 - Organizar uma planilha de finanças

Segundo o professor de estratégia da Fundação Dom Cabral Paulo Vicente Alves, calculando a taxa interna de retorno e o valor presente líquido, é possível identificar se há confiança demais em um negócio. “Se a taxa interna de retorno estiver acima de 40 a 50%, geralmente é sinal de muito otimismo”, ressalta.

4 - Realizar testes de sensibilidade

Alves também recomenda experimentar algumas mudanças para verificar a sensibilidade no resultado. “Aumenta-se 10% do custo, ou 10% da receita e vê-se se os resultados são sensíveis a isso. Se o resultado mudar, indica que o negócio tem um certo risco”.

5 - Variar os segmentos para diluir o risco

É a velha premissa de “não colocar todos os ovos na mesma cesta”. O gestor pode tentar variar os negócios da companhia, para não ficar preso aos riscos de uma determinada atividade. “É o caso da Pepsico. A Pepsi sabe que depende muito da bebida carbonada. E esse mercado pode ter variações muito grandes se as pessoas disserem que faz mal à saúde. Então ela também tem a Pizza Hut e Elma Chips”, exemplifica Alves.

6 - Considerar que é difícil prever a demanda

O professor da Fundação Dom Cabral também alerta para o cuidado de não se fazer previsões muito otimistas quanto à procura dos consumidores. “A Kodak, na década de 1990, não previu o risco (de ter a demanda fortemente diminuída pelo uso das câmeras digitais e não mais de filmes) e caiu”, diz.

7 - Evitar agir impulsivamente e consultar um olhar externo

Fazer um planejamento, mensurar os resultados e não agir somente de forma emocional também são pontos importantes para não cair no otimismo exagerado, segundo a coordenadora de Carreiras do IBMEC, Fernanda Schroder. Mas como o gestor pode avaliar se está sendo impulsivo?

O professor do Insper Aloisio Buoro diz que um ponto que pode ajudar nessas horas é recorrer às consultorias. “O que acontece é que ele (o executivo) tem uma crença tão grande no seu negócio, que às vezes tem dificuldade de enxergar que seus planos estão dando errado. Quem está fora do negócio percebe melhor”. Às vezes, o recado de quem está de fora é bem claro. Basta ver o que os investidores estão dizendo a Eike agora.


Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More