Por Que as Mulheres Brasileiras Não Chegam à Liderança Nas Empresas

Consultoria fez estudo para entender o motivo de apenas 4% das 250 maiores do País terem mulheres em seus principais cargos

Apesar da enorme quantidade de mulheres extremamente qualificadas disponíveis no mercado, apenas 4% das 250 maiores empresas brasileiras têm mulheres entre seus principais cargos. O dado é alarmante e fez a consultoria Bain & Company realizar uma pesquisa para entender por que a representatividade das mulheres em altos cargos de liderança é tão baixa.

Segundo a pesquisa, os pontos-chave que impedem as mulheres de atingirem posições de liderança são:

1. Além dos já conhecidos desafios associados à percepção de prioridades conflitantes entre trabalho e vida pessoal, o estilo das mulheres é diferente dos homens e menos valorizado no mercado de trabalho;

2. Homens e mulheres reconhecem que têm estilos diferentes, mas homens veem menos obstáculos dessa diferença às chances de promoção das mulheres;

3. As empresas tendem a valorizar mais atributos tipicamente reconhecidos como masculinos (solucionar problemas, influenciar) do que aqueles mais identificados como femininos (apoiar e dar coaching).

Homens e mulheres concordam com os pontos de estilo de liderança que são mais valorizados pelas empresas: solucionar problemas, encorajar times, influenciar equipe, inspirar e delegar. Nestes quesitos, os homens são mais bem avaliados do que as mulheres. Quando a pesquisa solicitou aos entrevistados homens que avaliassem outros homens e outras mulheres nos atributos de liderança, o resultado foi que homens apareceram como mais bem capacitados que mulheres em quatro das cinco principais características citadas.

Eles acreditam que outros homens são 50% melhores que as mulheres em delegar trabalho, 37% melhores em solucionar problemas e 35% melhores em influenciar equipes. Por estes resultados, o estudo da Bain conclui: como o estilo de liderança das mulheres não é tão bem avaliado pelos homens e são eles os gestores responsáveis pelas promoções, as mulheres acabam tendo menos oportunidade na hora de uma promoção.

Segundo a consultoria, um total de 514 pessoas respondeu à pesquisa, com igual representatividade de mulheres e homens. Deste total, 42% dos entrevistados ocupa posições de gerência sênior ou executiva.


Fonte da imagem: Clique aqui

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More