O Gestor e Educação Corporativa

O profissional precisa observar, ouvir e analisar seus colaboradores, com a consciência de que suas ações impactam diretamente na equipe 

Bruno Gomes Carvalho Pinto 

Atualmente fala-se muito em educação corporativa, entendida como estratégia para formação de capital intelectual, com vincula­ção do desenvolvimento das pessoas com as estratégias das empre­sas. Por isso, os trabalhadores precisam construir seu conhecimento continuamente, o que exige maior grau de dedicação pelo profis­sional. 

Além disso, a visão moderna de educação corporativa supera antigos conceitos, como o famigerado treinamento e desenvolvi­mento (T&D), no qual os colaboradores de uma organização ficavam alguns dias em sala de aula, muitas vezes lendo textos bonitos, mas sem aplicabilidade prática. Ou seja, até bem pouco tempo, sair para treinamento era o mesmo que tirar uma pequena folga. Tanto que a maior parte dos gestores só mandava para treinamentos os funcio­nários que não “fizessem falta” no escritório. 

Hoje a realidade felizmente mudou. A educação corporativa tem importância estratégica, evoluiu e somou a tecnologia da infor­mação às aulas presenciais. Também ocorreu revisão dos conteúdos abordados em cursos empresariais, que passaram a se voltar para a realidade profissional dos educandos, garantindo melhor aproveita­mento. 

Mas o sucesso da educação corporativa não se resume ao pro­cesso em sala de aula ou à qualidade das apostilas disponibilizadas. Um dos elementos mais importantes da educação empresarial é o gestor da equipe, que tem a função primordial de identificar as aspi­rações de carreira dos seus colaboradores, bem como as necessida­des de desenvolvimento deles. 

Embora ninguém motive ninguém, precisamos compreender que o ser humano não é determinado, mas é condicionado. Por isso a atuação do gestor é tão relevante para um colaborador. 

Desse modo, um gestor eficaz precisa observar, ouvir e analisar sua equipe, com a consciência de que suas ações impactam a visão de mundo dos funcionários, possibilitando mudanças de comporta­mento. O gestor não pode se limitar a aspectos quantitativos como metas, mas também deve abordar atividades vinculadas às capaci­dades humanas. 

Assim, o gerente precisa apresentar alternativas para formação profissional e geral, mantendo-se atento para que os membros de sua equipe façam escolhas de cursos, livros, filmes e revistas que se­jam significativos para suas carreiras, agregando valor a cada história de vida. São necessárias, portanto, ações educativas que conduzam à maior aproximação de realidades distintas de trabalho e que valori­zem a experiência das pessoas. 

Aliás, a valorização da experiência das pessoas é uma grande evolução da educação, que teve Paulo Freire como um dos principais defensores, e que foi adaptada com sucesso à educação empresarial. Isso é importante num momento em que as organizações vivem um período de encontro de gerações. Todos têm algo a ensinar. O profis­sional mais experiente transmite segurança ao mais jovem, que por sua vez, sempre ajuda o mais experiente com o computador e outras tecnologias, por exemplo. 

E um gestor que valoriza a experiência de sua equipe orientará os funcionários sobre o que precisa ser feito, mas não fará por eles. Concederá autonomia para os colaboradores realizarem suas tarefas, fará sugestões de melhoria, em vez de meramente aprovar ou rejei­tar, e esclarecerá dúvidas sobre o trabalho. 

Essas ações de orientar, sugerir e tirar dúvidas nada mais são do que expressões do ato de educar. Trabalho e aprendizagem se so­brepõem no mercado contemporâneo. Diante disso, verifica-se que um gestor eficaz é, acima de tudo, um educador, que tem o escritório como sala de aula e seus funcionários como aprendizes. 


Fonte: Revista Competência 
Fonte da imagem: gettyimages

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Envie para sua rede

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More