É Hora de Parar de se Estressar Pensando Sobre o Estresse

Por Lucy Kellaway

Por mais que eu tenha ficado furiosa nestes dias insanos de festas de fim de ano, penso que as coisas poderiam ser bem piores. Ainda não cheguei ao ponto de correr para um hospital alegando ter sido atacada por um estranho com uma chave de fenda - para admitir depois que inventei tudo.

Foi exatamente isso que aconteceu com Ulrich Ruther, diretor-presidente de uma seguradora alemã. Há cerca de dez dias a Provinzial NordWest emitiu um breve comunicado informando que seu presidente havia sido ferido com uma chave de fenda do lado de fora da sede da empresa. Poucos dias depois houve um segundo comunicado. "O ataque não aconteceu da maneira como foi informado", disse a companhia.

Isso mostra, de uma maneira sombria, os danos provocados à família do executivo pelas "turbulências" que a seguradora vem enfrentando, já que é alvo de um possível 'takeover'. Ruther quer que "esta fase extremamente tensa" termine, disse o comunicado. Ele não está sozinho em querer o fim do estresse. Naquele mesmo dia, a 4.800 km de distância, Arianna Huffington escrevia uma mensagem para seus seguidores no LinkedIn sobre sua "Grande Ideia" para 2013: Menos estresse, vida mais longa.

A ideia, do jeito que foi apresentada, envolve um processo de dois passos. O primeiro é reconhecer o quanto estamos estressados; o segundo é adotar as medidas necessárias para "corrigir o rumo". Somente depois vamos encontrar nosso "ponto centrado de harmonia e equilíbrio" e "nos reconectar com nossa própria criatividade, sabedoria e alegria". Arianna disse, em convenções, como os funcionários de seu "Huffington Post" lidam com o estresse fazendo ioga e massagens, reconectando-se com sua sabedoria e alegria.

Isso pode tê-los ajudado, mas não consigo imaginar como poderia ter sido útil para Ruther. Ou para mim, para dizer a verdade. Para eu conseguir "corrigir o rumo", penso em quatro coisas - e ioga não é uma delas. São elas: a) que meus filhos fossem dez anos mais velhos; b) que meu pai fosse dez anos mais novo; c) que meu cérebro trabalhasse com mais rapidez; e d) que a Uniqlo não tivesse vendido todas as blusas do modelo que eu pretendia dar de Natal para minha filha.

O mais impressionante sobre a "Grande Ideia" de Arianna Huffington é a maneira como ela consegue ser trivial e equivocada ao mesmo tempo. Assim como a própria ideia de que menos estresse significa viver mais. Para começar, o estresse e a vida não estão em conflito. Se não passássemos por um certo estresse, não haveria um bom motivo para levantar da cama de manhã. É errado pensar no estresse como um inimigo e ainda mais errado não pensar no assunto. Quando me sinto estressada, a pior coisa que posso fazer é ceder a ele. Até mesmo mencionar a palavra é ruim.

Na verdade, a única cura confiável que conheço é passar 30 segundos com meu marido. Isso sempre acontece do mesmo jeito: reclamo do quanto estou me sentindo estressada e ele responde, sem tirar os olhos de seu laptop: "Que besteira! Você tem uma vida interessante, ativa e gosta que ela seja assim". Essa resposta sempre faz eu me sentir muito melhor. Percebo que não estou estressada, simplesmente estou com muita coisa para fazer.

E se o problema é estar muito ocupada, a resposta não é fazer uma massagem - que passa a ser mais uma coisa a ser organizada e para a qual você precisa chegar na hora -, mas deixar de lado algumas das coisas que você deveria fazer. Responder e-mails sem sentido, perder tempo fazendo salgadinhos para o dia de Natal e a passar na festa do vizinho, são coisas que podem ser facilmente dispensadas.

O maior problema sobre o estresse é sua falta de clareza. Ele é uma muleta para todo tipo de coisa. Quando digo que estou estressada, normalmente quero dizer uma de três coisas: que estou ocupada demais, cuja resposta para isso é fazer menos. Ou que estou muito cansada, cuja resposta é ir dormir. Ou que estou ansiosa, cuja resposta é lidar diretamente com o que está me deixando preocupada.

Não sei qual era o problema de Ruther. A resposta poderia ser uma medicação, um trabalho diferente ou continuar persistindo. É difícil dizer hipoteticamente. De qualquer maneira, ioga não é a melhor forma de combater o estresse. Isso serve para relaxar músculos tensos, mas apenas se você tiver paciência para ficar falando de chacras. O estresse em si não pode ser derrotado e não há nada mais estressante do que tentar fazer isso.

Portanto, eis minha grande ideia para 2013. Acabar com o estresse em um único passo, eliminando a palavra, forçando-nos assim a identificar com mais precisão aquilo que nos aflige. 


Fonte da imagem: Clique aqui

3 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More